Reportagem sobre dízimo da Universal não é difamatória, diz Justiça

A juíza Maria Umbelina Zorzetti, da 12ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça de Goiás, rejeitou a queixa-crime da Igreja Universal do Reino de Deus, que considerou difamatória a reportagem do “Fieis dão R$ 110 milhões de dízimo por ano”, do Popular.

Em 31 de julho de 2007, o jornal publicou uma longa reportagem de Vinícius Jorge Sassine sobre religiões. Um dos textos era sobre o dízimo da Universal, cuja base de informação foi levantamento de dados da FGV e do IBGE.

No entendimento da juíza, não houve nenhuma intenção difamatória.

“Extrai-se do texto que a intenção do querelado [o jornalista] foi somente de narrar os acontecimentos ocorridos em várias denominações, como, por exemplo, Assembleia de Deus, Deus é Amor, Sara Nossa Terra e outras.”

A Igreja Universal poderá recorrer da decisão.

Com informação do Tribunal de Justiça de Goiás.

por Vinicíus Jorge Sassine, em julho de 2007

Comentários

Tenho a impressão de que a Universal recorre à Justiça contra jornais já sabendo que, em muitos casos, terá sentença desfavorável, mas o seu objetivo, independente da decisão judicial, é intimidar os jornalistas.

No caso de O Popular, por exemplo, o jornal não publicou outro texto aprofundado sobre dízimo desde a reportagem de 2007, salvo engano meu.

É isso que a igreja de Edir Macedo quer.
Milena Caldas disse…
Concordo contigo Paulo.Na minha opinião a dita igreja universal é uma organização criminosa formada inicialmente por malandros cariocas que depois admitiram traficantes e bandidos de todas as espécies que utilizam técnicas de extorção e estelionato para tirar dinheiro de npessoas fragilizadas por tragédias humanas.O chefe do bando já ameaçou até a polícia federal no aeroporto.No governo são muitos políticos membros da gang que trocam apoio político por propaganda governamental na Record.O estranho é que existem muitos inquéritos em andamento, inclusive aquele em que um ex-laranja foi assassinado,mas não vemos os tais bispos depondo?