Pular para o conteúdo principal

Padre aposta que Trump vai combater o ‘materialismo ateu’



Para cristãos, Trump lidera uma nova Cruzada

O papa do padre Augusto Bezerra não é Francisco, mas Trump. 

O sacerdote está entusiasmado com o presidente dos Estados Unidos porque, conforme ele escreveu na rede social, agora os cristãos estão “de volta ao topo da pirâmide internacional para desfazer o trabalho sujo do materialismo ateu e toda espécie progressista”.

Não se trata de um padre qualquer.

Bezerra é um dos assessores mais influentes de dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro.

Paulo Ricardo é outro padre ultraconservador brasileiro adorador de Trump, embora Francisco tenha feito duras críticas ao americano.

Trump nem é muito religioso, mas seu ideário coincide com “valores cristãos”, como submissão das mulheres, rejeição ao aborto, não aceitação do casamento gay, fim do Estado laico, etc.

O padre Bezerra é jovem, mas ele usa um termo antigo — “materialismo ateu” —, da época da Guerra Fria.

Nas décadas de 1960 e 1970, os comunistas eram apontados como “materialistas ateus” e de comedores de crianças, em duplo sentido.

De lá para cá, o mundo mudou muito, e hoje em dia os comunistas são poucos e se descobriu que os verdadeiros comedores são padres.

Para os ultraconservadores católicos como Bezerra, Francisco é liberal demais, porque, entre outras coisas, ele teve a audácia de permitir que os divorciados comunguem.

Mas agora, diante de Trump, esses fósseis vivos já podem dizer: “Habemus papam”.

'De volta ao topo'
Com informação do Facebook e de outras fontes.

Envio de correção.


Padre Paulo Ricardo afirma que não crê na existência de ateus


Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Cristianismo é a religião que mais perseguiu o conhecimento científico

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto