Anúncio das Casas Bahia é mais ético que pastores, diz Gondim

Título original:  Milagre, um bom negócio

Não há nenhum código
 regulamentando as igrejas
hábeis  em produzir milagres
por Ricardo Gondim
pastor da Igreja Betesda

Casas Bahia e Magazine Luíza disputam o mesmo mercado. As duas lojas se engalfinham para abocanhar o filão dos eletrodomésticos, guarda-roupas de madeira aglomerada e camas de esponja fina. Buscam conquistar assalariados, serralheiros, aposentados e garis. Nos comerciais da televisão, o preço da geladeira aparece em caracteres pequenos, enquanto o valor da prestação explode gigante na tela. A patuleia calcula. Não importa o número de meses, se couber no orçamento, uma das duas, Bahia ou Luiza, fecha o negócio – com um juro embutido entre os maiores do mundo.

Toda noite, entre oito e dez horas, a mesma cantilena se repete nos programas evangélicos na televisão. Pelo menos quatro “ministérios” disputam outro mercado: o religioso. Caçam clientes que sustentem, em ordem de prioridade, empreendimentos expansionistas, ilusões messiânicas e o estilo de vida nababesco de seus líderes. Assim, cada programa oferece milagre. Cada um alicerça a promessa de que Deus vai prosperar, amenizar problemas matrimoniais, resolver causas na justiça com testemunho. Entrevistam gente que jura ter sido brindada pelo divino. Não faltam documentos, exames médicos, carros luxuosos. Deus teria usado aquele apóstolo, bispo, missionário, para abençoar inúmeras pessoas para uma vida sem sufoco.

Infelizmente, o preço do produto religioso — o milagre — também não é explicitado. Alardeia-se apenas a espetacular maravilha. As letrinhas, que não aparecem na parte de baixo do vídeo, caso fossem reguladas pelo conselho nacional de propaganda, teriam que deixar claro, por mais “ungido” que for o missionário, que em nenhuma dessas igrejas televisivas o milagre é gratuito ou instantâneo.

Um monte de exigência vem embutida na promessa de bênção: ser constante nos cultos por várias semanas, contribuir financeiramente para que a obra de Deus continue e, ainda, manter-se corretíssimo. Um deslize mínimo, um pecadilho qualquer, impede o Todo Poderoso de concretizar a maravilha. E ainda tem a falta de fé como critério inegociável. Qualquer dúvida é considerada um obstáculo, que mata a possibilidade do milagre.

Considerando que a rádio também divulga prodígios a granel, como um cliente religioso pode optar? Deus apontou o dedo para qual igreja, missionário, apóstolo, pastor ou evangelista? Quem foi “ungido” representante do divino para o privilégio de “operar” esse sem-número de milagres? Um pai que sofre com uma filha com leucemia aguda, não pode se dar ao luxo de errar. Se apela para uma igreja com pouco poder sobrenatural, perde a filha. O seguro seria ele frequentar todas. Mas como? Ele é pobre e não tem como fazer todas as campanhas que produzem o extraordinário.

O acesso ao milagre se complica ainda mais porque essa igrejas-empresas gastam milhões para veicular na mídia um valor simbólico: exceção. Sim, no milagre ofertado pelos televangelistas está a expectativa egocêntrica de que o Todo Poderoso distinguirá apenas um punhado entre todos os outros sete bilhões de habitantes do planeta. “Deus abrirá uma brecha na ordem da vida para privilegiar você”. “Outros podem padecer nos corredores sujos de ambulatórios médicos, mas você que veio aqui na igreja X, não precisará passar por tanta humilhação”.

Lojas de eletrodoméstico vendem eletrodoméstico, óbvio. Igrejas evangélicas comercializam a esperança. Elas fortalecem a ideia de que existem agenciadores do favor divino. Alguns com exclusividade. Pelo serviço cobram caro, muito caro. Afinal de contas, um produto celestial não pode ser negociado como bem de quarta categoria. Os televangelistas só oferecem “Brastemps” vindas do céu.

Mas a dúvida persiste: qual o melhor balcão de serviços religiosos? Que varejista está mais aparelhado para distribuir os favores divinos? Os vendilhões do templo de hoje não se comparam aos do tempo de Jesus. Eles se escolaram no marketing. Especializaram-se em conforto. Valem-se da linguagem piedosa que confunde fé com credulidade. Se as grandes redes comerciais devem se conformar ao Código do Consumidor, as igrejas hábeis em produzir milagre não passam por nenhuma regulamentação. Se algo der errado, o cliente nunca tem razão. Se a leucemia matar a filha, o pai, além de enlutado, acabará responsabilizado pela perda. Terá de escutar que a menina não foi curada porque o diabo entrou por alguma “brecha” e matou. Ou que alguém da família não “perseverou na fé” ou “não honrou a Deus com o dízimo”.

Assim como na música do Chico Buarque os frequentadores dessas igrejas-caça-níqueis encarnam o Pedro Pedreiro e ficam “esperando, esperando, esperando.
 Esperando o sol, esperando o trem.
 Esperando aumento para o mês que vem.
 Esperando um filho prá esperar também”.

Mercadologicamente, Casas Bahia e Magazine Luiza se comportam com critérios éticos bem à frente de algumas igrejas. Melhor assim, geladeira nova é bem mais útil do que a ilusão do milagre.

Soli Deo Gloria





Fonte: Blog de Ricardo Gondim

Pastor Gondim afirma que ateus têm de ser ouvidos e respeitados
janeiro de 2012

Comentários

  1. Ricardo Gondim é o único pastor que merece algum tipo de respeito.

    O resto merece um tiro na cara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É por que ele não é fundamentalista, ou seja, não é um "cristão de verdade".

      Excluir
    2. Ele é a exceção da exceção da exceção da minoria minoritária dos religiosos brasileiros.

      Excluir
  2. se os gentios não vivem e nunca viveram sob as leis que era para o povo escolhido ,o que foi feito das promessas ? O crente se mata de trabalhar , e só consegue alguma coisa da mesma maneira que todo mundo consegue, minha vida é melhor do que muitos crentes dízimistas que eu conheço, morei 11 anos do lado de uma igreja os vizinhos igrejistas continuam lá na mesma merda, o pastor e os filhos dele sempre de carros novos , ainda continua lá o mesmo pastor , este negócio é igual jogo , só a banca que ganha. É igual vender livro de como ganhar na mega-sena , fica rico quem vende o livro , mais quem compra a formúla mágica fica sempre na mesma, já o crente a culpa é sempre do diabo , ou sua pouca fé,

    ResponderExcluir
  3. Tenho dito.
    Mas ninguém acredita.
    Pelo menos a evolução já pode ser comprovada via DNA, então logo a bíblia, o deus cristão e seu filho morrem de vez.
    Se existe um Deus criador, cristão ele não é.
    Por que então dar dinheiro a esses mercadores da fé?

    ResponderExcluir
  4. Não falo das pessoas que buscam resolver seus problemas pessoais como no caso de alguém que tenha câncer. Falo das pessoas que procuram as religiões por não terem competência e coragem para viver a vida.

    Exemplo são aquelas pessoas que procuram religiões para ter um carro novo, uma casa nova, e estão metodicamente todo dia no culto, mas não se dão o trabalho de se classificar para empregos e oportunidades melhores.

    Outro exemplo são aqueles que resolvem participar de um grupo como esse querendo evitar julgamentos morais, como "ex" prostitutas, "ex" gays, "ex" bandidos. Mas não mudaram em nada suas personalidades.

    Quantas vezes nos deparamos com pessoas sem a minima idoneidade moral nas manchetes, apenas para depois descobrir que elas eram membros ativos de alguma religião?

    A essas hipócritas, desejo sim que sejam "roubadas" e "manipuladas". No final, pelo menos vamos colher algo bom dessas hipocrisias religiosas.

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Pior cara, excelente. Concordo, que deveria haver, um orgão que regule isso. É um absurdo o que está acontecendo contemporaneamente !

      Excluir
    2. Tambem acho que o o governo crie um orgão que vigie como as pessoas possam gastar o seu dinheiro. Mas teriam que ser todo mundo ai naõ teria morrido aquele tanto de gente na Boate de Santa Maria, nao morreria muita gente viajando para praia, pois nao se pode gastar. Gostaria de pedir quem tem o seu salario respeitasse o do outro, se quer dizima dizima se quer da um Pastor bom, se que para um centro de macumba vai. se quizer participar do caminhão do Faustão vai, se quer jogar jogue na sena ou mega sena não importa o portante e ser feliz com aquilo que faz. Isso sim e respeitar o direito do outro. O seu direito acaba na hora em que começa o do outro.

      Excluir
    3. "Tambem acho que o o governo crie um orgão que vigie como as pessoas possam gastar o seu dinheiro."

      Pra sua informação já existe, se chama Receita Federal.
      Só falta mesmo é fiscalizar as igrejas, pra dificultar um pouco a ação dessas máfias!

      Se não fosse por essa máfia religiosa, não teríamos nem a metade dos problemas sociais que enfrentamos, visto que não teríamos nem 10% da atual corrupção que assola o país!

      Excluir
  6. ambas exploram as mentes fracas,tanto as empresas como as igrejas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As empresas pelo menos oferecem algo e não coargem ninguem a comprar nada.

      Excluir
  7. Ótimo texto, não dou meu dinheiro para as Casa Bahia e nem para o Magazine Luiza e tampouco para esses pastores mercenários !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "geladeira nova é bem mais útil do que a ilusão do milagre."

      Dos males o menor.

      Excluir
    2. Concordo, porém os preços das Casas Bahia e Magazine Luiza são vantajosos apenas se for à vista, existem muitas lojas melhores do que essas para se comprar parcelado, é só pesquisar !

      Excluir
    3. Aqui no Brasil eu nunca compro nada parcelado, pois nunca compensa!

      Excluir
    4. Discordo.

      Casas Bahia nunca é vantajosa, mas como ela costuma parcelar em 1000x no carnê, os probres a preferem.

      Excluir
    5. Parcelar só compensa, se for no cartão e o comprador ter a certeza que terá como pagar...

      Excluir
  8. Eu não entendo uma coisa... como um cara com senso critico e clareza de pensamento dessas consegue ser evangélico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Pastor Ricardo Gondim separou-se da Religião Protestante, ele se considera Cristão e apenas isso.

      Excluir
    2. Ele é pastor da igreja Betesda!

      Excluir
    3. Ele está naquela transitória fase do agnosticismo. É socialmente complicado ele, com toda a bagagem cristã que possui, se divorciar definitivamente do cristianismo. Mas se ele o fizesse, provavelmente seria um novo ícone do ateísmo brasileiro, talvez, até mundial.

      Excluir
    4. Acho que ele é um cristão não-paulinista.

      Excluir
    5. Parece que ele tem uma relação branda com o conceito de fé. Faz o possível para conciliar a fé com a razão. Para mim, fé no sobrenatural é justamete uma negação da racionalidade. Caminha para uma visão menos biblica de deus e mais pessoal. Como ele é uma pessoa tolerante, seu "deus" reflete essa tendência.

      Excluir
    6. Ele é o cara....sensato....

      Excluir
  9. Olha, enfim um excelente texto que mostra a verdade não só para os ateus mas para os cristãos honrosos também.

    Não vejo mais que cinismo nessas igrejas que se dizem evangélicas mas que se comportam pior que a Católica na Idade Média quando esta vendia indulgências.

    Tudo que essas "igrejas" faz é vender indulgências(o perdão e a graça divina) para os incautos. Só isso. Olha aí, Lutero, tua cria!

    ResponderExcluir
  10. Essas "igrejas" não tem sequer um pensamento teológico, uma mensagem de conforto ou de esperança. É só curandeirismo fajuto e egoísmo. As pessoas só procuram para "conseguir algo através da divina providência" para si.

    Além de ser um insulto a inteligência das pessoas[inteligentes], é um estímulo ao egoísmo e ao pensamento anticristão do egocentrismo. Os "eleitos" evangélicos(pelo menos os que vejo no Brasil) entram num paradoxo, obviamente não sabem, mas os "pastores" sabem e se aproveitam disto.

    Sou católico praticante e agnóstico e concordo plenamente com este texto postado em site ateu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Católico praticante e agnóstico? Como é isso?

      Excluir
    2. Pratico o que a Igreja pede como tradição e relação, encontro social. Vou a missa, pago o dízimo, participo das comemorações e ainda ajudo nas campanhas sociais... Só não tenho certeza se Deus, como a maioria das pessoas pensam que Ele é, existe.

      Participo de tudo que a tradição pede porque sei que é certo, que tudo tem uma utilidade maior ou menor. Sei que se não houver nada depois da vida, se não houver um Deus onipotente, onisciente e justo, antes de morrer vou ter a certeza de que fiz tudo que podia para tornar a vida das pessoas ao meu redor melhor, ainda que com um nó na garganta, pois conheci muita gente boa que já se foi e podem simplesmente terem deixado de existir. E se Deus existir - o que torço bastante, pois assim não teria que me preocupar com as injustiças que as pessoas fazem -, eu também tenho a certeza de que fiz tudo certo da maneira que pudi para não ir para o inferno.

      Excluir
    3. E o que eu disse só mostra que eu não tenho certeza, mas sou agnóstico porque sei que não faria diferença se o Deus substantivo não existisse, já que por quantos anos as pessoas já viveram, talvez, sem Ele? Muitos!

      Então se Ele não existir não vai fazer diferença. Só que, como já expliquei, torço incondicionalmente para que Deus exista, pois seria muito melhor ter alguém realmente fazendo uma justiça que seria eterna. Logo se Ele existir faria toda a diferença para mim, que não teria que me preocupar com as injustiças do passado e do futuro. Só queria ter mais fé n'Ele, mas....

      Excluir
    4. fiz tudo certo da maneira que pudi para não ir para o inferno.

      Kakakaka

      Excluir
    5. "Então se Ele não existir não vai fazer diferença.
      ...se Ele existir faria toda a diferença para mim."


      =S

      Excluir
  11. a verdade é que a fé se tornou um negócio muito rentável. E que, no fim das contas, todos estão só fazendo negócios. O que vende e o que compra.

    o problema nisso é que o que comprou, comprou vento e ilusão. No máximo um estímulo ou um placebo.

    E as vezes acho que esses compradores tem o que merecem, com excessão de alguns poucos.

    ResponderExcluir
  12. Um dos textos mais bem bolados que já li sobre o assunto nos últimos tempos. Obrigado Pastor Ricardo, você ainda mantém a esperança que seja possível existir evangélicos com coerência e inteligência. Fossem os evangélicos cristãos de verdade era você que devia estar na mídia, e não pastores como os infelicianos.

    ResponderExcluir
  13. Ateus, olhem esse depoimento.

    http://www.youtube.com/watch?v=TYWbWEqk7Cc

    ResponderExcluir
  14. um cristão que não condena. Não julga . Não se mistura com política . vende seus bens para ajudar os pobres só pode ser filho do satanás.

    Os neopentecostais é contrários a tudo isto aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "um cristão que não condena. Não julga . Não se mistura com política . vende seus bens para ajudar os pobres só pode ser filho do satanás."

      Exatamente, pois cristão "de verdade" filho de Jeová, não faz nada disso, apenas prega que faz, mas não faz.

      Excluir
  15. Respostas
    1. Papa Ostia/Beberrão de Água Benta = Acéfalo !

      Excluir
    2. invejosos do que? da sua ignorancia? da sua ganancia? da sua falta de respeito e amor-próprios?

      moro numa casa de dez comodos, tenho um audi na garagem, ganho cinco mil por mes (minha esposa ganha um pouco mais), viajamos uma vez por ano, não nos falta nada, estamos comprando um apartamento na praia.

      tudo resultado do NOSSO TRABALHO. Fiz faculdade, fiz pós, minha esposa fez mestrado. Eu sou ateu há mais de vinte anos. Minha saúde está ótima! Não há tragédias aqui em casa! Meus filhos só tem tirado notas boas! (pudera, os pais os incentivam a ler desde cedo, nós praticamente os alfabetizamos antes mesmo de irem a escola).

      e aqui é um lar ATEU! porque eu ia ter inveja de você, estúpido????

      Excluir
  16. O que me deixa boquiaberto é o MP ver todos esses pilantras fundamentalistas de púlpito enriquecendo sem que haja uma razão honesta para tal e não fazem praticamente nada. É mais que óbvio que os Valdemiros, Edires, malafaias da vida só podem ter enriquecendo metendo suas mãos sujas nos dízimos e ofertas dos fiéis. Não sei até quando irão demorar para criar leis que regulem especificamente as igrejas - assim como há a lei Maria da Penha para as mulheres, o ECA para crianças e adolescentes, o EDC para o consumidor... Seria importantíssima uma CPI das igrejas, mas como, se a corrupta e interesseira bancada evangélica praticamente tem o suficiente de integrantes para melar à base de muita chantagem, é claro?!

    Ruggero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As igrejas deveriam ser regulamentadas assim como ocorre na China.
      Mas se os pastores já estão esperneando e dizendo-se ameaçados de "mordaça" diante de um projeto de lei pra criminalizar discursos (incitação) de ódio e demais ações homofóbicas, imagine então o quanto não esperneariam e gritariam até enfartar caso houvesse um projeto de lei para regulamentar as finanças das igrejas...

      O Brasil, lamentavelmente, é um caso perdido.
      Quem tiver condições/coragem, que procure um país civilizado para viver o resto de sua existência, pois a vida de cada um é única e curtíssima, então não dá pra permanecer num país de progresso rastejante feito o Brasil.

      Veja a quanto tempo o PLC 122 vem sendo empurrado com a barriga e está na beira do precipício... por aí já dá pra se ter uma noção de como seria votar projeto de regulamentação das igrejas.

      Saiam enquanto podem, esse é o meu conselho pra quem deseja apenas VIVER.
      Quem ficar, terá que morrer lutando ou então se adequar, sem meio-termo.

      Excluir
  17. Eu queria que alguém me a frase "Confundem Fé com Credulidade". Eu como ateu não consigo ver a diferença.

    Me parece algo do tipo... "a coisa que eu creio e acho prudente crer, é fé. o que o outro crê e eu acho imprudente é credulidade."

    ResponderExcluir
  18. Este homem é Ateu. Só não percebeu ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui ele mexeu com quem não devia mentindo descaradamente e provando não ter nenhum conhecimento.

      "Um deslize mínimo, um pecadilho qualquer, impede o Todo Poderoso de concretizar a maravilha. E ainda tem a falta de fé como critério inegociável. Qualquer dúvida é considerada um obstáculo, que mata a possibilidade do milagre."

      Vemos na Bíblia que não precisava ser crente para receber algo de Deus. Vejam:

      "E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passou pelo meio de Samaria e da Galiléia;
      E, entrando numa certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez homens leprosos, os quais pararam de longe;
      E levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós.
      E ele, vendo-os, disse-lhes: Ide, e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, indo eles, ficaram limpos.
      E um deles, vendo que estava são, voltou glorificando a Deus em alta voz;
      E caiu aos seus pés, com o rosto em terra, dando-lhe graças; e este era samaritano.
      E, respondendo Jesus, disse: Não foram dez os limpos? E onde estão os nove?
      Não houve quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?
      E disse-lhe: Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou.
      Lucas 17:11-19"

      "E Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a nona.
      E era trazido um homem que desde o ventre de sua mãe era coxo, o qual todos os dias punham à porta do templo, chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam.
      O qual, vendo a Pedro e a João que iam entrando no templo, pediu que lhe dessem uma esmola.
      E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós.
      E olhou para eles, esperando receber deles alguma coisa.
      E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda.
      E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e artelhos se firmaram.
      E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a Deus.
      E todo o povo o viu andar e louvar a Deus;
      Atos 3:1-9

      Vemos aqui nestas duas passagens que não é preciso ser crente para receber algo de Deus. Portanto ele mente.

      Outra coisa, nos cultos realizados em nossas igrejas, na Igreja Mundial e em outras, as ofertas para mantimento da obra de Deus são pedidas no final do culto após as orações e a operação de Deus.
      Se as pessoas não puderem ou não quiserem ofertar elas poderão simplesmente ir embora. E de livre e espontânea vontade. E como vemos acima Deus só pede que agradeça.


      Em suma, este é um "pastor" derrotado que tenta obter projeção em cima de quem trabalha duro pela salvação das almas.

      Excluir

Postar um comentário

Busca neste site