Pular para o conteúdo principal

Estudantes religiosos são mais homofóbicos, revela pesquisa

Cerca de 30% dos alunos
da UFRGS responderam
ao questionário da pesquisa
Pesquisa do Instituto de Psicologia com 8.184 alunos da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) revelou que, em relação à diversidade sexual e de gênero, os estudantes religiosos são mais preconceituosos do que os não religiosos e quem mais segue a religião é mais discriminatório em relação a quem a pratica pouco.

Estudos feitos em outros países já constataram que os religiosos são mais homofóbicos, mas a surpresa na pesquisa do instituto é que ela se refere a estudantes universitários, que, em tese, são mais bem esclarecidos do que a população em geral.

A pesquisa do instituto, publicada na revista Sexuality Research and Social Policy, mostrou que 87% dos alunos têm algum grau de preconceito, em uma escala que mede a discriminação explícita.

Os mais intolerantes se manifestaram em termos como estes: “A homossexualidade masculina é uma perversão”e "travestis me dão nojo”.

Um estudante trans, que pediu que seu nome não seja publicado, afirmou que alguns preconceitos, de tão corriqueiros, nem sequer são percebidos. “Termos como "veado" são utilizados como xingamento pelos alunos e isso é visto como natural, como brincadeira.”

Do total de estudantes que responderam ao questionário da pesquisa, somente 12,17% (996 indivíduos) apresentaram grau de preconceito mínimo.

O doutorando em psicologia Ângelo Brandelli Costa, um dos responsáveis pela pesquisa, afirmou que qualquer manifestação preconceituosa acima de grau “é preocupante”.

Heterossexuais são mais preconceituosos do que os homossexuais e homens mais do que mulheres.

Ficou evidenciado, também, que estudantes nascidos em cidades de menos 100 mil habitantes são mais intolerantes.

Os estudantes que participaram voluntariamente da pesquisa representam 30% do total dos matriculados na universidade.

Luísa Martins, do Zero Hora, anotou que não há uma correlação entre o tempo de permanência na universidade e o nível de preconceito. Não faz diferença alguma.

Para Brandelli, isso “é inaceitável”, considerando que a UFRG foi eleita três vezes a melhor do país.

Com informação e ilustração do Zero Hora.





Religiosos prejudicam a prevenção à Aids, diz médico

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m