Pular para o conteúdo principal

Evangélicos se mobilizam para obter presidência da Câmara

Ronaldo Fonseca
O pastor-deputado Ronaldo Fonseca é candidato ao cargo  
por Caio Junqueira para o Valor

A conjuntura política favoreceu para que um dos grupos mais coesos do Congresso Nacional, os evangélicos, tenham talvez pela primeira vez um representante de seus quadros na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados. Trata-se de Ronaldo Fonseca (PR-DF), pastor da Assembleia de Deus e presidente do Conselho Político Nacional da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil.

Ele se lançou na disputa após ser estimulado por dois outros candidatos, os deputados Júlio Delgado (PSB-MG) e Rose de Freitas (PMDB-ES). Os três apostam na estratégia de dividir os votos na eleição do dia 4 de fevereiro com o objetivo de forçar um segundo turno, para o qual têm acordo de apoio recíproco. Mesmo assim, o favorito continua sendo o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN). "Nós três representamos o novo e só os três juntos podem levar a eleição para o segundo turno. A minha candidatura possibilita o segundo turno. Hoje sou o fiel da balança para ter segundo turno", disse Fonseca.

Além disso, Fonseca também tem sido estimulado pelo deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), tal como ele, evangélico, e que, na contabilidade mais recente do partido, deve assumir a liderança da bancada na Casa. "Garotinho é um amigo, já trabalhei com ele no Rio. Prezo bastante ele, é um grande político. Ele declarou o voto em mim e simpatiza com a minha candidatura."

Pastor desiste da disputa pela presidência da Câmara
22 de janeiro de 2013

A jogada de Garotinho tem duplo interesse. No âmbito regional, Garotinho é feroz opositor ao governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), correligionário de Alves. Em nível nacional, atua para levar o PR para a oposição ao governo Dilma Rousseff, que apoia a eleição de Alves.

Fonseca é um dos evangélicos mais aguerridos da Câmara. Está presente em todos os debates que envolvem temas como família e comportamento. Teve atuação determinante, por exemplo, para que o governo recuasse da distribuição de kit gays nas escolas do país. Suas chances de vitória, porém, são inversamente proporcionais a esse desempenho. Ele diz trabalhar em um universo de 120 votos. Mas os evangélicos somam pouco mais de 70 deputados. E até mesmo seus correligionários afirmam que ele não deve ter mais do que 20 votos.

O curioso é que seu partido foi um dos primeiros a anunciar apoio a Henrique Alves, algo que, segundo ele, não o impede de avançar com sua candidatura. "Meu partido não fechou questão com Henrique, embora tenha manifestado apoio. E ao mesmo tempo, o partido me autorizou a colocar a candidatura. não sou dissidente. Estou autorizado a ser candidato."




Desse modo, o PR tenta evitar a repetição da eleição da Mesa de 2011, quando seu então líder, Sandro Mabel (GO), contrariou a decisão da cúpula do partido e se lançou na disputa contra Marco Maia. Perdeu a disputa, enfrentou um processo de expulsão que acabou o levando ao PMDB. "Não queremos repetir o erro daquele ano, quando fechamos questão em apoiar Marco Maia e acabamos perdendo um quadro importante como Sandro Mabel", afirmou o líder do PR, Lincoln Portela (MG).

Neopentecostais querem o poder do Brasil, alerta pastor Gondim
abril de 2011

Religião na política


Comentários

Anônimo disse…
Bando de VAGABUNDOS desgraçados!
Vinicius Cruz disse…
Hei Paulopes, só uma coisa que eu queria comentar: acho que seria interessante falar sobre isso

http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=1336694&tit=Apos-evangelicos-associacao-gay-pede-passaportes-diplomaticos
Anônimo disse…
A teocracia está chegando... Jà chegou no meu município, onde não temos prefeito, mas um "escolhido por Deus (...) ungido pelo senhor (pra usar expressões do seu jingle da campanha de reeleição. Ele até anunciou que sua filha um dia será prefeita. E do modo como os crentes o tratam, falando nele com tanta devoção, eis que os crentelhos conseguiram dar a volta, e voltamos a idade média, onde o que vale é o "direito divino"...
Anônimo disse…
Alguém sabe quanto tá a passagem pra Noruega, quero ir conhecer o lugar antes de me mudar daqui.
Anônimo disse…
paulo, sugestão de matéria:

https://www.change.org/pt-BR/peti%C3%A7%C3%B5es/tv-lafaiete-desculpem-se-pela-falta-de-respeito-com-a-morte-de-roberta-ba%C3%AAta-ateia?utm_source=share_petition&utm_medium=url_share&utm_campaign=url_share_after_sign#share
Gima disse…
E vergonha na cara que é bom... nada!
Anônimo disse…
Prepare-se uma uma nova idade das trevas se aproxima,é lutar ou fugir!!
Anônimo disse…
Se este sujeito for presidente da Câmara, eu memudo deste país na mesmo hora. Sem pensar 2 vezes.
Anônimo disse…
Se sugir uma Teocracia aqui no Brasil, eu peho em armas.

Mas acredito que seja apenas um exagero de minha parte. Teocracia braliseira é muito delirante...
Anônimo disse…
Em vez de chorarmos ḿágoas aqui. A pergunta é o que faremos ? Que ação tomaremos ?

Ficaremos aqui diante da telinha falando mal dos evangélicos ? Vamos esperar pela próxima eleição ? Alguma sugestão ?
Anônimo disse…
que lixo!
Anônimo disse…
Ainda bem que evangélico é desunido e arranca até as folhas da Bíblia quando o assunto é dinheiro.
Anônimo disse…
Depois que deram passaporte diplomático para o picareta Valdemiro, tudo é possível. Mas esse fanático aí não tem chance de ser eleito. E os escroques do Congresso continuam perdendo tempo e dinheiro público pensando em seus próprios umbigos (ou bolsos...). Imaginem quanto tem´po perdem com esse negócio de eleição de presidente da câmara, senado, etc. Tem hora que a gente pensa que seria bom um golpe de estado, mesmo, para acabar com essa putaria de políticos e evangélicos.

Ruggero
Anônimo disse…
Pelo contrário. São comerciantes. E como tal se unem para formar e manter seu mercado.
Unknown disse…
Uma AMEBA de duas pernas na presidência da câmara ou do senado é a MERDA que está faltando.
Unknown disse…
Evanjeguelicos são uma corja de primatas que vão levar dezenas de milhares de anos para evoluirem.
LucasChaves disse…
Brasil Rumo á uma teocracia cristã,mas eu me pergunto,será uma teocracia igual ao dos países islâmicos? Não duvido nada...
Anônimo disse…
É por isso que eu digo: nunca, nunca votem num crente. Os crentelhos fazem isso, eles só votam na "turma deles" fazem uma corrente, e estão amealhando cada vez mais poder político. Temos que criar também o nosso lobby, votemos em políticos senão ateus (porque nem todos saem do armário) pelo menos nos "humanistas", não importam se do PT, PSDB, PMDB, o caralho que se foda, vote num mais próximo da sua ideologia, mas nunca, jamais, vote num crentelho!!!! Eu prefiro votar num ateu de um partido que não simpatizo a votar num crentelho só porque é dessa ou daquela sigla! Digam não a ignorancia, não elejam crentes!!!!
Anônimo disse…
Elejam leis.
Arttie disse…
O que lhes falta de cérebro, sobra em união.
Os evangélicos são muitos milhões, e como boas ovelhas, obedecem a seus pastores.
A igreja financia fortemente (dinheiro não falta) a candidatura de vereadores evangélicos locais (basta observar os arredores de cada igreja em época de eleição. A quantidade de placas e outdoors do mesmo candidato em 200 metros de raio da igreja é aterrorisante).
Por sua vez, os vereadores apoiam a candidatura dos deputados, que apoiam prefeitos e senadores.

O que precisamos é unir e fortalecer os grupos locais e regionais de humanistas, racionalistas, ateus e agnósticos - mesmo que hajam pequenas divergências entre estes. Grupos virtuais também podem ter uma excelente repercussão, como a pequena Aliança Estudantil Secular, aqui de Curitiba, que realizou um trabalho excelente na Maratona de Cartas de Anistia Internacional.

Sem essa união, é impossível. É preciso definir objetivos comuns locais, e representantes que possam se candidatar em próximas eleições, e não pode haver muito espaço para muita divergência. Ou agimos agora e rápido, ou a teocracia - explícita - chegará.
Caio disse…
Isso já é demais. O Brasil esta retrocedendo e não pode ficar assim. Tomara que ele perca e um menos pior fique no lugar, afinal não existe algum que seja realmente respeitoso e justo. Mesmo sendo um preconceito meu, infelizmente é preciso: não voto em candidatos católicos, evangélicos ou que fundamentem seus princípios "na moral e bons costumes", porque sei o que vai acontecer se eles vencerem.
Anônimo disse…
kkk na noruega ta cheio de arabes kkk
Anônimo disse…
Minha cidade é um exemplo de como funciona a implantação da teocracia. O prefeito é evangélico e ganha as eleições dando dinheiro para as igrejas. Todos os pastores pedem voto pra ele, as ovelhinhas seguem. Apesar de "só" 37% da cidade já ser evangélica, mais da metade dos vereadores é evangelico, das 11 vagas da camara, seis são evangélicos. Se fosse um bom administrador e se fossem bons vereadores, tudo bem, mas além de incompetentes e com várias denuncias de corrupção, ainda tiram sarro da cara do povo, porque sabem que enquanto darem dinheiro pras igrejas estará tudo bem. A hipocrisia, o absurdo, o desmando da teocracia é tal que (alguns) poucos crentes até mesmo se afastaram das suas igrejas (embora ainda se considerem evangélicos) porque estão enojados. Mas são bem poucos, porque a maioria é ovelhinha e não questiona seus pastores, não acredita nas denuncias, nem quando há provas gritantes. Todos estão errados, são como os Malafaias que falam de "conspirações" contra eles, coitados.
Anônimo disse…
Sério? Onde você mora?
Anônimo disse…
Eu vou fugir.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel