Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Corão legitima uso do dízimo no financiamento ao terror

O dinheiro que o Islã arrecada de seus seguidores — o zakat, espécie de dízimo — só pode ser usado para beneficiar muçulmanos, diferentemente do que ocorre com os cristãos, que ajudam a todos, com o objetivo, é verdade, de evangelizar.

Corão decreta
combate pela
causa de Alá
Os apóstatas (ex-muçulmanos) não só não recebem o benefício da aplicação do dízimo como têm todos os seus bens confiscados por um fundo islâmico.

O zakat (2,5% da renda anual do fiel) é uma prova da não aceitação do outro pelo islamismo.

Isso não significa dizer, obviamente, que todos os muçulmanos se recusam ao diálogo e à interação com cristãos e pessoas de outras religiões.

No Brasil, os imigrantes muçulmanos se integraram muito bem à sociedade.

Mas o problema está no que o Corão diz, e há muitos muçulmanos que o levam muito a sério.

O Corão afirma em 9:60, por exemplo, que entre os beneficiários do zakat estão aqueles que “combatem pela causa de Alá” ou “no caminho de Alá”.

Eis aí a abertura de uma fonte de financiamento ao terrorismo islâmico.

Não há estudo sobre quanto do zakat estaria sendo destinado ao terror, mas talvez sua lógica ajude a explicar, entre outras coisas, por que os muçulmanos tidos como moderados pouco se manifestam contra os radicais assassinos islâmicos.

Com informação do Corão e de outras fontes.

Estado Islâmico anuncia mais ataques aos ‘adoradores da cruz’


Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...