Pular para o conteúdo principal

Candidato ameaça Estado laico ao prometer criar creches em templos

O espertalhão Priante faz um promessa 
que não poderá cumprir, caso seja eleito
Uma promessa de José Priante (foto), candidato a prefeito pelo PMDB à prefeitura de Belém (Pará) ameaça o Estado laico: a criação de creches com o dinheiro público em templos evangélicos e igrejas católicas.

A Constituição impede que qualquer instância de governo se envolva com atividades religiosas, mesmo quando não há dispêndio de recursos.

Priante está prometendo o que não pode cumprir. Caso ele seja eleito, o Ministério Público o impedirá de pisotear a Constituição.

Mesmo se fosse constitucional, a promessa de Priante é um atentado contra o bom senso, porque as creches não contemplariam os fiéis de outras religiões ou aqueles que não têm nenhuma crença.

O candidato alegou que a sua proposta visa aproveitar a infraestrutura das igrejas. Mas uma das obrigações de prefeito é providenciar justamente essa infraestrutura.

Ou seja, Priante é um espertalhão: ele faz uma promessa para angariar votos dos frequentadores de igreja ao mesmo tempo em que, desde já, empurra para eles uma responsabilidade que seria sua, no caso de ser  eleito.

Já era de se esperar algo parecido do candidato, tendo em conta que, como deputado federal, ele é réu no Supremo Tribunal Federal (processo 596 ), em ação por crimes eleitorais, e no Tribunal Superior Eleitoral (processo 3163464.2007.600.0000) por captação ilícita de sufrágio. Ambas as ações foram movidas pelo Ministério Público.

Priante apresentou a sua promessa indecente durante a convenção municipal do PSC, que homologou o pastor Kadmiel Pacífico, filiado a esse partido, como o seu vice na candidatura.

O espertalhão, pelo jeito, está tentando substituir os eleitores pelos fiéis de igreja, o que não faz bem para democracia.

Projeto de lei de BH autoriza prefeitura a vender rua para igreja.
junho de 2012

Religião na política.

Comentários

FreieR disse…
Creche nas igrejas... Hm... OS padres vão votar nele!
Plim! disse…
Sendo a proposta indecente, ela não deve ser aprovada.
Anônimo disse…
Aff !!! Por muito tempo vamos lutar contra esse tipo de gente e de postura, mas venceremos! O cara tem 2 processos nas costas e mesmo assim pode se candidatar a cargo eletivo, é um absurdo!!! Por favor TSE, o país precisa que se mude essa regra, chega de bandidos na política!!!
Eu só tenho a temer pela saúde mental dessas pobres crianças.
Adriano disse…
Bom, avaliando friamente

Se o local for carente deste tipo de servico, tanto faz ser numa igreja ou num Gremio Publico... acho q vale mais ter isso do q nao ter

Mas estou com o Luan Felipe, a unica coisa a temer é pelo estado mental... Mas ainda assim, pra muitos do norte e nordeste, somente a fe os mantem vivos, pq nao tem comida, agua, apoio do governo, nao tem nada... o q lhes sobra á fe, se tirar isso, morrem!
Plim! disse…
Se a proposta do candidato for eleita pelo povo e o Ministério Público desaprovar a proposta, isso mostraria que o poder do Ministério Público é maior do que o do povo.
Mello disse…
MAs voces tem que pensar em tudo e nao sair criticando dessa forma. Como que os santos padres vao conseguir criancas para seus prazeres sexuais? Como que os coitados ficam? Afinal tem um papa que os encobre e voces querem tirar isto deles.
Imaginem se forem seus filhos, quer dizer, imaginem como os padrecos, quer dizer, santos padres ficam.
Marcello Carino disse…
O truque é simples: Cria-se creches nas igrejas com dinheiro público, as igrejas levam a fama de ajudarem ao próximo e ainda por tabela começam a receber dinheiro público para manter estas creches... Os pastore$ e padre$ vão adorar...
Unknown disse…
A razão pela qual as igrejas católicas e os templos evangélicos não pagarem impostos é justamente a pressuposição que tais templos e igrejas ajudam o povo necessitado.

Dar dinheiro a eles é dá-lo duas vezes.
Anônimo disse…
Matéria fraca, quase sem argumentos. Primeiro, não está claro que a proposta seja inconstitucional (certamente não cabe ao Paulo Lopes julgar isso); segundo, não está nada óbvio que "as creches não contemplariam os fiéis de outras religiões ou aqueles que não têm nenhuma crença". Terceiro, o argumento ad-hominem "já era de se esperar algo parecido do candidato, tendo em conta que, como deputado federal, ele é réu no Supremo Tribunal Federal" é patético.
Anônimo disse…
http://www.youtube.com/watch?v=IOc4a8RE1qA&feature=youtu.be
Bispo com carater recusa uma homenagem do governo. E chamou a casa dos parlamentares de vergonha nacional.Esse carater falta a eses politiquinhos.
Cognite Tute disse…
Uma charge do Jesus And Mo, sobre o assunto, crianças, padres e doutrinação:

http://www.jesusandmo.net/2012/07/11/rooms/

Cognite Tute
Anônimo disse…
se não fosse tão triste (seja pela democracia, seja pela pedofilia), seria uma ótima piada.
Anônimo disse…
na verdade não. o governo E o povo devem obedecer à Constituição. O Ministério Público faz parte do estado, assim como o povo. Cada um com suas funções. Senão não existiria impeachment ou cassação de senadores, como exemplos de limitação ao poder do povo de eleger.
Anônimo disse…
serão mais zumbis a votar e a pagar dízimo por aí...
Anônimo disse…
não consigo apoiar a criação de creches públicas em casas religiosas.
o dinheiro é público. Há grande chance de desvio. Se não for desviado, já será uma forma de privilégio econômico.
Criará crianças extremamente fanáticas e ativas em proteger as religiões ligadas às creches. Se for assim, devem ser criadas creches junto aos terreiros de umbanda, aos círculos espíritas, às mesquitas islâmicas e às associações judaicas, além da ATEA.
Anônimo disse…
bem lembrado.
Anônimo disse…
a constituição diz que a elegibilidade deve levar em conta a vida pregressa dos pretensos candidatos, portanto não é patético tal argumento.
Certamente é inconstitucional, cf. o art. 22 da CF.
As creches públicas devem contemplar a todos. Havendo qualquer ensino religioso tendencioso, não vai contemplar a todos.
Anônimo disse…
hahahahahaha
Plim! disse…
Então a Constituição é mais poderosa que o povo. A Constituição deveria dizer que todo o poder emana dela mesma.
Anônimo disse…
Há a questão da possibilidade de desvio de dinheiro público também.
Anônimo disse…
Não se poderia esperar outra coisa do sobrinho do Jader Barbalho...
Anônimo disse…
Mas a constituição está acima do povo.
Plim! disse…
Pois é, estando a constituição acima do povo, todo o poder emana da constituição e não do povo.
Anônimo disse…
Sou ateu,e digo que a atitude deste senhor foi de uma grandeza inigualável. Prova de que pessoas de caráter existem sendo religiosas ou não.
Victor Xavier disse…
captação ilicia de sufragio foi a primeira lei criada por iniciativa popular!
Anônimo disse…
Pelo visto este anencefálo não é capas de criar um projeto de creches sem ligação com a religião, e ainda se diz "Criacionista" meu senhor pegue sua varinha mágica e crie uma solução para o desemprego e a evasão escolar, crie logo meu caro, tempo é dinheiro.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel