Pular para o conteúdo principal

Muçulmanos brasileiros viram réus em ação de terrorismo

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra oito muçulmanos brasileiros.

Suspeitos estariam
planejamento um
atentado à Olimpíada
Eles passam a responder por crimes como promoção de organização terrorista, associação criminosa, incentivo de crianças e adolescentes à prática de atos criminosos e recrutamento para organização terrorista. É a primeira ação penal por terrorismo no Brasil.

O grupo foi identificado pela Operação Hashtag, antes da Olimpíada do Rio de Janeiro.

Na sexta (16), dia em que o MPF ofereceu a denúncia, o juiz determinou que a prisão temporária dos oito fosse transformada em convertida, ou seja, eles ficam detidos por tempo indeterminado. Todos estão presos na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS).

Réus e os crimes:

Alisson Luan de Oliveira - promoção de organização terrorista, associação criminosa e corrupção de menores

Leonid El Kadre de Melo - promoção de organização terrorista, associação criminosa, corrupção de menores e recrutamento para organização terrorista

Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo - promoção de organização terrorista, associação criminosa e corrupção de menores

Israel Pedra Mesquita - promoção de organização terrorista, associação criminosa e corrupção de menores

Levi Ribeiro Fernandes de Jesus - promoção de organização terrorista, associação criminosa e corrupção de menores

Hortêncio Yoshitake - promoção de organização terrorista, associação criminosa e corrupção de menores

Luís Gustavo de Oliveira - promoção de organização terrorista, associação criminosa e corrupção de menores

Fernando Pinheiro Cabral - promoção de organização terrorista e associação criminosa

Com informação das agências

Corão legitima uso do dízimo no financiamento ao terror



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios