Explicar origem da vida com a religião é ridículo, afirma Dawkins

Cientista não apoia o proselitismo ateísta

O biólogo evolucionista britânico e militante do ateísmo Richard Dawkins disse que compreende a necessidade que as pessoas religiosas têm de se encontrarem com frequência em uma igreja, porque elas precisam de certa comunhão e de rituais.
 
Quanto a isso, disse, a religião tem utilidade. Mas acrescentou ser “ridículo” o uso da religião para explicar grandes questões da ciência, como a origem dos cosmos e da vida.

“Parece-me um pouco estranho ter de atrelar uma crença à origem dos cosmos”, disse ele em entrevista à publicação americana Charleston City Paper.

Afirmou que acredita “apaixonadamente” na verdade científica. “[Ela] é tão maravilhosa, fascinante e intrigante, que vale a pena fazer proselitismo sobre ciência”, disse.

Ele admitiu que esse proselitismo muitas vezes resulta em outro proselitismo, o do ateísmo. Disse que as pessoas podem fazer o que querem, mas não apoia o proselitismo ateísta do jeito que as Testemunhas de Jeová ou mórmons pregam a sua crença, invadindo o domicílio e a privacidade das pessoas para perguntar: “Você está salvo?”

“Eu escrevo os meus livros e os coloco à venda, e as pessoas podem lê-los se quiserem”, disse. “Felizmente, tem sido grande o número de leitores.”

Dawkins afirmou que, a exemplo das pessoas religiosas, todo mundo têm necessidade de construir uma comunidade onde haja interação, o que ocorre não só nas igrejas, mas também em reuniões festivas e esportivas, nas palestras, no amor paternal e amor sexual.

Por isso não lhe agrada a formação de grupos como a “igreja ateísta” que foi aberta em Londres. “Eu não vejo a necessidade disso, mas, se as pessoas querem, por que não?”

Dawkins comentou o paradoxo desse país ter uma Constituição fundada no secularismo e ser ao mesmo tempo o mais religioso do Ocidente. Já na Europa, afirmou, o paradoxo é inverso: a religião se consolidou lá ao longo do tempo, mas é onde a sociedade é atualmente mais secularizada.

Charleston City Paper deu destaque, no título da entrevista, à afirmação de Dawkins de que ele acha que é “um cristão cultural”, ou seja, está inserido em uma cultura cristã, no mesmo sentido em que há judeu ateu, que acredita ser parte da tradição judaica.

Dawkins diz que
ninguém é obrigado
a ler seus livros

> Com informação do Charleston City Paper.

Dawkins defende proteção das crianças contra religião dos pais


Divulgação da ciência anulará a religião, escreve Dawkins


Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Pastor afirma que 'mendigos têm dever bíblico de passar fome'

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Nos EUA, críticos da pseudociência processam fabricante de homeopatia