Pular para o conteúdo principal

Ateus criticam Serra pela exploração da religiosidade

A Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) está solicitando aos seus afiliados e simpatizantes  que enviem à imprensa uma longa e veemente carta dirigida a José Serra, candidato à Presidência pelo PSDB, repudiando a “exploração da religiosidade popular com fins pessoais e eleitoreiros”.

A entidade acusa o candidato de manifestar discriminação contra os ateus quando afirmou, em uma emissora de tv católica, achar “bom que o presidente da República acredite em Deus”. "Não há outra palavra para esse tipo de opinião, Serra: preconceito.”

A Atea também não gostou da afirmação do tucano segundo a qual “todas as doutrinas convergem naquilo que é o essencial: que Jesus é a verdade e a justiça”.

A entidade entende que Serra, em seu discurso, privilegia os cristãos em prejuízo dos devotos de outras crenças, como os muçulmanos, judeus, hinduístas, além dos ateus e agnósticos.

A influência religiosa nestas eleições -- com a pregação contra a legalização do aborto e da união gay -- tem sido de uma abrangência sem precedente.

Com algumas exceções, entre as quais a Igreja Universal do Reino de Deus, evangélicos e católicos se uniram contra a candidata governista Dilma Rousseff cujo programa do partido prevê a liberação do aborto e a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Serra, o segundo colocado nas pesquisas, tem procurado capitalizar essa “cruzada santa”. A Atea, em sua carta, lembra a Serra que o Estado é laico e que o poder “não emana de qualquer religião ou ideia religiosa”.

Embora Dilma, na defensiva, tenha falado muito em religião nos últimos dias, inclusive firmando pacto com pastores aliados, ela foi poupada pela Atea.

Com informação da Atea.


> Ateísmo.    > Religião no Estado laico.   > Religião na política.

Comentários

Pedro Lobo disse…
A entidade entende que Serra, em seu discurso, privilegia os cristãos em prejuízo dos devotos de outras crenças, como os muçulmanos, judeus, hinduístas, além dos ateus e agnósticos.

Estranho: ateus se colocando como representantes de crenças que teriam sido desprezadas pelo candidato Serra.

Deste jeito, não dá para levar a sério esse pessoal.
Nomad disse…
Pedro Lobo,

Entendo a posição da Atea. Ela simplesmente não quis colocar os ateus como únicas vítimas dos comentários do Serra.

Eu, como ateu e associado da Atea, prefiro uma postura dessa, de respeito mútuo. Afinal, não é por que discordamos em algumas idéias que temos de ser a favor da falta de respeito para quem pensa diferente.
Anônimo disse…
não é por nada mas a Dilma também está fazendo uso da religião, ou ir conhecer o santuário de Nossa Senhora Aparecida, ser gravada em uma missa entre outros.
ambos estão utilizando da religião de maneira errada.
Anônimo disse…
Pois é: ambos estão fazendo uso indevido da religião, mas a Ateia só se preocupou em criticar o Serra.
Anônimo disse…
Uai, por que a Dilminha foi poupada pela Atea? Brincadeira, não?
Guilherme disse…
A Dilma não colocou em sua propaganda política que deseja governar com "valores cristãos". Todo mundo sabe que a Dilma joga o jogo dos teístas, quando se traveste de religiosa, já que no Brasil, infelizmente, a religião influencia no voto das pessoas.
Anônimo disse…
.I.
Religião significa religar, e segundo Hegel, a separação ocorre no momento em que o homem sai do estado de natureza, e entra no mundo da cultura, do artifício; onde regras, convenções, e arbítrio ou poderes, e determinações, o remodelam, e o redefinem. O homem separado de sua essência, que é comunidade, que é amor, que é associação, solidariedade, partilha, entra num jogo de competição, rivalidades, um querendo pisar no pescoço do outro, um querendo ver a caveira do outro, um querendo ver a derrota do outro, um querendo destruir o outro. Escravizados à lógica única do dinheiro ,como meio absoluto e universal das relações humanas, todos os sentimentos vinculantes, de pertença, filiação, outrora mediados pelas religiões de deuses; agora são produzidos , consumidos e subsumidos na aquisição de objetos, mercadorias, valores monetários, status, místicas funções dos antigos ídolos e totens , projetados na nova religião universal mercadorificada, como valores espirituais, metafísicos.
Anônimo disse…
Todos estão fazendo uso indevido da religião pra atingir em cheio a massa de manobra preferida deles que são os crentes. O cínico do serrote faz acordos com malafeita e o déspota arruinado jerereba , junto com o traíra lucipântano, e o serrote, tumultuam a festa de são francisco em canindé-Ce distribuindo panfletos apócrifos anti-candidata a presidência...

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel