Pular para o conteúdo principal

Vaticano censura livro que defende diversidade familiar

Capa do livro que foi publicado 
por uma editora católica
O Vaticano censurou o Parejas y sexualidad en la comunidad de Corinto publicado em 2010 pela editora católica argentina San Pablo. Escrito pelo pastor metodista Pablo Manuel Ferrer, o livro fazia parte de uma coleção ecumênica sobre temas bíblicos.

O cardeal americano William Levada, responsável pela Congregação para a Doutrina da Fé, escreveu em novembro uma carta para editora com a advertência de que o livro contém “opiniões contrárias à doutrina da Igreja sobre a sexualidade”. Ele pediu que essa situação “fosse remediada o quanto antes”.

Em poucos dias, a editora tirou o livro de seu catálogo e recolheu os exemplares que estavam à venda nas livrarias.

Ferrer disse ao jornal espanhol El Pais que o seu livro é sobre o reconhecimento pelo apóstolo Paulo, em uma carta, sobre a existência do desejo sexual em uma resposta à comunidade de Corinto, para a qual “o bom para o homem é não tocar na mulher”.

“O meu livro, que fala ser a sexualidade um desejo válido, deve ter causado ruído porque afirma que a família composta por pai, mãe e filho é uma das possíveis construções familiares”, disse.

“No tempo em que o Império Romano quis impor normas para a família, o apóstolo Paulo defendeu que devia haver diversidade”, afirmou Ferrer, que é professor no Instituto Superior Evangélico de Estudos Teológicos de Buenos Aires.

Ele ainda não sabe se pode publicar o livro por outra editora, já que cedeu os direitos de autor à San Pablo. Informou que, se houver uma reedição, acrescentará no livro capítulos sobre homossexualidade.





Vaticano censura livro de teólogo sobre a homossexualidade.
fevereiro de 2012

Arte e religião.     Religião contra liberdade de expressão.

Comentários

Concí Sales disse…
As condenações aos crimes sexuais nos textos atribuídos ao Apóstolo Paulo, numa linguagem teológica de hoje, pecados sexuais; referem-se, como já foi dito em inúmeros outros textos debatidos aqui; aos chamados nefandos, ou inomináveis, aos hediondos abusos de vulneráveis, frágeis, e menores, e de ambos os sexos! Como também os textos condenam peremptoriamente que haja relações sexuais sem o consentimento de ambas as partes. O que representa sem dúvida um avanço, (justamente o oposto do que pensamos, e é, ao que parece, o intento do que quer o livro, proscrito pela Igreja, precisamente ressaltar); porque o mundo romano, com suas orgias, festins públicos promíscuos, e casamentos forçados por conveniência, não reconheciam tanto direito assim aos economicamente dependentes, nem aos menores, como à mulher.
É evidente que os textos não condenavam os homossexuais maduros(muitos deles optando pela castidade ou pela vida religiosa), que tivessem suas relações autônomas e com parceiros de preferência idêntica e livre consentimento. Esta condenação, já discutimos dezenas de vezes aqui, a partir das revelações trazidas pela exegese contemporânea, e da teologia inclusiva; foi deturpada pelas adulterações e transcrições (transliterações) homofóbicas da Igreja, e conservada pelos reformadores, e pelos sucedâneos destes, os protestantes autonomeados evangélicos.
Termos que referem-se por exemplo, na versão King James, majoritária para a língua inglesa, a homens violentadores e sedutores, portanto corruptores, foram adulterados: "...Be not deceived: neither fornicators, nor idolaters, nor adulterers, nor effeminate, nor abusers of themselves with mankind,10 Nor thieves, nor covetous, nor drunkards, nor revilers, nor extortioners, shall inherit the kingdom of God".(1a. Corintios 6,10 - http://www.biblia.com.br/biblesearch/). Qual seria pois a tradução honesta? Imparcial, não homofóbica? Homens que abusam de mulheres, homens de costumes torpes, infames, degradantes, ABUSADORES DE SI MESMOS E DA HUMANIDADE (mulheres, crianças, adolescentes)NÃO TENHAM PARTE EM NOSSA COMUNIDADE. Portanto, os pedófilos e abusadores familiares, domésticos, esportivos, eclesiásticos, justamente os que a Igreja sempre quer "salvar".
Mas vejamos como está a tradução homofóbica original do grego, tanto na versão católica quanto na clássica protestante(em lingua portuguesa): NEM EFEMINADOS, NEM SODOMITAS HERDARÃO O REINO DE DEUS. Aliás, o termo da versão em inglês, effeminate, é também já uma adulteração, pois os termos criados pelo presumível Paulo no grego original, são MALAKOI, e ARSENOKOTAI; respectivamente, macios ou melífluos, podendo significar desde enganadores e sedutores (os que por “corpo-mole”, ou desejo de “vida -macia” se deixam seduzir ou corromper; e de outro lado, os que usam da violência, da força ou do dinheiro para obter favores sexuais dos outros.

Esta polaridade duro/mole, viril/andrógino, homem maduro/adolescente; que há em todos os intercâmbios sexuais e entre as diversas diferenças antropológicas das sexualidades, não só hetero como homoafetivas...Foram de modo criminoso e abjeto, reduzidos na tradução homofóbica, a (SIC) ATIVOS E PASSIVOS, numa clara redução dos gêneros a papéis assumidos nas relações. Acredito que este livro revelador, não sem razão proibido pelo Index da Igreja, deve ser obtido a qualquer preço, por todos que ousam aproximar-se da literatura bíblica, e da compreensão do cristianismo original; com mente lúcida e sobretudo com um entendimento honesto, acerca da verdade e da essência contidas nas Escrituras judaico-cristãs. Pelo menos das tentativas de aproximação da verdade, não das mentiras e manipulações que os compiladores e revisores, tradutores (traidores) a serviço da Igreja, e das seitas, por séculos adulteraram e propagaram.
Anônimo disse…
Pouca gente sabe [ principalmente religiosos e católicos ?] mas a ICAR até a decada de 60 , proibia sob pena de excomunhão livros que contivessem qualquer tipo de informação em desacordo com as leis ultra retrogradas da ICAR

INDEX PROIBITORIUM


Sem falar que ao longo de 2000 anos ela queimou , destruiu, excondeu , tuuuuuuuuuudo qto é texto que continha informações contrarias a sua religião....com a desculpa que eram escritas feitas pelo CAPETA.....
Anônimo disse…
Se eu tenho uma editora de esquerda que tenha apoio sei lá, do PT, e começo a publicar livros falando das maravilhas do capitalismo liberal, é óbvio que o partido vai dizer para eu não publicar aquilo e que se eu continuar publicando esse tipo de coisa eles vão cortar o apoio à mim.
Izaque Bastos disse…
procurar adaptar as escrituras ao seu belprazer é de interesse daqueles que querem ver seus pecados respaldados pelos textos sagrados, indo alem do macho e femea.
o que se coloca como discriminaçao é em sí uma discrinaçao ao proximo que se opoe, ao que ele , no direito dele pode expressar, nao podemos querer que a biblia referende o erro, quando Paulo fala que é bom que o homem nao toque me mulher, ele diz em respeito aqueles que queria se dedicar a obra missionaria, o proprio contexto do texto ora citado diz isso, qurer deturpar o contexto do que esta escrito é escroto e mal intencionado.
Se a moral não é objetiva, imagina os dogmas religiosos, Izaque.

Não é a toa que tem uma congregação em cada esquina. Cada um a interpreta de um jeito diferente, e isso só quando lhes convém.

Deixa de ser ingênuo, Izaque. Ou você acha mesmo que a bíblia que você lê é a mesma de, sei lá, uns 500 anos atrás? Que a bíblia do católico é a mesma da bíblia do protestante?
Anônimo disse…
Luan, essa tese de que a Bíblia foi sendo alterada ao longo do tempo é muito fudida. Não havia logística para isso e estaríamos encontrando uma série de versões diferentes. O que ocorre são variações nas traduções que levam a divergências entre as diversas congregações.
Então porque o antigo papa, de uma hora para outra, declarou que o "limbo" não existia mais?

Não estou nem falando da bíblia (apesar dela ter surgido a partir de um franskenstein de livros antigos escritos por uns místicos do Oriente Médio) estou falando dos dogmas em geral/
Anônimo disse…
Porque todos esses "papas" pós Pio XII falam tanta merda que é de se duvidar que eles sejam católicos.

Noviço
Por que? Católico está proibido de falar merda? Aqui no blog tem um monte desses exemplos que faz da boca cavidade anal.
Anônimo disse…
Eles falam merda no sentido teológico do termo, e não no sentiduo humano.
Yuri S. C. disse…
Ora Paulo, convenhamos.
Aqui sempre foi lotado de anônimos fazendo orgia nos comentários.
O que falta é decência sua em coibir esse tipo de comentarista.
Paulo Lopes disse…
Falta de decência? Foi isso mesmo que você quis dizer, Yuri?
Yuri S. C. disse…
Sim, exatamente isso.
Quer que eu escreva novamente?
Paulo Lopes disse…
Yuri, por que essa belicosidade? Aonde você quer chegar?
Yuri S. C. disse…
Não sei exatamente aonde eu vou.
Quem sabe refazendo o caminho: um anônimo, coisa pra lá de comum neste blog, faz um comentário.
Na resposta que você acusa o anônimo (coisa pra lá de comum neste blog) de ser o luciano.
Criar fantasmas é pra lá de fácil.
Quantos leitores o Luciano possui que podem ter acessado o link para este post, copiado e colado o comentário, fazendo valer do anonimato?
E aí você reclama de falta de hombridade por parte de um anônimo, coisa pra lá de comum no blog.
Ainda que fosse o Luciano: comentar como anonimo é um direito que voce cede a ele e a qualquer outro; mas depois vem com acusaçoes SEM QUALQUER TIPO DE PROVAS, apenas palpite ou desejo, de que falta hombridade ao anônimo suposto Luciano?
É rir para não chorar!
Isso sem dizer (e já dizendo) o quanto é notório a grande colaboração que seu blog recebe dos anônimos, em sua maioria edificante a todos. (ironia, ok?)
Paulo Lopes disse…
Yuri, veja só como você é incoerente: primeiro critica o blog porque está "lotado de anônimos" e, depois, sai em defesa de um.... anônimo.

Deste jeito, não dá para lhe levar a sério.

Eu não costumo responder a anônimo e, nesse caso, fiz uma exceção, da qual, aliás, me arrependo porque não merece a minha atenção por ser irrelevante.

Cara, tente ser um pouco coerente para não se estressar tanto. Por exemplo: se este blog lhe desagrada, não apareça mais aqui e procure a sua turma.

Não lhe parece sensato?
cotrim disse…
só que o Paulo Lopes nunca disse que o anônimo era o Luciano,disse apenas que era provável ja que ele esta se beneficiando com com a divulgação do seu blog.
Paulo Lopes disse…
É isso aí, Cotrim.
Anônimo disse…
Renato, colo aqui a resposta do Pau Lopes :)

Tratou-se, sim, de uma censura porque o autor do livro cedeu seus direitos à editora. Como ela não vai mais publicar o livro, o que houve foi um veto religioso. Não é preciso ter QI alto para entender isso.

Título da mesma notícia que saiu no jornal espanhol “neo ateu” (ah, ah, ah) El País: “El Vaticano CENSURA un libro sobre la “diversidad familiar”, em http://sociedad.elpais.com/sociedad/2012/01/09/actualidad/1326114589_077173.html.

Quanto ao resto do comentário acima, trata-se de um blablablá raivoso e inconsistente. Fala de distorções e manipulações, mas não as aponta.

O comentário provavelmente foi postado aqui pelo seu autor, o tal de Luciano, que, se esse for o caso, deveria ter um mínimo de hombridade e assumir o que pensa.

O sujeito realmente é desonesto, e ele tem ciência disso.

Tanto que ele citou a fonte original, o jornal El País, que é um jornal SOCIAL DEMOCRATA. Ora, jornais de esquerda são anti-religião, portanto ele no máximo endossa a mentira dos outros.

Aliás, como será que o Paulopes identifica “raiva” nos adversários? Será que ele faz leitura mental? Nota-se o ceticismo dele rs…

A Igreja Católica realmente não vai publicar o livro, e está correta nisso, pois o livro vai contra os ideais da Igreja Católica. Mas não configura censura pública.

O mais engraçado é que a notícia afirma que o autor “não sabe se pode publicar o livro por outra editora”. Ora, se nem o autor sabe, como é que o neo ateu SABE que o autor está PROIBIDO de publicar o livro por outra editora? rs.

Na verdade, não sabem, o El País inventou a mentirinha reconfortante, e o Paulopes endossou, portanto validando tudo o que escrevi.

E, perdendo completamente a classe (depois que o desmascarei, claro), Paulopes inventou que eu postei no blog dele.

Eu faço o desafio público: prove que o post Anônimo em seu blog foi feito por mim. Espero que Paulopes tenha o mínimo de hombridade de levar esse desafio à frente.

Eu particularmente duvido.

Aviso ao Paulopes: investigarei mais posts e revelarei mais mentiras, portanto prepare-se que teremos muitas diversões pela frente.

http://lucianoayan.com.br/2012/01/14/blog-neo-ateu-pratica-mais-uma-calunia-e-difamacao-contra-a-igreja-catolica/#comments

Renato
cotrim disse…
So que em que momento o Paulo Lopes afirma que o autor estava proibido de publicar o livro em outra editora?,disse apenas que ele teria dificuldades ja que a editora catolica ainda não cedeu os direitos autoras.

Ayan chamou Paulo Lopes de desonesto porque não considera o ato da editora catolica como cencura.Eu mostrei a ele usando o dicionario que esse ato pode ser sim considerado censura.Da uma olhada na caixa de comentarios.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao