Pular para o conteúdo principal

Muçulmano nega que atirador fosse frequentador de mesquitas

da Agência Brasil

O presidente da União Nacional das Entidades Islâmicas do Brasil, Jamel El Bacha, negou hoje (7) que o atirador Wellington Menezes de Oliveira, 23, que atacou estudantes e funcionários de uma escola municipal no Rio de Janeiro, tenha vínculos com a representação e a religião muçulmana. Em nota oficial, a entidade condenou o crime e chamou o ato de “insano e inexplicável”.

“[Em relação às informações sobre] uma possível vinculação desse cidadão com a religião islâmica, depois desmentidas [por pessoas próximas a Oliveira], reafirmamos que ele não é muçulmano e não tem qualquer vínculo com as mesquitas e sociedades beneficentes mantidas pela comunidade em todo o Brasil”, diz a nota oficial.

Citando o livro sagrado do islamismo, o Alcorão, o presidente afirmou que a os “princípios do Islã” pregam a conduta pacífica de seus adeptos e exigem dos seguidores uma “postura absolutamente diversa à que algumas pessoas querem de forma precipitada atribuir à religião e a seus adeptos”.

“Quem tirar a vida de uma pessoa inocente é como se tivesse assassinado toda a humanidade, diz o Alcorão Sagrado”, informa a nota. “Estamos direcionando todas as nossas orações para as vítimas desse brutal ato de violência contra inocentes crianças e para os seus familiares.”

Na manhã de hoje o ex-estudante da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste do Rio, chegou ao colégio e apresentou-se como palestrante. Em seguida, Oliveira seguiu em direção aos primeiros andares do prédio principal e saiu atirando contra estudantes e funcionários. Os últimos dados indicam 11 mortos e 17 feridos.

Carta do atirador pede que só os puros toquem no corpo dele.
abril de 2011

Caso do atirador do Realengo.   > Violência na escola.   > Fanatismo.

Comentários

  1. A verdade aparecerá em breve.Por que ele falou das mãos impúras?Abaixo trecho do Alcorão, que o sr.Jamel, não comenta.Ele deveria falar sobre
    a guerra santa , os homens bomba, os pastores e padres assassinados e os templos de outras religiões queimados.


    Sura 2:191 - Matai-os onde quer que os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram, porque a perseguição é mais grave do que o homicídio. Não os combatais nas cercanias da Mesquita Sagrada, a menos que vos ataquem. Mas, se ali vos combaterem, matai-os. Tal será o castigo dos incrédulos.

    Sura 4:91...capturai-os e matai-os, onde quer que os acheis, porque sobre isto vos concedemos autoridade absoluta.

    Sura 40:25 - Matai os filhos varões daqueles que, com ele, crêem, e deixai com vida as suas mulheres! Porém, a conspiração dos incrédulos do improfícua.

    Sura 9 - 111.Deus cobrará dos fiéis o sacrifício de seus bens e pessoas, em troca do Paraíso. Combaterão pela causa de Deus, matarão e serão mortos. É uma promessa infalível, que está registrada na Tora, no Evangelho e no Alcorão. E quem é mais fiel à sua promessa do que Deus? Regozijai-vos, pois, a troca que haveis feito com Ele. Tal é o magnífico benefício.

    Sura 9:5;29 - Mas quanto os meses sagrados houverem transcorrido, matai os idólatras(564), onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os... Combatei aqueles que não crêem em Deus e no Dia do Juízo Final, nem abstêm do que Deus e Seu Mensageiro proibiram, e nem professam a verdadeira religião...

    ResponderExcluir
  2. Os mulçumanos não são flor que se cheire mas é uma safadeza querer responsabilizar a religião deles por crimes de cristãos fanáticos.Será que só adeptos do islamismo cometem crimes hediondos?!!/Não!!!!,evidente que não...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

No Brasil, mulher que não crê em Deus é submetida à opressão em dobro

Cobrado por aluguel de templo, Valdemiro diz não ter contrato social com a Igreja Mundial

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade