CNI e evangélicos se unem contra taxação de fortuna e pensão gay

Perdondi, Pastor Eurico e pastor Feliciano:
 camplô  com o uso do regimento
Os deputados do lobby da CNI (Confederação Nacional da Indústria) e os da bancada religiosa, destacando-se nela os evangélicos, fizeram uma inusitada parceira na sessão de ontem (quarta-feira, 9) da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.

Eles recorreram à manobra regimental de pedir a verificação do quórum e conseguiram suspender a votação do projeto da taxação das grandes fortunas, como queria o lobby da indústria, e o que cria direitos previdenciários aos dependentes de homossexuais nem sequer foi apreciado, para a felicidade dos evangélicos.

Quando o projeto da taxação contava com 14 votos favoráveis e três contra, o deputado Darcísio Perdondi (PMDB-RS) pediu verificação de quórum. Foi registrada a presença de 17 deputados, faltando dois para dar o mínimo necessário.

Para que não houvesse quórum, deputados da parceria CNI-evangélicos deixaram o plenário, entre eles os pastores Eurico (PSB-PE) e Marco Feliciano (PSC-SP), embora ambos sejam favoráveis à taxação das grandes fortunas, ao mesmo da boca para fora. Sem quórum, o projeto da pensão aos gays não entrou em votação  -- foi a contrapartida aos deputados evangélicos pelo apoio que deram ao lobby da CNI.

De autoria do deputado Doutor Aluízio Júnior (PV-RJ), o projeto prevê tributação de patrimônio acima de R$ 4 milhões e aplicação de sua arrecadação na saúde pública.

O Pastor Eurico superou o seu colega Feliciano em dissimulação. Antes de sumir do plenário, ele defendeu o projeto com ênfase e lamentou haver muitos lobbies no parlamento que impedem o andamento de alguns bons projetos. Ele chegou a ser aplaudido.

Do lado do lobby da CNI, o destaque no jogo de cena ficou com o deputado Perondi. Médico, ele se diz um defensor da saúde pública, mas foi o principal articulador da parceria com os evangélicos para melar a sessão.

O advogado Paulo Fernando Melo, assessor da bancada religiosa, comemorou: "Tinham duas matérias polêmicas na pauta. No final, a articulação dos dois setores deu certo e os dois lados saíram vitoriosos".
 
Com informação de O Globo.

Deputado quer liberar recurso do FGTS para construção de templos
janeiro de 2012

Comentários

  1. -É nisso que dá o voto de cabresto/evangélico/criacionista !!!!!!Sê deixarmos esta merda de país vai virar uma teocracia!!!!!!!!!!!

    E pode salvar o que eu estou escrevendo: Um dia alguém vai começar a derrubar este bando a bala!!!

    Os conflitos entre grupos armados dos dois lados na Irlanda, como o Exército Republicano Irlandês e os movimentos unionistas serão FICHINHA!!!!!!!!!!!!!!!!

    Robson Kvalo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assino em baixo! Só que a bala demora muito... Gás sarin neles!!!

      Excluir
    2. Assino em baixo! Só que a bala demora muito... Gás sarin neles!!!

      Excluir
    3. A religião ameaça mandar pro inferno quem não obedece seus mandamentos, a religião não convence pelos argumentos e sim pela força.

      Excluir
    4. poxa Robson

      pesei exatamente isso enquanto lia a reportagem

      tem tanto doido nesse mundo
      será que um dia aparece um no caminho dessa corja?

      Excluir
  2. chega dói na alma (se assim posso dizer daquela agonia interna quando leio noticias desse tipo) que a querida bancada cristã (evangelicos, catolicos, espiritas ou qualquer um que apoia a hipocrisia biblica) mais uma vez sangra o Brasil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade

      compartilho do mesmo sentimento

      mas a bancada é só de evangélicos e católicos

      Excluir
    2. Os espiritas não utilizam a bíblia.

      Excluir
    3. "Os espiritas não utilizam a bíblia." E outra , citar alma estragou o texto!!!


      Robson Kvalo

      Excluir
  3. Me desculpem mas sou totalmente contra taxar dinheiro das pessoas. O que é grande fortuna? Já não basta a montanha de impostos que pagamos no dia-a-dia para termos um país de merda? O estado que comece a gastar corretamente o dinheiro que tem no bolso, nada de atacar o bolso de quem já carrega o país nas costas. Veja, não estou defendendo a isenção de impostos para igrejas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o seu comentario lembra comentarios de norte americanos que reclamaram contra Obama contra o plano de saude e do novo importo sobre fortunas (ou aumento dela, nao sei bem ao certo)...

      lembro de um comentario de um comediante a essas pessoas: que elas era estupidas por nao perceberem que o plano de saude beneficiava elas, e que o novo imposto sobre as riquezas dificilmente pegaria o encanador john (garoto propaganda contra o imposto, encanador, que nao chegava a ter 10% dos rendimentos anuais necessarios a ser taxado)

      no fim, isso acabou gerando protestos em massa contra os ricos, wall street (os 99% ja cansados de enriquecer os 1%)

      ... se voce teve a graça de vir comentar a noticia, duvido que tenha 1% anuais livre para que o imposto era proposto... e apoia pessoas que tiram seu dinheiro, seja nos produtos caros e de má qualidade, seja votando nesses deputados que sangram os cofres publicos... acorde john...

      Excluir
    2. Cara, volta pro planeta terra, isso aqui é brasil...!!! NENHUM imposto aqui vai pra onde for planejado... Eu ate concordo a principio, mas nao da pra ter confianca na maquina publica de que logo "grandes fortunas" nao sejam algo avaliado acima de R$200.000...

      Excluir
    3. ps.: Atualmente, eu sou contra a criacao de QUALQUER imposto, por principio, ao menos antes de uma reducao drastica na carga tributaria.

      Nao se deve criar mais nenhum antes de se reduzir os que ja existem, o problema nao esta no que faltam novos, mas em ajustar os que existem... Acho que todo mundo aqui lembra de como o ICMP-F foi pra saude...

      Excluir
    4. Concordo com o anonimo das 12:23. o Brasil arrecadou mais de 1 trilhao de reais em impostos ano passado. Agora, em que foi aplicado! As estradas estao esburacadas, as boas estradas estao privatizadas. Saúde pública está um caos. na educaçao as escolas estao caindo aos pedaços e os professores mal pagos. Pra onde foi esse dinheiro todo. E ainda querem criar mais impostos! Nesse caso, apoio o boicote.

      Leandro

      Excluir
  4. O que dizer? Apenas fanáticos religiosos impondo seu preconceito em projetos importantes!

    Queria ver se fosse um projeto para aumentar a arrecadação da igreja. Iriam chamar até o papa para votar a favor!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria, agora não quer mais.

      Excluir
  5. É assim mesmo...esses pilantras se esquivam de votar porque não lhes interessa e depois quando o STF precisa intervir é esse mimimi de que o STF tá decidindo pelo congresso e etc.

    Charles

    ResponderExcluir
  6. Taxar grandes fortunas. Isso aí vamos arrancar o dinheiro dos classe média/média alta que com esforço juntaram esses 4 milhões para abrir um médio negócio.

    ResponderExcluir
  7. Este é o Pais onde a iniciativa e punida. Tente abrir um negocio, que voce ja sai devendo para o governo.As pessoas bem sucedidas são consideradas inimigas da nação. Curiosamente os politicos e religiosos parasitas não são, são herois.
    Cade o incentivo para gerar empregos, cade o incentivo para poupar, cade a vergonha dos nossos dirigentes. Tudo conversa fiada e vendedores de ilusões. O pior a plebe rude, apoia e segue atras e quando pode faz o mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente contigo. Nosso país deveria incentivar o enriquecimento através do trabalho, mas ao invés disto incentiva o nivelamento por baixo. Enquanto a pessoa é classe baixa, é coitada; passou para classe média, é burguês alienado culpado de tudo; ficando rico, é o malvadão que corrompe todo mundo e dá chicotada no pobre.

      Pouco importa como o cidadão está ganhando seu dinheiro: vai ser taxado de explorador do pobre. E assim vai sendo o conflito de classes sociais, que nunca serviu para nada no Brasil!

      Excluir
  8. Essa atitude perversa dos deputados evangélicas é bem mais grave e insana qwue a tal santa ceia comas trans. Essas aí não prejudicaram nenguém agora a saúde pública fica bem comprometida.A pesar de quê, não acredito muito nos destinos dados a esta grana.

    ResponderExcluir
  9. Se fosse criado um imposto para taxar a burrice e ignorancia, nao haveriam mais evangelicos no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, Abbadon. Essa foi boa!

      Excluir
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  11. Raciocinemos:
    - que o dono de todo ouro e de toda prata dê uma esmolazinha e nos livre dessa.
    Quebra essa gzuis!

    ResponderExcluir
  12. Respostas
    1. Acho que vou chorar!
      Snif, Snif, Snif,....

      rsrsrsrsrs.....(com muito sarcásmo)

      Excluir
  13. Eles são craques em melar sessões.Onde está a novidade?Perseguir gays e cassar seus direitos ou impedir a consolidação de outros?Não teria sido formar lobby com a CNI?Essa gente é capaz de se unir até com ruralistas,latifundiários e industriários multi-milionários e acho que até com os "satanistas",como gostam de chamar a alguns para defender seus interesses.

    ResponderExcluir
  14. O Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) consta do texto constitucional desde 1988 e aguarda lei complementar para regulamentá-lo. Não é, portanto, uma idéia nova. Precisa ser regulamentado para que se faça justiça. Os pobres são os responsáveis pelo “grosso” da arrecadação de impostos desse Brasil. Fazer com que aqueles que têm grandes fortunas paguem por elas não os tornará menos ricos.

    Sobre a garantia de direitos previdenciários aos dependentes de homossexuais é algo também importante e que deve ser regulamentado. Garantir que os direitos que faltam a essa parcela da população não faltem mais é dever do Estado.

    Não me surpreende ver que industriais empresários e evangélicos estão juntos brigando para garantir que seus interesses sejam mantidos e inalterados. Todo esse grupo briga para que o status quo seja mantido, ou seja, que os que sofrem continuem sofrendo; que os prejudicados continuem sendo prejudicados; que a justiça continue sendo uma utopia.

    Questões econômicas, assim como questões religiosas, são bem eficazes para promover a segregação e a injustiça. Pobres e homossexuais sabem bem o que é isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário vem demonstrando faz anos que a idéia que a classe baixa é responsável pela maior arrecadação tributária no Brasil é falsa: a classe média quem mais paga tributos.

      Os institutos de pesquisa em geral não fazem as devidas distinções entre tributos, ou seja, não observam se determinada faixa de renda é tributada ou não. Faz o somatório bruto dos impostos, divide por cidadãos, e, por fim, observa o impacto em cada faixa de renda. Isso é errado, pois existem renuncias fiscais e isenções de acordo com determinada faixa de renda, quase sempre com a mais baixa.

      Quanto ao Imposto sobre Grandes Fortunas, a idéia seria ótima se não fosse um detalhe: ele não irá incidir sobre grandes fortunas, mas sim sobre patrimônios. Isso quer dizer que a partir de determinado momento, aquele que vem tendo evolução patrimonial a partir do seu trabalho, ou então por crescimento de sua empresa (que faz parte dos bens e direitos declarados), vai uma hora começar a ser penalizado por isso, ou seja, ter que pagar imposto. E até mesmo um empréstimo bancário, para a Receita, é contado como lucro, ou seja, possivelmente irá ser taxado!

      O ideal deveria ser sobre o lucro, ou seja, teve lucro superior a determinados milhões em determinado ano, incidiria o imposto – e seria melhor do que o imposto sobre lucro imobiliário. É como acontece em outros países...

      Mas a atual idéia, vinda de ideologia socialista, serve justamente como desincentivo ao crescimento através do trabalho. Parte da idéia de que quem ganha dinheiro é o vilão!

      Excluir
  15. Bom,quanto a se criar um novo imposto ou novas tributações também não concordo,mas essas manobras dessa bancada evangélica são abusivas e inaceitáveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O IGF - Imposto sobre Grandes Fortunas - não é um imposto novo. A ideia desse imposto existe desde 1988.

      Excluir
  16. Esse negócio de quórum, é igual quando o professor diz que só vai iniciar a aula quando a maioria dos alunos chegarem à sala. Depois que a aula começa, chegam uns alunos atrasados e acompanham a aula sem saberem do começo.

    ResponderExcluir
  17. Gostaria de saber em que a pensão previdenciária gay vai interferir na liberdade de expresão ou de culto desses talibãs do movimento político-partidário-ideológico-teocrático-midiático do neopentecostalismo fundamentalista brasileiro?

    ResponderExcluir
  18. Puta que pariu, nem sou gay, mas a cada dia a bancada evangélica me causa mais asco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FIQUEI ABISMADA QUANDO LI ISSO! "Para evitar escrever a palavra gay, o site de notícias da “American Family Association”, uma organização cristã, criou um aplicativo para trocar esse termo pela palavra homossexual causando diversas situações embaraçosas como aconteceu essa semana.(...) Nós não temos nada contra a palavra ‘gay’, exceto quando se refere a pessoas que praticam o homossexualismo”,http://noticias.gospelprime.com.br/aplicativo-de-site-cristao-troca-sobrenome-de-atleta-e-causa-polemica/ Fatima

      Excluir

Postar um comentário