Revista satírica francesa publica biografia de Maomé

Revista imprimiu 80 mil exemplares
da edição sobre a vida de Maomé
A revista satírica francesa Charlie Hebdo lançou ontem (2) a biografia em quadrinhos do profeta Maomé. Cada exemplar custa 3 euros (cerca de R$ 8) de uma edição de 80 mil cópias, 10 mil a mais que a tiragem normal da publicação.

Os muçulmanos consideram ofensa qualquer representação de Maomé.

Em novembro de 2011, o escritório da revista em Paris foi  atingido por uma bomba molotov por ter publicado Maomé dizendo: “Cem chicotadas se você não morrer de rir”.

A revista não se intimidou com o atentado e em setembro de 2012 publicou em sua capa Maomé em uma cadeira de rodas sendo empurrado por um judeu ortodoxo, e ambos estão dizendo: “Não ria!”

Stéphane Charbonnier, editor e desenhista da revista cujo  pseudônimo é "Charb”, disse que quem quiser se chocar com a biografia não vai se decepcionar. Mas ele garantiu que os quadrinhos contêm os “preceitos de pureza” da lei islâmica.

Disse que teve a ideia de desenhar a biografia em 2006, quando um jornal dinamarquês publicou caricaturas de Maomé, desencadeando uma onda de protestos em vários países de cultura muçulmana. "Antes de rirmos de um personagem, devemos conhecê-lo", disse. "Sabemos muito da vida de Jesus, e nada sobra a de Maomé."



A biografia faz menção a Abdula e Amina, pais do profeta, a Meca (local de nascimento de Maomé), a infância e adolescência do personagem e às guerras santas. 

Zineb, coautora da biografia, afirma no prefácio que se trata de um trabalho “muito sério”, com base em fontes islâmicas.

cartoom de Maomé
Em 2011, a revista mostrou Maomé e o
 cartunista Charb se beijando na boca  
Com informação das agências.

Revista Charlie Hebdo desenha Maomé em cadeira de rodas

setembro de 2012

Religião contra livre expressão.    Casos de fanatismo islâmico.

Comentários

  1. Não tem vez que eu não rio com a charge do desenhista e Maomé se beijando molhadamente.
    Só de pensar na cara de um fundamentalista vendo isso e se corroendo de ódio imbecil, é de rolar de rir.

    ResponderExcluir
  2. eu acho meio perigoso fazer isso, mas em meu blog eu fiz uns fotoshops tirando um sarro e propondo nomes de possíveis livros de auto-ajuda islâmicos
    http://guerrilhaurbanathiago.blogspot.com.br/2012/06/livros-islamicos.html

    ResponderExcluir
  3. Esses escritor Frances esta brincando com coisa seria querem criar famar mexendo
    com fogo,vamos respeitar os Muçulmanos apesar de não concorda com o radicalismo
    deles toda religião merece respeito o Islamismo não alisa ninguem não para defender a fé deles eles são capaz de tudo cuidado o que publicar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. paulo.silvafreire,

      Se uma religião quer respeito, ela tem que merecê-lo ao começar a respeitar - não é necessário concordar - os direitos humanos e civis, mesmo que estes sejam contra os seus dogmas obsoletos, já que as pessoas que não seguem uma determinada religião não são obrigadas a seguir os dogmas e preceitos da mesma.

      O islamismo está muuuuuuuuiiiiitoooooo longe de merecer respeito. Os ataques terroristas feitos em nome de Alá e do Islã; intolerância e violência contra mulheres, homossexuais e pessoas que não são islâmicas (isso inclui ateus, cristãos, judeus, hindus, etc) nos países teocráticos islâmicos, as leis medievais da Sharia, brigas entre sunitas e xiitas, etc, que não me deixam mentir.

      Se o Islã quer ser respeitado ao redor do mundo, que mude suas atitudes violentas, intolerantes, medievais e absurdas. Que pare de querer que o mundo inteiro viva sobre os dogmas e preceitos islâmicos. Que pare de cometer atrocidades contra as pessoas; que passe a respeitar os direitos humanos e civis. Que perceba que estamos em pleno séc XXI e que passe a agir de acordo com a época atual em vez de ficar com a mentalidade presa no séc. V.

      Excluir
    2. @paulo.silvafreire

      e quem disse quem alguma religião merece algum respeito?

      Excluir
  4. Vamos ver quanto tempo levará até o primeiro assassinato.

    ResponderExcluir
  5. "Sabemos muito da vida de Jesus, e nada sobra a de Maomé."
    Baseado nisso resolvi dar uma lida no alcorão, mesmo blá blá blá querendo ser prova de si mesmo, tenha paciência, teve umas partes que fiquei com medo :).

    ResponderExcluir
  6. Adoro a iniciativa da Hedbo e racho de rir com a petulancia deles.... nosso medo que da poder ao fundamentalismo religioso!
    Quanto mais comum a piada, menos pessoas riem dela... esse tipo de noticia choca por ser incomum, a partir do momento que a maioria sorrir, deixa de ser insulto.

    ResponderExcluir
  7. Esperando ansiosamente uma tradução para o Português!

    ResponderExcluir
  8. A minha unica preocupacao eh de qtos terao q morrer ateh esse tipo de humor seja aceiro

    ResponderExcluir
  9. É paradoxal. Será q vale a pena a vidas q sao ceifadas por mexermos nesse vespeiro?

    ResponderExcluir
  10. Foda-se o islã ele precisam entender que em uma democracia a liberdade de expressao precisa ser respeitada e nao devemos nos intimidar porque eles sao violentos nos tambem (em casos de precisao podemos ser ) e mostrar a eles que em nosso pais a sharia nao manda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... realmente eu vi mesmo como você é violento. Violentou a língua portuguesa.

      Excluir
  11. Olha, eu fiquei curioso sobre o aspecto biografico. Não quero ler o alcorão, quero ler mesmo um retrato biografico; aliás eu tenho aqui livros em quadrinhos como a História dos Judeus; Buda (de Osamu Tesuka); que são dois exemplos de narrativas históricas (ou pseudo-históricas, já que há quem duvide da existencia de certas pessoas, além de que muita coisa na sua vida foi romanceada pelo tempo, e não passa de mito); mas do ponto de vista cultural é válido conhecer. Se publicassem no Brasil eu compraria. Até porque também gosto de dar umas risadas.

    ResponderExcluir
  12. Religião que agrega terroristas e intolerantes de todos os tipos não merece ser respeitada. À espera da primeira publicação desse tipo aqui, no Brasil.

    ResponderExcluir
  13. MIchelle não há ataques terroristas feitos em nome do Islã, os ataques tem objetivos políticos muito precisos, principalmente os ataques contra Estados Unidos e Israel.
    E se você sai por aí jugando que uma religião não merece respeito, que está longe de o merecer como você afirma, então que respeito você própria merece?
    E ateus também mataram muito em nome do ateísmo. Mataram e perseguiram pessoas cujo único crime era acreditar em um deus (budistas, muçulmanos, xamanistas).
    Um ateu pode ser tão fanático quanto qualquer crente, eu próprio já vi isto no meu local de trabalho.
    Você própria faz um discurso de ódio, demonstrando tanto preconceito quanto ignorância em relação aos povos aos quais dirige suas críticas.

    Valdo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. -->"E ateus também mataram muito em nome do ateísmo. Mataram e perseguiram pessoas cujo único crime era acreditar em um deus (budistas, muçulmanos, xamanistas)."

      -Não me lembro em nenhum período da história em que tenha se matado em nome do ateísmo. E caso haja, por favor, cite-os para que possamos debater. Ademais, os budistas são uma uma espécie de reliegão atéia, pois não acreditam eu um deus propriamente dito, portanto eu garanto que ateus não mataram Budistas por não acreditarem em um deus, muito contaditório isso.

      Excluir
    2. Não nada de contraditório, e só ver estudar um pouquinho a história da Revolução Russa (1917).
      Lenin havia dito que não havia lugar no partido para alguém que acredita em deus.
      O ateísmo foi imposto e ensinado nas escolas e os religiosos foram amplamente perseguidos.
      Stalin fez acordo com a Igreja Ortodoxa porque precisava do apoio dela na II Grande Guerra (a Guerra Patriótica, como é chamada na Rússia), mas as demais religiões foram muito perseguidas, com assassinatos de religiosos; xamanistas, muçulmanos, budistas.
      E sim, o Budismo é um sistema ateu, mas em geral os budistas praticam sincretismo, adotando os deuses locais e, para os ateus do partido russo, eram apenas mais uma religião como outra qualquer.

      Excluir
    3. Valdo,

      >> "E se você sai por aí jugando que uma religião não merece respeito, que está longe de o merecer como você afirma, então que respeito você própria merece?"

      Por mais incrível que seja pra vc, essas religiões já não me respeitam há mto tempo pq sou aquilo que elas mais abominam no planeta: bissexual e - posteriormente - atéia. Pq vc acha que deixei de ser cristã/católica (além de ter como motivos o atraso da ICAR, a cumplicidade e a conivência da mesma com padres pedófilos, de ela ser contra o avanço científico que salvam vidas, de ela ser contra divórcio, métodos contraceptivos e contra o direito da mulher sobre o próprio corpo,etc ?)
      Pq esta religião não respeita aqueles que não seguem seus dogmas religiosos ultrapassados. Se a ICAR não respeita pessoas como eu, ok. Com certeza não faço a menor falta pra ela da mesma forma que ela não faz a menor falta na minha vida (já que meus pais nunca fizeram questão que eu frequentasse igrejas e fizesse parte de alguma religião e me deixaram livre pra escolher ter uma religião ou não).
      E sobre o cristianismo, eu tenho conhecimento de causa. Além de eu ter sido cristã boa parte da minha vida, ainda tive aulas de religião na escola e elas eram administradas por um padre. As aulas dele não eram em nada diferentes do catecismo. Tinha até leitura da bíblia: tanto do Antigo qto do Novo Testamento.
      Respeito não é algo incondicional. Se essas religiões não respeitam outras religiões, não respeitam pessoas que não fazem parte dela e ainda por cima se acham no direito de discriminar as pessoas por causa disso, então elas não merecem respeito algum.

      E desde qdo religiões que pregam violência, preconceito, intolerância, que são contra direitos humanos e que são cúmplices de crimes vários por omissão merecem respeito? Só pq são religiões? Não msm.

      Religiões como cristianismo, islamismo, judaísmo, hinduísmo não merecem respeito da mesma forma que nazismo e fascismo não o merecem.

      Excluir
    4. Valdo,

      >> "Você própria faz um discurso de ódio, demonstrando tanto preconceito quanto ignorância em relação aos povos aos quais dirige suas críticas.

      Não é ignorância. As opiniões que eu tenho são baseadas em fatos que basta vc dar uma pesquisada no Google pra saber (caso não vc não leia jornais e frequente bibliotecas públicas como eu).

      No caso do cristianismo, por exemplo: este foi responsável pelas Cruzadas, Inquisição, perseguição, opressão, conversão forçada e assassinato de judeus, Noite de São Bartolomeu, Reforma Protestante, torturas, etc, e td isso por questões puramente religiosas. Vc acha que uma religião dessas merece respeito mesmo tendo todas essas atrocidades no currículo?
      O meu discurso não é de ódio (até pq não usei a palavra "ódio" em nenhum de meus comentários). Eu não odeio religiões. Eu apenas não respeito algumas pq elas não são merecedoras desse respeito. Agora tem religiões que eu respeito e admiro pq elas não são intolerantes e dogmáticas como a umbanda, o candomblé, a wicca, o budismo e o satanismo.

      Tanto que se fosse a minha praia ter alguma religião, eu seria budista ou wiccana.

      Excluir
    5. -"Não nada de contraditório, e só ver estudar um pouquinho a história da Revolução Russa (1917)."

      -->Sim, eu já estudei essa parte e, pelo que eu me lembre, eles, Stalin e Cia. Ltda., eram comunistas, e em nome do comunismo mataram. Todas as mortes causadas por esses genocidas foram políticas, eu me canso de ter que ficar repetindo isso. Apesar de o ateísmo, para Marx, ser uma condição para atingir o comunismo pleno, eles apenas usaram o ateísmo para chegar ao comunismo perfeito (e falharam miseravelmente), entenda, ao comunismo. O ateísmo não é comunismo, e sempre há essa confusão, partindo do energúmeno princípio de que ateus são comunistas.

      -"E sim, o Budismo é um sistema ateu, mas em geral os budistas praticam sincretismo, adotando os deuses locais e, para os ateus do partido russo, eram apenas mais uma religião como outra qualquer."

      -->Mas nem todos os budistas praticavam o sincretismo, alguns, muitos eu creio, permaneciam no budismo puro, por assim dizer.




      Excluir
  14. Sou ateu e não simpatizo nem um pouco com o islamismo. Mas de fato, no caso dos ataques ditos terroristas eles são mais em decorrência de uma luta política dos povos arábes contra os EUA. A religião no caso se tornou um fator agregador desses povos arabes que foram divididos em vários estados ficticios graças a ação imperialista dos franceses, ingleses e depois dos norte-americanos. Mas fossem os terroristas cristãos, budistas ou ateus, muito dificilmente deixariam de praticar os mesmos métodos. A religião apenas dá força para as pessoas procederem ações extremas (como se explodirem). Mas os que criticam unicamente o islamismo por isso, fazem questão de esquecer dos terroristas católicos da Irlanda do Norte, do terroristas domésticos evangélicos norte-americanos ou até daqueles monges tibetanos buditas que se ateiam fogo. É tudo a mesma coisa, não adianta criticar o rótulo, se na verdade o problema é o CONTEÚDO.

    ResponderExcluir

Postar um comentário