No mundo, não filiados à religião são 1,1 bilhão, revela estudo

 Grupo inclui ateus 
e quem crê em 
poder superior 
O número de pessoas sem filiação religiosa no mundo é de 1,1 bilhão, o que representa cerca de uma a cada seis ou 16% do total da população. A informação é do Fórum Pew Research Center sobre Religião e Vida, que fez um estudo com dados de 2010 de 230 países e territórios.

O estudo estima que há 5,8 bilhões de adultos e crianças com filiação religiosa, o que corresponde a 84% da população mundial.

O grupo das pessoas não filiadas a uma religião formalmente constituída inclui ateus e agnósticos, mas também aquelas que têm crença em Deus ou em um poder superior.  É o que ocorre na China na proporção de 7% do total dos não afiliados. Na França, o percentual é de 30% e nos Estados Unidos, de 68%.

Parte das pessoas não filiadas se envolve em práticas religiosas. Na China, 44% delas disseram que em 2009 fizeram visita de reverência a túmulos de parentes ou de amigos. Nos Estados Unidos, 27% das pessoas adultas desse grupo informaram que comparecem a um serviço religioso pelo menos uma vez por ano. Na França, esse percentual foi de 7%.

Pelos dados colhidos pelo Pew, as pessoas não afiliadas no Brasil são 15,4 milhões, representando 7,9% da população. Na América Latina e Caribe, o grupo representa 4%.

A maior concentração de pessoas não afiliadas, de 76%, se encontra na Ásia e no Pacífico. Na Europa é de 12% e na América do Norte, 5%. O Oriente Médio e o Norte da África apresentam índice abaixo de 1%.

As pessoas não afiliados são maioria em seis países: República Checa (76%), Coréia do Norte (71%), Estónia (60%), Japão (57%), Hong Kong (56 %) e China (52%). No mundo, elas estão concentradas na China, com 62% ou mais de seis em cada dez.

A idade média das não filiadas é de 34 anos, 6 anos a mais em relação às que seguem uma religião.

A África Subsariana aparece no estudo como uma região onde o grupo de não filiadas é o mais jovem, com idade média de 20 anos. Em seguida vêm América Latina e Caribe (26 anos), América do Norte (31) e Ásia (35).

Em alguns países, há indícios de que, desde 2010, mudou rapidamente o montante do grupo das pessoas não filiadas. Nos Estados Unidos, por exemplo, o percentual entre adultos subiu para 19,6% em 2012.

Mapa da religião no mundo

O percentual é em relação à população de cada país
Com informação do Fórum Pew.





15,3 milhões de brasileiros declaram que não têm religião
junho de 2012

Comentários

  1. Na minha opiniao este estudo prova muito pouco, no maximo que mais pessoas deixaram de crer em instituicao, mas podem continuar crendo nas essencias religiosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. querer erradicar o direito de crença é um erro também. Como vai se fazer? Algum tipo de lavagem cerebral?

      o que tem de ser fazer não é erradicar a "essencia religiosa", mas fazer com que se valha a liberdade e os direitos de modo geral e ponderado. O problema da turma religiosa é que eles querem impor crenças e sistemas sociais-religiosos a outras pessoas. É essa a loucura que tem de ser erradicada. E falo sério: não tenho mais dúvidas que essa inflexibilidade já há tempos se caracterizou como doença, como patologia, algum tipo de transtorno mental.


      a minha sugestão é que os secularistas mais influentes insistam em criar leis que condenem o comportamento agressivo e "sociopata" dos religiosos. Acho que isso ajudaria a diminuir o tabu religioso.

      Excluir
    2. a religião tem um respeito muito grande e que ao mesmo tempo não é merecido. Não se pode tocar na religião, é como se fosse algo intocável. Essa mentalidade tem que ser derrubada. Eu acho que há boas chances disso acontecer se a sociedade em maioria se opor a essa sacralidade blindada que a religião possui.

      até mesmo o fato de que sociedades se debrucem para esse conceito já é algo a se pensar sobre a própria racionalidade das mesmas. "Religião tem de sair do sagrado e vir para o profano". Tem que ser derrubada nesse ponto.

      Excluir
    3. Não dá pra competir com a lavagem cerebral que a religião faz nas pessoas desde o nascimento.
      Pra TENTAR equilibrar as coisas, teria que haver algum tipo de doutrinação anti-religiosa sobre o máximo de crianças possível, e mesmo que todos os anti-religiosos do mundo se prestassem a isso, seria uma luta infinitamente desigual diante da doutrinação religiosa de massa.

      Excluir
  2. Em paises onde a religião é forte, quem não faz parte do time, sofre represalias, e acaba não se manifestando, portanto eu acredito que somos maioria, e tem muitos que pensam que tem religião mas são ingenuos a ponto de não perceber que apenas tem medo.

    ResponderExcluir
  3. e tem muitos que pensam que não tem religião mas são ingenuos a ponto de não perceber que apenas tem descrenças e não frequentam templos, mas cumprem rigorosamente a cartilha de princípios, valores, moral e conduta religiosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cartilha de princípios, moral, valores e conduta religiosa é totalmente dispensável a quem não crê em deuses e outras fantasias, posto que se trata, na verdade, de uma cartilha hipócrita, mentirosa, interesseira, distorcida e uma conduta deprimente, eivada de preconceitos, julgamentos que contradizem as pregações, uma vontade de poder e dinheiro acima de qualquer espiritualidade que possam alegar ser sua base. Quem é descrente o é, entre muitos outros motivos , pela repugnância que sente ao ler os sagrados (?) livros das grandes religiões e por presenciar -ou ser vitima - do comportamento fascista de muitos desses teístas. Então, é obvio que passamos longe da moral, princípios e valores teístas. Estes não são valores éticos: são mero disfarce palra interesses mundanos travestidas de bom samaritanismo.

      Excluir
    2. Então nós "passamos longe" da cartilha religiosa, é? Tem certeza?

      “Ninguém é mais escravo que aquele que falsamente se acredita livre.”

      Excluir
  4. Vejo o resultado desses estudos como algo positivo. As pessoas estão se desfiliando das religiões, sem perder a religiosidade. Isso é bom, a religião sempre conduziu a religiosidade das pessoas, sempre em proveito próprio. O cenário tende a mudar.

    Valdo

    ResponderExcluir
  5. É fácil o homem sair da igreja. Difícil é a igreja sair do homem...

    ResponderExcluir

Postar um comentário