Pular para o conteúdo principal

Risco de Apophis colidir com a Terra é de 1 para 200.000

Se houvesse colisão, efeito seria de 100 bombas atômicas; asteroide tem 300 metros de largura





Imagens do asteroide
visto pela primeira 
vez em 2004

Astrônomos estão acompanhando a trajetória de um asteroide que poderia colidir com a Terra em 2036 - embora o risco de que isso ocorra seja mínimo.

O asteroide, que vem sendo chamado de Apophis — em homenagem ao demônio egípcio da destruição e da escuridão —, tem 300 metros de largura e poderia colidir com a Terra com a força de 100 bombas nucleares.

Não é visível a olho nu, mas pode ser observado no website Slooh, que veicula imagens do espaço. Ele atualmente está passando a uma distância de 14 milhões de quilômetros da Terra - o que permite que astrônomos possam analisá-lo.

Mais tarde, esse risco foi descartado, com novos cálculos indicando que em 13 de abril de 2029 a massa rochosa deve passar a uma distância de cerca de 30.000 quilômetros da Terra. O Apophis foi observado pela primeira vez em 2004 e na época causou algum alarde, porque cientistas calcularam que o risco de um choque com a Terra em 2029 era de um em 45 mil.

As mesmas revisões, porém, indicam o risco de uma colisão em 2036, embora ele seja mínimo: de um em 200 mil.

"Em 2029, o asteroide passará tão perto de nós que mudará a órbita do centro de gravidade da Terra", explicou o professor Alan Fitzsimmons, astrônomo da Queen's University, em Belfast.

"A maior parte das novas órbitas potenciais nos deixaria seguros pelos próximos 100 anos, mas há uma pequena região do espaço na qual haveria o risco do asteroide nos atingir em 13 de abril de 2036."

"As medições de radares são incrivelmente precisas: calculamos a distância do asteroide e sua velocidade em relação a Terra, identificando sua órbita", diz Fitzsimmons.Os astrônomos estão aproveitando a recente passagem do Apophis pela Terra para estudá-lo, em uma tentativa de melhorar as previsões sobre sua rota.

É cada vez maior o interesse de pesquisadores por corpos celestes potencialmente perigosos para o nosso planeta.
Até agora, já foram identificados 9 mil asteroides próximos a Terra e uma média de 800 novas rochas espaciais são observadas todos os anos.
Segundo Fitzsimmons, aprender mais sobre tais corpos celestes é crucial: "Em algum momento, encontraremos um asteroide suficientemente grande para causar um estrago na superfície da Terra se deixarmos que o choque ocorra", diz.

"Por isso, devemos encontrar esses corpos, acompanhá-los e, caso eles tenham uma chance de nos atingir, fazer algo sobre isso."

Comentários

Juliano Correa disse…
"... caso eles tenham uma chance de nos atingir, fazer algo sobre isso." - fazer algo seria nos convertermos antes que seja tarde? rs. Não acredito em colocar bombas nucleares pra esfacelar o meteoro, igual no filme Armagedom... só nos resta sabermos que vamos morrer e termos tempo de sair gritando pela rua...
Leonardo disse…
que pena, ainda não foi desta vez, rsrs
Não aguento mais tanto "fim do mundo"! Acho que nos últimos dois anos já tivemos uns cinco! O bom é que teremos um intervalo para descanso até 2036, né? Quantos loucos se matarão na esperança de "Pegar carona nessa cauda de cometa..."?
Anônimo disse…
quando for 2035 os malucos de plantão já começam a alardear o fim do mundo (fazendo mil teorias misticas e religiosas misturadas com alguma meia verdade e um pouco de ciência). Aí vira uma contagem regressiva, como foi agora em dezembro de 2012. Algumas seitas se suicidam, alguns lideres religiosos ficam mais loucos ainda, a população fica ainda mais tonta com o bombardeio de informações falsas, etc, etc.


Então o mundo não acaba e todo mundo fica com cara de besta.


E a vida segue...
Nano Falcão disse…
Na verdade, o impacto de misseis nucleares seria efetivo sim. Nem precisa ser algo tão drástico quando "pousar" no meteoro para colocar bombas. Duvido que os poderosos da terra ficarão de braços cruzados sem lançar mão do arsenal bélico que dispomos. Por outro lado, pode até ser bom esse tipo de ameaça, quem sabe dá um alento ao cada vez mais abandonado programa espacial.
Anônimo disse…
acho que explodir um asteroide e criar uma chuva de meteoro, nao serial legal, o mais viavel seria tentar mudar a rota deste objeto com algum satelite etc... ja vi essa alternativa em algum programa de TV, serial a opção mais viavel, sem colocar a vida de ngm em risco... ^^
Anônimo disse…
Culpa do casamento gay!
Anônimo disse…
Alá nos salvou mais uma vez.
Anônimo disse…
depois da previsao dos maias, tinha que ser inventada outra para continuar os filmes de hollywood.
Gima disse…
Esse já vai dar um gelo, quero ver quando o impacto for certo e inevitável.
Anônimo disse…
Nenhuma espécie vive para sempre.
_Perfeito!
Anônimo disse…
"Em 2029, o asteroide passará tão perto de nós que mudará a órbita do centro de gravidade da Terra", explicou o professor Alan Fitzsimmons, astrônomo da Queen's University, em Belfast".

diga-me como????????????????????????????????????????????????????????????
carlosqevedo disse…
a única esperança de sobrevivermos está no conhecimento humano, no estudo, se deixarmos nas mãos de deuses invisíveis estaríamos fodidos.
Nano Falcão disse…
Será o conhecimento humano que vai nos salvar, mas os crentes dirão que "isso prova que o mundo só acaba por vontade de Deus".
Coisa disse…
O quarteto fantástico já nos salvou de Galáctus.
Ricardo disse…
O mais bizarro é que essa data bate com os cálculos feito por um estudioso em códigos e profecias que sempre afirmou que nada aconteceria em 21/12/12 e que a data mais provável para um grande cataclisma na Terra (segundo diversas profecias antigas) que colocaria toda a humanidade em cheque seria em abril de 2036. Vejam os links sobre o Apophis no blog: http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com.br
Nano Falcão disse…
Fiquei mais intrigado com a afirmaçaõ do cientista que o centro de gravidade se deslocaria... Que tipo de consequencia isso poderia ter???

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch