Pular para o conteúdo principal

Pastor-deputado quer criar o cargo de capelão parlamentar

Silas Câmara
Câmara disse que o objetivo é dar
assistência espiritual aos deputados
O deputado Silas Câmara (foto), do PSC-AM, apresentou proposta para a criação do cargo de capelão parlamentar com o propósito de dar assistência espiritual e religiosa aos deputados.

Câmara é empresário e pastor da Assembleia de Deus. Sua filha e seu irmão têm emissoras de rádio no Acre e no Pará. Ele é casado com a deputada Antônia Lúcia Câmara (PSC-AC).

De acordo com o PR (Projeto de Resolução) 44/2011, de autoria de Câmara, a figura de capelão parlamentar não implicará despesas porque será uma função sem remuneração. Estabelece que caberá ao presidente da Câmara designar o capelão parlamentar a cada início de sessão, de acordo com as sugestões dos partidos.

Câmara responde a um inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) sob a acusação de embolsar o salário dos funcionários do seu gabinete. No TRF (Tribunal Regional Federal) do Amazonas, é réu em um processo movido pelo Ministério Público por improbidade administrativa.  No TRE (Tribunal Regional Eleitoral) responde a três processos -- um por ilegalidade em campanha eleitoral e dois por abuso de poder.

Lúcia  seria chefe
de uma quadrilha
Em janeiro deste ano, o MPF (Ministério Público Federal) denunciou (acusação formal) Antônia Lúcia (foto) por ser a coordenadora de uma quadrilha que usava recursos da Rádio e TV Boas Novas na sua campanha eleitoral e na do marido. De acordo com o órgão, ela instruía pastores a obrigar que os fiéis votassem nos candidatos do PSC (Partido Social Cristão).

Em setembro do ano passado, a Polícia Federal prendeu no Acre os dois filhos do casal quando transportavam em uma caixa de papelão R$ 472 mil. Pela acusação da PF, tratava-se do caixa 2 de campanha eleitoral. Antonia disse na época que o dinheiro era das emissoras da família.

Dinheiro de origem desconhecida
Com informação da Câmara dos Deputados, do site A Crítica e da Transparência Brasil.


Comentários

Anônimo disse…
Capelão parlamentar? Isso só pode ser piada! Esse deputado só pode estar brincando. É lamentável ter pessoas assim no poder.
Anônimo disse…
Como um cara sujo como esse pode ter um mandato de deputado faderal?Só podia ter sido eleito com votos de crentes.Não é por nada não mas estou começando a pensar como um leitor daqui do blog que sempre fala: ser crente é assinar atestado d burrice!
SATANÁS disse…
mais uma ideia estúpida de mais um DEPUGÉLICO bitolado e ladrão. o congresso é para servir ao povo ou a essas misérias? evangélicos= NAZISTAS!!!!
MILENA disse…
Todo evangélhico é um erro,criado por maldito Martin Lutero.Estão todos em uma religião errada...estão em seitas demoníacas!!
Anônimo disse…
Vao orar para o deus Mammon... !!

É o deus favorito dos evangelicos.
Headbanger Ateu disse…
Capelão parlamentar?

Certamente desconhece o art. 19 incisos I e III.


Enfim, mais um deputado propineiro que não deve seguir adiante com tal disparate de lei. O Brasil não é teocracia.
Eliabe Rodrigues disse…
Que loucura!
Falo dos comentários logo acima do meu.
Estão falando algumas coisas certas da maneira errada.
Anônimo disse…
ermauns horemus parah qe noço amadu irmaum se torni capetão ops.. capelaum pralamenta!1!1!111!

amein
Vergonha para nós amazonenses termos um cidadão desta "qualidade" como parlamentar. Um corrupto envolto na "aura de santidade" conferida pelos fiéis a pastores e afins. Lamentável.
Anônimo disse…
O cara tem até sobrenome de político, kkkk. A corrupção desse vem de berço, e seu legado vai passando de geração.


Bando de parasitas malditos.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao