Pular para o conteúdo principal

Estudo detecta ligação entre medo do inferno e baixa criminalidade


Um estudo sugere que muitas pessoas deixam de cometer crimes porque temem arder no inferno. O professor de psicologia Azim F. Shariff, que é o autor do estudo e diretor do Laboratório de Cultura e Moralidade na Universidade de Oregon (EUA), concluiu que a incidência de crime é menor nas sociedades onde predomina a crença de um Deus punitivo em relação àquelas que têm devoção por um Deus benevolente.

Ele disse que, em resumo, “nos lugares onde se crê no inferno existe taxas mais baixas de criminalidade e onde se crê apenas no céu as taxas de transgressões são maiores”. As exceções seriam os países altamente desenvolvidos onde há baixa taxa de criminalidade, embora parte significativa de sua população seja de descrentes.

A ligação entre medo de inferno e baixa criminalidade é uma percepção do senso comum, só que agora dados analisados com rigor científicos apontam nesse sentido. O estudo Different Views of God Predict Cheating Behavior (Deuses maus geram pessoas boas: diferentes visões sobre Deus ajudam a prever comportamento e trapaças) teve como base dados coletados durante 26 anos referentes a 143.197 pessoas de 67 países.

Shariff afirmou que o seu estudo reforça as evidências de que as sociedades primitivas se valeram da punição do sobrenatural como um eficaz instrumento para que as pessoas agissem com ética em relação às outras. Ou seja, por essa perspectiva, a real importância das crenças religiosas estaria no fato de ser um sistema de controle social.

O estudo também mostrou, segundo Shariff, que a crença religiosa não é bloco monolítico. “Ao dividir a religião em construções diferentes, verifica-se a existência de relacionamentos diferentes”, disse.

Shariff reconheceu que o seu estudo contém certa dose de especulação, porque se baseou em dados correlacionais, os quais poderão fornecer explicações alternativas sobre o tema.

Com informação do Huffington Post.

Comentários

Wickedman disse…
o seu estudo reforça as evidências de que as sociedades primitivas se valeram da punição do sobrenatural como um eficaz instrumento para que as pessoas agissem com ética em relação às outras.

É pra isso mesmo que a religião serve: para controle. Mas não se pode negar que teve sua eficácia. No entanto, onde se tem população com mais educação, como o texto diz, tem-se exceção. Educação (e não crença) é a melhor maneira de se ter uma sociedade mais justa.
Tá, então como explicar o fato de que 70% dos presidiários franceses serem muçulmanos?
O Satã (ou Shaitan, como dizem) é uma figura central no islã. Se você olha para uma mulher bonita e a deseja, Shaitan está querendo te desviar do caminho. Se você pensa e vê as contradições na religião islâmica, Shaitan está te manipulando para você sair do caminho da submissão divina e blá blá blá.

O que diminui a criminalidade, não sou especialista - claro, é fazer as leis funcionarem e punir quem comete crime.

Daqui a pouco vão dizer que eu devo amar a LBV porque eles fazem caridade ou que tenho que ter simpatia pelo Hamas porque eles distribuem cesta básica para os palestinos carentes. Ah, vá.
Pessoas precisam ser honestas não por terem medo do inferno, mas sim por terem a consciência de que seus atos, bons e ruins, tem uma consequência na sociedade como um todo.
Anônimo disse…
Triste do homem, precisar desta ameaça para andar na linha.
Dal Ponte, P. disse…
É mais fácil ensinar a sociedade ter medo de algo, do que ensinar como ter compaixão pelo próximo, e que a vida é uma coisa incrivel que aconteceu.
Religião não define caráter nenhum. Tenho certeza que se fizerem uma pesquisa sobre religião nas nossas delegacias e penitenciárias, teremos uma quase totalidade de teístas (com uma tendência a serem evangélicos).

Como o anônimo aí em cima disse, religião serve para controle e teve seu papel importante no imaginário coletivo e tudo mais. Mas hoje há mecanismos mais eficazes de controle e punição (real) do que ficar pensando num capeta com tridente. Quando pirralho morria de medo do bicho papão e da mulher do algodão (uma lenda do folclore fluminense e mineiro) que vinham me buscar se caso desobedece meus professores e pais.
wolvie disse…
Pseudo-ciencia.
Analista Man disse…
E essa consequência pode ser o quê? o inferno?
Anônimo disse…
tem muitas gente que faz altas atrocidades em nome de um deus achando que vai ir pro céu eu acho que essa pesquisa nem diz muita coisa nao
Yuri disse…
Prisão, causar dor na vítima, julgamento e discriminação da sociedade.
Analista Man disse…
Prisão e dor são características do inferno.
Anônimo disse…
Falácia do Apelo ao medo? Estou certo?
Anônimo disse…
Por isso é que eu digo e repito: O Diabo e o inferno são mais importantes que Deus e o paraíso, na mitologia cristã.
Anônimo disse…
Pesquisa falaciosa...dá entender que o medo no inferno é uma coisa boa. Para que tivéssemos essa constatação deveria ser feita a comparação entre sociedades que creem no inferno, de um lado, e sociedades cuja população é, em sua maioria, de céticos, de outro. Não é a toa que os melhores IDHs são de países com grande parte atéia.
romulo disse…
Laboratório de Cultura e Moralidade na Universidade de Oregon... a revisão por pares acontece no "bible belt"?
Para de distorcer o que eu disse, troll.
Felipe... disse…
Engraçdo que aqui no brasil isso não acontece né?
Roberto disse…
[i]Shariff reconheceu que o seu estudo contém certa dose de especulação, porque se baseou em dados correlacionais, os quais poderão fornecer explicações alternativas sobre o tema.[/i]

Em português límpido e cristalino significa: "Lancei uma hipótese sem pé nem cabeça no ar, mas espero que outros idiotas tentem cabecear essa bola".
Analista Man disse…
Distorcer como?
Israel Chaves disse…
Essa pesquisa me parece tãããão tendenciosa...
Analista Man disse…
Luan, essa consequência pode ser o quê?
Não seja imbecil, Analista, você entendeu bem o que eu quis dizer, não se faça de burro, que de troll já basta o Izaque e a Salamandra.
Analista Man disse…
Você disse uma consequência, mas não disse qual consequência, aí eu digo que a consequência pode ser um inferno.
Se você tivesse realmente entendido meu comentário, saberia que eu não estava me referindo ao inferno, obviamente.

Para um cara que se diz um analista, você é uma desgraça.
E tem mais, o Yuri já citou algumas consequências de atos considerados ruins para a sociedade, como assassinato, furto, estupro, apatia, corrupção e afins. Tudo isso tem uma consequência negativa para a sociedade e a prejudica como um todo, e nem preciso dizer o porquê.

Não preciso citar mais nada. Gente burra é uma coisa, agora gente que se faz de burra consegue ser ainda mais medicre.
Analista Man disse…
Prisão e dor são características de um inferno. E já que você disse que eu entendi o você disse, então você tem que concordar com o que eu digo.
Anônimo disse…
Obviedades.
Até onde eu sei, o inferno cristão se caracteriza como um lugar de tormento e punição eterna num abismo de fogo, criado com "todo o amor e carinho" pelo deus cristão para "castigar" quem não bajulou o ego infinito dele.

Mas você sabe muito bem que não é desse inferno, nem de nenhum outro que estou falando.

Vamos parar de falar de inferno, por favor! Eu hein!
Lia de Souza disse…
Estudo detecta ligação entre medo do inferno e baixa criminalidade




"concluiu que a incidência de crime é maior[??] nas sociedades onde predomina a crença de um Deus punitivo em relação àquelas que têm devoção por um Deus benevolente."

Tem mais crimes onde se acredita na punição de Deus incluindo envio para o inferno?Bem, aqui no Brasil é assim, mas parece não bater com o título...Não quer dizer que há menso crimes onde se teme o inferno?

Ou deveria ser "concluiu que a incidência de crime é MENOR nas sociedades onde predomina a crença de um Deus punitivo[e que manda pro inferno] em relação àquelas que têm devoção por um Deus benevolente.

Achei estranho o trecho...parece contraditório...
Luis Medeiros disse…
O inferno é um mito cristão e usado com outros nomes por outras religiões, a ideia deste ser feito de fogo eterno e estar debaixo da terra é derivado dos vulções que antigamente se acreditavam ser portas para o inferno.

Os homens do tempo de Jesus e da idade média pouco ou nada sabiam sobre ciencia e ainda menos sobre o pós vida, na altura havia razão para acreditar em tais disparates, hoje em dia temos conhecimentos que nos levam a ver tais ideias como absurdas, mas adquadas às epocas em questão.
Anônimo disse…
Acontece que o Deus Cristão não é dos mais vingativos, visto que é possivel um cristão confesar os seus pecados, livrando-se assim do inferno por se ter arrependido de seus pecados.
Anônimo disse…
Tendenciosa? Puff... imagina...
Analista Man disse…
Luan, pode não ser o inferno, mas um inferno.
Analista Man disse…
Uma vida de sofrimentos em qualquer lugar do universo pode ser considerada um inferno.
_É muito triste saber que os seres humanos(nem todos), não são capazes de direcionar suas vidas sozinhos! Tem gente que é capaz de passar a vida toda toda, tentando achar um culpado para suas tolices!
_Quem faz ou deixa de fazer algo por conta de um suposto medo, cedo ou tarde, deixa cair a máscara e transparecer quem realmente é.
Anônimo disse…
Falou a crente que se borra toda de jeova
Analista Man disse…
Um lugar de tormento de onde não se pode escapar é uma prisão e o tormento e a punição causam dor.
Aff, qual a parte do "você sabe muito bem que não é desse inferno, nem de nenhum outro que estou falando" você não etendeu? Você é um idiota, Analista.
Analista Man disse…
Essa de nenhum outro. A prisão humana não é um inferno?
Idiota Man disse…
Viver num lugar onde existe enchentes, terremotos não é um inferno?
Idiota Man disse…
"o Yuri já citou algumas consequências de atos considerados ruins para a sociedade, como assassinato"

O assassinato é um ato ruim que gera consequêcias ou o assassinato é consequência de um ato ruim?
Idiota Man disse…
O Yuri disse: "Prisão, causar dor na vítima, julgamento e discriminação da sociedade."

A prisão não é um inferno? A dor não é um inferno?
Idiota Man disse…
Se a prisão não é um inferno, então por que você não se prende?
J. Tadeu disse…
Analista/Idiota Man, fan of quibbles.
Idiota Man disse…
Calo a boca e faço o que?
Idiota Man disse…
J. Tadeu, as ninharias nunca crescem?
J. Tadeu disse…
Nesse ponto está certa, Salamandra Gouvêa. Desenvolvendo o que foi dito, culpar a deus ou ao diabo (ou aos outros, ou às circunstâncias - ainda que tenham, esses últimos, seu peso) pelos próprios erros é uma grande insensatez.
Idiota Man disse…
Luan, não estou usando a boca e sim os dedos.
J. Tadeu disse…
Dilema-tostines: ¿palavras podem irrestritamente construir questões ou questões podem irrestritamente construir palavras?
Idiota Man disse…
Palavras servem para construir questões e para responder as questões.
Idiota Man disse…
¿palavras podem irrestritamente construir questões?
Não.

questões podem irrestritamente construir palavras?
Não.
Anônimo disse…
Não tinha aquele papo que trollagem seria deletado? O Analista Man (ou Estudante Bíblico, Estudante Constitucional, Estudante Bíblico Constitucional, e trinta apelidos diferentes) faz uma festa nesse Blog, trolla até não agüentar mais e demonstra todo seu retardo mental e nunca foi deletado...
Idiota Man disse…
Fazer pergunta é trollar?
Idiota Man disse…
De acordo com a wikipédia,

Sistemáticas do troll

Há várias sistemáticas desenvolvidas por trolls para atuar num fórum de Internet, entre elas:

Jogar a isca e sair correndo: consiste em postar uma mensagem de polêmica grande já esperando uma grande reação em cadeia e flame war. Porém o troll não se envolve mais na discussão, some após a mensagem original e se diverte com a repercussão. Uma forma mais branda é postar noticias polêmicas (às vezes mensagens não-verídicas) só para observar a reação da comunidade.
Induzir a baixar o nível: alguns trolls testam a paciência dos interlocutores, induzem e persuadem a pessoa a perder o bom senso na discussão e apelar para baixaria e xingamentos. Com isso, o troll "queima o filme", consegue que a pessoa se auto-difame na comunidade por ter descido a um nível tão baixo.
Desfile intelectual: um troll pode ter um bom nível intelectual, vocabulário sofisticado diante de outros discursantes, desfilar referências e contradizer os argumentos dos rivais por conhecimento e pesquisa, muitas vezes expondo-os ao ridículo e questionando sua formação educacional.
Repetição de falácias: outro método usado que induz ao cansaço, aqui o troll repete seu conjunto de falácias até que leve seu interlocutor à exaustão, alegando depois ter vencido a discussão após o abandono do oponente.
Ludibriar o leitor: é usado principalmente por postagens de blogs ou em comentários dos mesmos, onde normalmente o material enviado é de procedência duvidosa, ou falta com a verdade.
Idiota Man disse…
Jesus Cristo acusou Pilatos de estar afirmando, quando na verdade Pilatos perguntou se Jesus era o Rei dos Judeus.
Idiota Man disse…
Quem descobriu o Brasil?
Analista Man disse…
Pedro Alvares Cabral
Analista está sendo apenas idiota, como sempre foi. Esperar o quê que alguém que se esconde no anonimato?
A.Porto disse…
O estudo deve ser muito sério mesmo.
Os EUA tem a maior população carcerária do mundo.
Antes de cometer um crime o camarada pensa: ser preso é menos pior do que arder no inferno.(faz sentido)
Anônimo disse…
O que ela falou é certo, porém a maioria dos comentários dela, papagaiando sobre o terrorismo de jeová, mostra algo bem diferente.
Anônimo disse…
Achei que era só eu que não vê graça alguma nesse Analista man.
E Luan, só pq alguém não quis fazer uma conta, ou colocar um nome, deve-se esperar coisas ruins?
Isso aqui é um espaço pra discutir idéias e não se promover e desfilar. Você é bem preconceituoso pra um cético racional.
Idiota Man disse…
Idiota por fazer perguntas?
Idiota Man disse…
Luan, espere comentários, perguntas, pois aqui, nesse blog o anonimato não é vedado, o blog não está seguindo a regra da Constituição que diz que é livre a liberdade de expressão, sendo vedado o anonimato.
Idiota Man disse…
Anônimo22 de junho de 2012 22:16, você acha graça no Zorra Total, na turma do Didi, nos cara de pau, na escolinha do Gugu, no Chaves?
Idiota Man disse…
Luan, distorcer o que você disse como? fazendo perguntas?
"Jesus Cristo acusou Pilatos de estar afirmando, quando na verdade Pilatos perguntou se Jesus era o Rei dos Judeus".
_Veja como é grande a limitação!
1º Jesus não é acusador, este papel não é dEle! É só ler a Bíblia para saber a quem este papel, pertence.
2º Ao ser indagado por Pilatos, Jesus apenas disse: "Tu o dizes"! ou seja: lhe deu uma devolutiva daquilo que estava intrínseco em sua pergunta! _Cadê a acusação a qual se refere?
_A partir disso, é normal entenderem: na maioria dos comentários, estou papagaiando terrorismo..., é claro, não compreendem!
_Com respeito às duas portas que se encontram abertas no texto inicial, devo escrever que: elas não são iguais, como sugere a ilustração.
_A porta que conduz ao inferno, é larga e são muitos os que entram por ela! _Estreita é a porta e apertado é o caminho que conduz para a vida e são poucos os que entram por ela.
Gouvêa Osga disse…
Então a porta para o inferno é banda larga.
Limitado Man disse…
Salamandra, por que Jesus não respondeu sim ou não?
Limitado Man disse…
Salamandra, por que o Luan Cunha não disse a consequência e o Yuri veio dizer no lugar dele?
Limitado Man disse…
"Cadê a acusação a qual se refere?"
Ao dizer tú o dizes, Jesus está acusando Pilatos de ter afirmado em vez de perguntado.

Pilatos poderia ter feito outra pergunta, como por exemplo:"Eu disse o quê?"

Posts + acessados hoje

Vídeo mostra que filho de Testemunhas de Jeová já discrimina colega da escola

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Pesquisa usada por deputado para punir cristofobia mostra não haver perseguição a cristãos no Brasil