Pular para o conteúdo principal

Terreno da nova sede da Mundial em SP deve R$ 1,53 milhão de IPTU

Kassab e Santiago: troca de favores
A IMPD (Igreja Mundial do Poder de Deus) está construindo sua nova sede, na cidade de São Paulo, em um terreno com dívida de R$ 1,53 milhão de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), que corresponde de 2002 a 2006 e 2009. A informação é do jornal O Estado de S.Paulo. 

Não se sabe por que Valdemiro Santiago, o fundador da igreja, ainda não quitou a dívida, porque dinheiro não lhe falta, considerando que tem feito proposta milionária ao SBT para ocupar o horário da madrugada da emissora. De acordo com a Folha.com, a proposta mais recente – que teria sido aceita – foi de R$ 300 milhões por um ano.

O terreno fica no bairro de Santo Amaro, na zona sul da cidade. A rigor, a Mundial não poderia estar ali levantando a sua nova sede porque a construção impede o prolongamento previsto em lei de uma rua, a Bugres.

A existência da dívida reforça a suspeita de que o prefeito Gilberto Kassab (sem partido) esteja favorecendo Valdemiro Santiago em troca de apoio político.

Em maio, quando já tinha sido iniciada a construção da sede da Mundial, Kassab enviou à Câmara Municipal um projeto de lei que, se aprovado, desobriga a prefeitura de esticar a rua. A justificativa do feito é de que “efetivamente é uma rua desnecessária”, com o que os moradores da região não concordam.

A promotora Cinthia Gonçalves Pereira, de Habitação e Urbanismo do MPE (Ministério Público Estadual), enviou no dia 28 de julho à prefeitura um pedido de explicação para a dívida não paga.

Dependendo das alegações de Kassab, o MPE poderá abrir um inquérito e pedir à Justiça o embargo da construção.

A Igreja Mundial não se manifesta sobre a obstrução da rua nem sobre o calote do IPTU.

Igreja Mundial constrói sede em área planejada para ser rua.
julho de 2011

Mundial aceita pagar R$ 300 milhões por ano pelas madrugadas do SBT
julho de 2011

Isto é Valdemiro Santiago.      Religião na política

Comentários

Anônimo disse…
Não vai pagar e vai ficar nisso mesmo; quer apostar?
Igrejas não pagam IPTU.........
Paulo Lopes disse…
As igrejas têm isenção de impostos federais, como o de renda. Algumas cidades concedem o benefício em relação ao IPTU, mas não São Paulo.
Anônimo disse…
com esse prefeitinho querendo montar um partido, toda regra tem uma exceção!!!! afinal vale tudo...
Headbanger Ateu disse…
Na prática, igrejas não pagam impostos. Os religiosos são melhores que as pessoas que efetivamente trabalham. Afinal, a regra no Brasil é ser religioso. Alguns dos diversos benefícios sociais direcionados a classe religiosa: isenção de impostos, dispensa do SMI (Serviço Militar Inicial), enriquecimento por meio do dízimo, criação de marchas pró-preconceito, apoio presidencial, dentre outros.

Ser evangélico no Brasil é eufemismo para ser pilantra.
Anônimo disse…
É um absurdo inaceitável!!
cris disse…
Não entendo uma coisa: igrejas possuem imunidade constitucional para impostos sobre a renda, patrimônio e serviços. IPTU é um imposto sobre patrimônio e portanto a igreja está imune quanto ao pagamento deste imposto. Não cabe ao município decidir se vai conceder isso ou não.
O que cabe ao município decidir é se dará isenção caso a igreja alugue um imóvel de terceiro para suas atividades. É neste caso que a prefeitura pode isentar na cobrança do IPTU.
Se a igreja está construindo significa que ela é a proprietária do imóvel e portanto faz jus a imunidade dada pela Constituição Federal.
Logo, não há que se falar em pagamento de IPTU atrasado já que ela não deve isso.
Só há de se falar em pagamento atrasado caso o imóvel não esteja no nome da igreja.
Faltam dados nesta reportagem.
Anônimo disse…
Se a lei do município está sendo inconstitucional em casos como esse, o prefeito nada pode fazer.A lei municipal manda cobrar, mas a constituição federal isenta a instituição da cobrança.Logo a cobraça é ilegal.Assim sendo para acabar com essa imoralidade teriam que fazer uma emenda constitucional alterando essa POUCA VERGONHA!Eles não são céleres para fazer emendas quando se trata de ¨garfar¨a população,por que seriam benevolentes com essa corja isentando-os de tributos que todo mundo paga?
Deus é Fiel disse…
Headbanger...

Aprenda Direito Tributário para depois fazer qualquer questionamento em relaão a este ou aquele grupo de pessoas.

Vai uma dica, evangélico não tem imunidade ok.

Imunidade está esculpida no Art 150 da constituição Federal.
Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça;

II - instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, títulos ou direitos;

VI - instituir impostos sobre:

a) patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros;

b) templos de qualquer culto;

c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;

Seja ao menos coerente em seus comentários ok, a imunidade não é para evangélicos, é para qualquer tipo de religião, inclusive a sua.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao