Livro mostra semelhanças entre Jesus e Harry Potter


Jesus Potter

Ele é do bem e foi morto por seus inimigos em um ritual de sacrifício, mas ressuscitou para salvar o mundo porque, afinal, a luz sempre vence as trevas, conforme se acredita. Ele é Jesus Cristo, que possui milhões de seguidores, mas também pode ser Harry Potter, que tem tantos devotos quanto o cristianismo.

O livro "Jesus Potter, Harry Christ” mostra semelhanças como essas entre o Jesus literário e o personagem da saga da escritora britânica J.K. Rowling.

O ateu Derek Murphy, autor do livro, destacou que a maior semelhança, a mãe de todas as demais, é que Cristo e Potter são construções literárias, ficção.

Em entrevista, Murphy apontou uma ironia: quando o primeiro livro de Potter se tornou best-seller, a Igreja Católica acusou Rowling de estar incutindo nos jovens a feitiçaria e o satanismo, mas o próprio cristianismo bebeu nessas fontes.


Críticos literários escreveram em tom de brincadeira que os cristãos deveriam ir à Justiça contra Rowling por plágio: a morte e a ressurreição de Potter lembram as de Jesus.

Mas Murphy, no livro, escreveu que o cristianismo já tem muito de plagio em sua formação porque se inspirou em mitos pagãos como Isis, Sarapis, Hórus e Apolo. “Jesus é um amálgama dos melhores mitos”, disse.

O livro acaba sendo na verdade – avisaram os editores -- não uma comparação entre dois personagens, mas um relato da história da cristandade, apontando, por exemplo, os empréstimos que a crença fez da mitologia e do simbolismo esotérico.

Murphy é um ex-seminarista de Portland, Oregon (EUA). Estudou teologia, filosofia e línguas clássicas. Seus editores informaram que a paixão dele pela história religiosa o levou a mais de 30 países, onde participou de rituais e teve contatos com padre, monges, xamãs e curandeiros.

Como era de se esperar, cristãos acusam o livro de ser uma blasfêmia, mas nele, a rigor, não há nada que já não tenha sido publicado em uma farta literatura e ensaios sobre o tema.

O que talvez esteja incomodando os religiosos, além do oportunismo do lançamento do livro junto com o fim da saga, seja o tom provocador de Murphy. Ele vem dizendo, por exemplo, não entender como um personagem de ficção como Jesus Cristo possa ser levado a sério,  como se fosse histórico.

Com informação das agências.


Autora de Harry Potter diz que tem sido intimidada por cristãos

Justiça na Rússia proíbe pintura que retrata Jesus como Mickey

Deputado evangélico acusa Mickey de ser homossexual




Mãe evangélica alerta que Galinha Pintadinha é diabólica

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.