Juíza manda prender mãe que tentou furtar roupa para filhos

Claudinéia Freitas Santos, 38, afirma estar envergonhada e arrependida do que ocorreu: no dia 30 de julho ela foi presa por tentativa de furto de dez bermudas e dois pares de sapatos em um Carrefour para seus filhos.

O advogado Josué de Souza, que estava cuidando de um de seus casos na delegacia da cadeia onde Claudineia fora presa,  ficou sensibilizado e encaminhou à Justiça um pedido para que a mulher fosse solta, o que ocorreu no dia seguinte, 31.

Mas na quinta-feira (5), a juíza Cláudia Ribeiro mandou prender Claudineia porque, para responder pela tentativa do furto em liberdade, ela teria de ter pago R$ 300 de fiança. A prisão pode ser feita a qualquer momento.

Trata-se de mais um caso de rigor de magistrado contra pequenos crimes de pobre sem que haja uma sentença final, um julgamento.

Claudineia é uma diarista desempregada. Raimundo dos Santos, o seu marido, também está sem emprego. Ambos moram com os dez filhos, um genro e uma neta em uma favela na zona leste de São Paulo. O genro também perdeu recentemente o emprego. As 14 pessoas da família vivem amontoadas em um casebre e dependem para comer de R$ 330 de um programa assistência social do governo.

Paula Barbosa Cardoso, defensora pública que assumiu o caso, disse que Claudinéia deveria ter o benefício de ser ré primária. “Para tentativa de furto, a Justiça tem concedido penas alternativas. Não há necessidade de prisão.”

A diarista disse que jamais vai esquecer as horas que passou na cadeia. “Fiquei presa da tarde de sexta até a noite de sábado. Fui tratada como um cachorro.”

O advogado criminalista Sergei Cobra Arbex disse que a lei não pode ser aplicada automaticamente, independente das circunstâncias em que se deu a transgressão. "A lei tem de ser interpretada caso a caso", disse. "E é por isso que existe o magistrado."

Ele observou que no caso de Claudineia uma das possíveis decisões seria lhe conceder liberdade provisória, já que ela não tem dinheiro para pagar a fiança.

Procurada por jornalista, a juíza Cláudia Ribeiro mandou avisar por intermédio de uma servidora que não se lembrava do caso.

REVOGAÇÃO - atualização em 10 de agosto de 2010

A Justiça revogou ontem o mandado de prisão contra Claudinéia, que agora vai responder em liberdade processo por furto. Embora ela estivesse em casa cuidando dos filhos, para a Justiça ela era considerada como foragida.

Com informação da Folha de S.Paulo.



Comentários

  1. juliano8/09/2010

    enquanto uns roubam para matar a fome ou nesse caso pegar roupas para os filhos e são presos, no mesmo brasil outros fazem coisas muitooooooooo piores mas como tem influência e $$$$ nada acontece e acaba em pizza

    é uma piada e vergonha

    ResponderExcluir
  2. Caro Paulo Roberto, você pode colocar links das notícias que você posta? De onde você pega as informações?

    ResponderExcluir
  3. As informações deste post são da Folha de S.Paulo. O link é http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0908201006.htm, ao qual só tem acesso assinante do jornal.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo8/09/2010

    Quem manda não ter um amigo chamado Gilmar?

    Wander

    ResponderExcluir
  5. Anônimo11/04/2010

    Engraçado que aqueles 3 jovens médicos que espancaram um idoso negro estão de boa ai e ficaram apenas 12 horas na prisão,e essa mãe necessitada,ela não pegou a roupa nem pra ela,pegou pros filhos,e isso eles consideram como se fosse um crime terrivel
    pqp,não existe justiça mesmo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nobel 2019 de Física afirma que 'não há lugar para Deus no universo'

Robinho: de jogador promissor a evangélico fanático e a estuprador

Com fechamento de 400 templos em uma década, Igreja da Inglaterra ruma para o fim