Pular para o conteúdo principal

Filhos de ateus tendem a ser mais tolerantes que religiosos


por Litza Mattos
para O Tempo

Pesquisa apurou também
que esses jovens são menos

 racistas e homofóbicos
Um dos argumentos mais comuns aos que defendem a presença da religião na vida de uma criança é que a fé ajuda a desenvolver fortes valores morais e éticos. Mas pesquisa da Universidade do Sul da Califórnia – o Longitudinal Study of Generations (Estudo Longitudinal de Gerações) –, que mapeou a relação entre a religião e a vida familiar na população norte-americana por 40 anos, revelou que pais ateus têm conseguido melhor desempenho do que as famílias ligadas a alguma religião.

Além disso, segundo o estudo, quando esses adolescentes tornam-se adultos, eles tendem a apoiar a igualdade feminina e os direitos dos gays, ser menos racistas, menos autoritários e em média mais tolerantes que os religiosos.

Os “nones” – como são conhecidas as famílias seculares e, de forma geral, as pessoas que não se identificam com nenhuma religião – estão em ascensão nos EUA e já representam um terço dos adultos com menos de 30 anos. No Brasil, essa parcela da população cresceu 580% nos últimos 30 anos – saindo de pouco mais de 2 milhões em 1980, para mais de 15 milhões de pessoas em 2010, segundo o último Censo do IBGE. Considerando a América Latina, o país é o quarto mais religioso, ficando atrás da Colômbia, Peru e Panamá.

Vinda de uma família desestruturada, com pai alcoólatra e mãe que a abandonou, a assistente administrativa Rejane da Silva, 39, diz que sempre questionou a religião. Ela conta que cria a filha, Hosana, 15, sem tentar influenciá-la.

“Ela terá tempo para fazer suas escolhas, mas acredito que o ateísmo de fato mostra a humanidade. Se alguém tem uma atitude humanitária e é religioso, busca agradar a uma divindade. Se é um ateu, pode ter certeza que a atitude é mais misericordiosa, pois não buscamos alcançar uma recompensa”, diz.

Editor-chefe de uma editora de livros, Hugo Racco, 37, diz não acreditar que filhos de ateus sejam preconceituosos como “os alunos evangélicos que se recusaram a fazer um trabalho sobre a cultura afro-brasileira em Manaus”.

“Não sei se meu filho escolherá ser ateu, crente, espírita ou até mesmo católico. Não me importo. Eu o estou educando e o preparando para ser uma pessoa livre de preconceitos, solícito e que possa ser lembrado pelo que fez de bom. E isso eu considero impossível dentro de uma religião”, diz o pai de Ícaro, 8.

Mas, na maioria das vezes, essa opção é questionada dentro da própria família. É o que conta o ator e dramaturgo paraense Johnny Russel, 35. “Cresci em uma família protestante e, como quase toda criança, eu aprontava muito. Mas quando chegava a noite, eu sempre me lembrava das pregações e acreditava que não teria um lugar no céu. Eu entrava em pânico”, lembra.

Hoje ateu, Russel diz que a família ainda não o aceita. “Continuam fingindo que não veem. Mãe e irmãos não falam sobre o assunto”, lamenta. Pai de Musa, 10, e de Mateus, 7, o ator teme que os filhos também passem por situações de intolerância religiosa, como as que ele próprio já viveu.

“Sempre haverá pessoas intolerantes, e a ignorância é o carro-chefe desse festival de atrocidades. Precisamos de espaços abertos e de pessoas íntegras para mediar esse debate. A partir disso, quando as pessoas puderem falar abertamente das suas crenças e não crenças, quando pudermos respeitar uns aos outros, então seremos de fato cidadãos”.

Mas, na maioria das vezes, essa opção é questionada dentro da própria família. É o que conta o ator e dramaturgo paraense Johnny Russel, 35. “Cresci em uma família protestante e, como quase toda criança, eu aprontava muito. Mas quando chegava a noite, eu sempre me lembrava das pregações e acreditava que não teria um lugar no céu. Eu entrava em pânico”, lembra.

Hoje ateu, Russel diz que a família ainda não o aceita. “Continuam fingindo que não veem. Mãe e irmãos não falam sobre o assunto”, lamenta. Pai de Musa, 10, e de Mateus, 7, o ator teme que os filhos também passem por situações de intolerância religiosa, como as que ele próprio já viveu.

“Sempre haverá pessoas intolerantes, e a ignorância é o carro-chefe desse festival de atrocidades. Precisamos de espaços abertos e de pessoas íntegras para mediar esse debate. A partir disso, quando as pessoas puderem falar abertamente das suas crenças e não crenças, quando pudermos respeitar uns aos outros, então seremos de fato cidadãos”.


Cientistas ateus levam filhos à igreja para que saibam da crença

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C