MP quer que prefeito explique uso de estádio para atividade religiosa

O MP (Ministério Público) deu prazo de 15 dias ao prefeito Gilberto Kassab (PSD), de São Paulo, para que explique o empréstimo à Assembleia de Deus do estádio Pacaembu, onde na terça-feira (15) houve a festa do centenário da denominação. Uma decisão judicial de 2009 proíbe que ali haja atividades não esportivas.

Promotor Lopes
ameaça ir à Justiça
Entre as autoridades presente ao evento estava o próprio prefeito, além do governador Geraldo Alckmin (PSDB), de São Paulo, e do ministro Gilberto Carvalho (PT), representando a presidente Dilma.

O promotor Maurício Antônio Ribeiro Lopes (foto), da Habitação, disse que, após o prazo, decidirá se vai mover ações contra Kassab por improbidade administrativa e desobediência judicial.

“A última coisa que um promotor espera é o descumprimento da ordem judicial”, disse Lopes à Band. “Vou aguardar o resultado da medição do ruído emitido no evento para juntar nas ações.”

Dependendo do laudo do nível de ruído, a associação dos moradores do bairro do Pacaembu também poderá recorrer à Justiça.

Governantes prestam reverência ao centenário da Assembleia de Deus.
novembro de 2011

Religião na política.    Religião no Estado laico.

Comentários

  1. Se não tiver estádio como fica a manutenção do gado?

    ResponderExcluir
  2. Duvido que vá para a frente, daqui a pouco pagam as pessoas certas e o assunto morre.

    ResponderExcluir
  3. Crime, Política e religião de mãos dadas, que coisa linda...

    ResponderExcluir
  4. .

    Duvido que vá para a frente, daqui a pouco pagam as pessoas certas e o assunto morre.

    ----

    Provavelmente eles JÀ PADAGARM as pessoas certas.

    Como tudo o que é absurdo nesse país, isso não vai dar em nada.

    Aqui no Brasil é assim: pagou, levou.

    Simples assim.

    .

    ResponderExcluir
  5. Anônimo11/18/2011

    Tanta coisa pra ser proibida!!!... Aínda bem que "DEUS" é misericordioso...

    ResponderExcluir
  6. Anônimo11/18/2011

    Não vai dar em nada!!.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo11/19/2011

    é isso ai promotor, acaba com esta festa de ratos.

    ResponderExcluir
  8. Preparem-se porque a picaretagem "religiosa" vai infestar as eleições 2012!

    ResponderExcluir
  9. Anônimo11/19/2011

    Tem que comprar pasto mesmo, afinal um pastor tem que alimentar suas ovelhas, concordam? [Modo Ironia ON]

    ResponderExcluir
  10. Mariano - Sacerdote do Deus Altíssimo12/07/2011

    Eita, é um blá blá blá danado. Que mal isso gera?
    Afinal o Estádio não é um bem público? não é custeado com o dinheiro público? A CF/88 não autoriza o direito de reunião em espaços públicos?
    Ou vcs não estão lendo na mesma cartilha que eu?
    Quantas coisas importante para vcs se levantarem em defesa e ficam se levantando contras as coisas de Deus.
    Desse evento, quantos feridos sairam? E das partidas de futebol quantos não saem feridos?
    Será que não seriam os jogos de futebol os mais indicados à não existirem nos bens públicos ou vcs concordam que o Estado gaste rios de Dinheiro para coisas futeis e inuteis como futebol?
    De uma coisa eu tenho certeza, aliás, de duas:
    A Deus cabe à vingança de todos esses levante contra sua obra e que esse Promotor por não ter bagagem e cultura jurídica lançou-se numa arriscada aventura na qual busca os holofotes da mídia.
    Tenha temor a Deus Sr. Promotor, Ele não só mata como lança sua alma no inferno.

    ResponderExcluir
  11. VERDADEIRO3/22/2013

    PROMOTOR NOJENTO!

    Aposto que ele nunca entrou com ação por haver shows de rock heavy metall ou semelhantes no Pacaembu, onde são necessários centenas de policiais militares, para fazer a segurança de bêbados e outros drogados!

    PROMOTOR ATRÁS DE HOLOFOTES!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Pastor afirma que 'mendigos têm dever bíblico de passar fome'

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Nos EUA, críticos da pseudociência processam fabricante de homeopatia