Pular para o conteúdo principal

Justiça multa igreja evangélica por intolerância religiosa



A Justiça de Camaçari (BA) concedeu liminar que impede a Casa de Oração Ministério de Cristo de atacar moralmente o Terreiro Oyá Denã, em ação movida pela Defensoria Pública do Estado da Bahia.

Manifestação de
ódio teria sido a causa
da morte de Mãe Dedé
Por decisão judicial, a igreja terá de pagar uma multa de R$ 5.000 por ofender seguidores do terreiro.

A pastora Edineide de Jesus dos Santos ameaçou integrantes do terreiro: “Vocês vão ver o que vai acontecer. Morte é morte. Deus mata, está na Bíblia”.

O sargento PM Joselito Sena Santana testemunhou a ofensa.

De acordo com a defensoria, em um noite de junho de 2015 os evangélicos — cuja igreja foi instalada há um ano defronte ao terreiro de candomble — fizeram ali uma manifestação de ódio e intolerância.

Eles acusaram o local como ponto de encontro de “feiticeiros” e habitado pelo demônio.

O tumulto, sempre segundo a defesa, causou a morte por infarto naquela noite da ialorixá Mildreles Dias Ferreira, conhecida por Mãe Dedé de Iansã, de 90 anos, na foto acima.

A Justiça deu 30 dias para a igreja colocar em sua sede revestimento acústico.

Evangélicos e candomblecistas são vizinhos

Com informação da Justiça de Camaçari.



Intolerância religiosa ameaça a civilização, afirma jornal

Comentários

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Romualdo Panceiro cria a Igreja das Nações para concorrer com a Universal

Pastor diz que máscara é ‘frescurite’; fiel idosa e marido morrem de Covid-19

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário







EDITOR DESTE SITE
Paulo Lopes é jornalista.Trabalhou
no jornal abolicionista Diario Popular,
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e outras publicações.

Contato