Pular para o conteúdo principal

Dilma perde intenção de voto de ateus e Serra ganha, diz Datafolha

Pesquisa divulgada no sábado (16) pelo Datafolha indica que a perda maior de intenção de votos da candidata governista Dilma Rousseff ocorreu entre os ateus. Esses eleitores (ou parte deles) teriam decidido votar no tucano José Serra no segundo turno.

Entre os descrentes, Serra teria obtido cinco pontos percentuais. Igual ganho teria registrado a favor do candidato do PSDB entre os espíritas.

A desistência de ateus da candidatura da petista teria ocorrido por causa da repetina conversão de Dilma à religião.

Até então ela se mantinha dúbia sobre a sua religiosidade: ora dizia que acreditava em Deus e ora falava que tinha dúvidas. Quando pastores e padres criticaram a candidata por causa do programa do PT que prevê a legalização do aborto e da união de homossexuais, Dilma se aproximou dos religiosos, batizou um neto e disse ser devota ardorosa de Nossa Senhora.

Serra também direcionou seu discurso para agradar os religiosos e o PSDB distribuiu santinho com a foto do candidato com a frase "Jesus é a verdade e a justiça". Mas o tucano não pode ser acusado de ter mudado de opinião por causa das eleições porque sempre se disse católico.

Os ateus representam 7% do eleitorado, segundo a Datafolha.

Entre os católicos, até aquela data, a intenção de voto dos dois candidatos continuou praticamente a mesma. Dilma detinha 51%  e Serra, 38%.

Com informação do Valor.

> Ateus criticam Serra pela exploração da religiosidade.
outubro de 2010

> Ateísmo.   > Religião no Estado laico.   > Religião na política.

Comentários

Anônimo disse…
7% do eleitorado é ateu!!! Temos mais força do que imaginava!

Apesar de se aliar com os religiosos, continuo meu voto na Dilma. Acho que na prática os dois são vendidos neste aspecto. Serra também não é tão religioso quanto se diz ser.
Anônimo disse…
Bizarro isso, por que a possível atéia está tentando ganhar votos dos religiosos, os ateus se alinham com o cara com a postura mais conservadora, religiosa e careta da campanha?
R.Ramos disse…
A expressão "possível atéia" é de dor. Pois quem não tem coragem de assumir a sua descrença, enganando o povo, não merece ser eleita. Se há dúvida sobre a (não) religiosidade de Dilma, uma coisa é certa: ela e o seu partido são os mais corruptos.
vilma disse…
Dilma presidente a mais competente,sou evangélica e voto em Dilma mae e avó,prescisamos ter a primeira mulher BRASILEIRA eleita,pois a melhor governata e´a dona de casa que administra o salario do marido as vezes um minimo e consegue colocar comida na mesa viva nós mulheres guerreiras e BRASLILEIRAS.
Nomad disse…
Realmente não acredito que os ateus representem 7% do eleitorado. Ainda mais vindo da Folha. E ainda mais 1 dia após a maior Associação de ateus do Brasil enviar uma carta aberta contra o Serra.
Anônimo disse…
Não está certa essa notícia, ateus não votam por opção religiosa, mas por quem se coaduna com um estado laico, onde a religião não se possa imiscuir, além do muito que já faz, em assuntos públicos. E este tipo de estado não pode se efetivar numa ditadura comandada por bispos de são paulo, tvs xiitas como aquela do padre andrei sucker, nem daquele bispolitiqueiro da paraíba, pagoto...tudo carteirinha do psdb.
Anônimo disse…
Duvi-de-o-do...nós é ateu mas não é burro, é Dilma 13!
Anônimo disse…
Sou mulher, sou brasileira, mais nao assinei nenhuma procuração pra ninguem falar em meu nome, que o Brasil, merece ser governado por uma mulher, eu concordo, mais nao por uma pessoa, que trocou de marido quem nem troca de roupa, que aceita que o filho (subordinado) roube debaixo do seu nariz, e ainda diz que não sabia de nada. Eu acredito que a mae defenda seu filhos com unhas e dentes e que tente educa-los da melhor maneira, ate mesmo os bandidos tem mae, mais acredito que a mae destes bandidos nao concorde e se envengonhe do que os filhos faz. Elas nao deixa de ama-los, mais acima de tudo a mães brasileiras não concorda com injustiça, quem nao se lembra da mae que bateu no seu filho menor dentro da delegacia de policia em londrina, e de tantas outras maes que lutam pra criar seu filhos dignos, mais nem todas conseguem, mais eu duvido que a mae acoberta os crimes dos seus filhos. O que a Dilma fez foi isto, passou a mao na cabeca do ze dirceu, da erenice ate mesmo do burro do nosso presidente que nem sabe falar, que pegou o programa dos tucanos e so mudou de nome. me arrependo amargamente de te votado neste presidente depois de ver que ele sempre é o ultimo a saber o que acontece na sala ao lado...
a dona de casa realmente sabe administrar o salario do marido, cuidar da casa, dos filhos, e sempre tem tempo pra saber das fofocas da vizinhas, nao é possivel que a Dilma nao seja como todas as outras mulheres. ou será que por estar a tanto tempo sem marido ela é uma sapatao que assim que assumir vai aprovar a lei do casamento entre homossexual....
pense nisso brasil....
e Marina silva, volte na proxima vez com mais força que vc ganha....
Anônimo disse…
Também sou mulher e voto em Dilma porque ela é corajosa, eu sou corajosa e admiro mulheres como eu , corajosas. Dilma não tem medo de nenhum desses coronéis da direita, ela que no passado enfrentou os generais. É muito cômodo sentar-se defronte a um computador, com todas as facilidades que hoje no Brasil temos em matéria de informação, e escrever sandices pseudolibertárias e anárquicas...Agora, sair de sua casa, da proteção, da segurança do lar, da família ajustada e carinhosa, no seio dos familiares, e LUTAR bravamente pela libertação nacional, não é fácil!; ainda mais como Dilma fez, rompendo barreiras grandiosas, insuperáveis, em comparação de hoje, onde tudo já está praticamente feito. Quanto aos preconceitos homofóbicos, como também a PAUPEROFOBIA, que é a base de todos, como a da comentadora semianalfa de acima, Dilma também vai dar continuidade à luta do presidente para reduzir o apartheid na educação. Mais enem, mais prouni, mais jovens na universidade, se graduando, para que nas futuras gerações não tenhamos a autorejeição e autodestruição como a da pobre alienada de acima, tão violentada pelo opressor que assume ares de burguesa, e aristocrata, quando está na cara que é uma lisa, uma revoltada, uma desiludida com as políticas educacionais elitistas, que não permitiram-na se esclarecer nem educar.
Anônimo disse…
Sou ateu, de onde vc viu que somos 7% do eleitorado?? Que eu saiba, 7% não tem reliigão, não ter religião não implica no ateísmo, já ouviu falar de deísmo? pandeísmo? agnosticismo? Posso citar vários outros.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao