Adolescente é espontaneamente homossexual, diz dom Grings

Dadeus Grings
Arcebispo tenta minimizar denúncias
“O adolescente é espontaneamente homossexual”, disse dom Dadeus Grings (foto), 73, arcebispo de Porto Alegre (RS), na abertura da 48ª Assembleia Geral de CNBB (Conferência Nacional dos Bispos Brasileiros), que se realiza este ano em Brasília.

“Menino brinca com menino, menina brinca com menina. Só depois, se não houve boa orientação, isso se fixa”, afirmou.

Inicialmente designado como porta-voz do encontro de 313 bispos, a direção da CNBB esclareceu que as afirmações do Grings são pessoais, dele, e não da entidade, e o proibiu de falar com a imprensa.  Mas o estrago já estava feito.

Grings já tinha dito que a sociedade é pedófila e que entre os médicos, professores e empresários há muito mais abuso contra crianças e adolescentes do que entre os sacerdotes.

As afirmações de Grings que tentam minimizar a gravidade dos sacerdotes pedófilos repercutiram em todo o mundo, constatou o Zero Hora. Elas foram reproduzidas em jornais nos idiomas inglês, francês, alemão, espanhol, holandês, italiano, húngaro, tcheco e polonês.

O jornal gaúcho observou que Grings tem se destacado por afirmações polêmicas, algumas delas ditadas pelo sentimento anticristão da intolerância.

Dadeus chegou a proibir que uma fiel entrasse na igreja porque ele tinha movido uma ação trabalhista contra a Cúria.

Em 2004, o arcebispo disse que as prostitutas deveriam ser confinadas em motéis, de modo que Porto Alegre ficasse “limpa e segura”.

No ano passado, ele irritou a comunidade judaica ao dizer que católicos e ciganos foram as maiores vítimas dos nazistas. “Isso não aparece porque os judeus têm a propaganda do mundo.”

Com tal histórico, fica difícil entender como a CNBB pôde nomear Grings como seu porta-voz.

Médico e professor são mais pedófilos que padre, diz arcebispo
maio de 2010

Padres pedófilos

Comentários

  1. Que bola fora hein.... perdeu uma boa chance de ficar calado o sujeito aí.

    ResponderExcluir
  2. Toda essa lenga-lenga continua a farsa do oculto, do intocado no discurso, não com menor pejo que os toques interditos da bolinação clériga em crianças indefesas e adolescentes de pudor ambíguo. O que não se parece querer abordar, e diz a dialética que é aí que a verdade está; é a culpa traduzida em números...quanto a Igreja deve, em indenização, em reparação, financeira, monetária. As afirmações preconceituosas, sinistras, dignas do terceiro reich, destes bispos, podem somar-se a outras anteriores, tradicionalmente dirigidas aos gays, aos ricos, aos judeus, aos protestantes, aos maçons - seus clássicos inimigos de fachada, porque dentro dela abrigam-nos aos montes; e que são pérolas reacionárias de um fascismo retrógrado e atual, constrangedor:
    1974: Padre Charbonneau: “O homossexual é um indivíduo doente, que precisa de tratamento psicológico e psicanálise para se corrigir, não é um vício mas uma doença.”
    1997: D.Edvaldo Amaral, Arcebispo de Maceió: “A união de homossexuais é uma aberração. Sem querer ofender os homossexuais, o homossexualismo é uma ofensa ao corpo e a alma onde mora o Espírito Santo. Esta é a opinião de Deus e da Igreja”
    1997: D. Eugênio Salles, Cardeal do Rio de Janeiro: “Os homossexuais têm anomalia e a Igreja é contra e será sempre contra o homossexualismo. Se todos os fiéis são obrigados a se posicionarem contra o reconhecimento legal das uniões homossexuais, os políticos católicos têm o dever moral de manifestar clara e publicamente seu desacordo e votar contra”
    1998: D. Silvestre, Arcebispo de Vitória, “Homossexualismo é doença”
    2000: D. Estêvão Bittencourt, beneditino do Rio de Janeiro: “O homossexualismo é contra a lei de Deus e contra a natureza humana. Mãe lésbica deveria perder o direito de educar o seu filho. A justiça não deve dar a guarda da criança (Chicão) a uma mãe lésbica (Eugênia, mulher de Cássia Eller).”
    2000: D. José Antônio Aparecido Tosi, Arcebispo de Fortaleza; “O homossexualismo é um defeito da natureza humana comparável à cleptomania, ao homicídio e à irascibilidade”

    ResponderExcluir
  3. Parece que a CNBB é um antro de pedofilos dando declaracoes imorais e anti-eticas.

    ResponderExcluir
  4. Tenho pena de quem brincou de médico com esse arcebispo quando criança.

    ResponderExcluir
  5. A CAUSA DA PEDOFILIA na ICAR é a :

    IMPUNIDADE os padres safados sem vergonha , sabem que a ICAR não pune PORRA NENHUMA !!!! e ainda trata com certo ´´afago´´ os sacerdotes pedófilos....

    a partir do momento que houver PUNIÇÃO SEVERA a pedofilia na icar diminue !

    ResponderExcluir
  6. Confessionário

    Quando indenizações vultosas afetarem as finanças da igreja condescendente o homossexualismo será duramente combatido dentro do próprio clero.

    A bicharada sem dinheiro irá, na calada da noite, buscar a satisfação sexual nas ruas, nos guetos e não no altar sagrado.

    ResponderExcluir
  7. Pedofilia Globalizada

    Após extensa investigação a BBC produziu um documentário,estarrecedor, intitulado SEX CRIMES AND THE VATICAN, demonstrando:

    1. Que a prática da pedofilia e do abuso de menores é universal na Igreja Católica.
    2. Que mesmo nos casos de réus confessos, como o animal Oliver O´Grady, a atitude da Igreja Católica foi sempre a de esconder os culpados, trasladando-os de paróquia em paróquia, abafando os escândalos.
    3. Que uma série de casos de transferências de padres coincidem com denúncias de pedofilia e abuso sexual.
    4. Que a Igreja chegou a compor um manual que ensinava como esconder os pedófilos e desqualificar as vítimas. O autor do manual? Cardeal Joseph Ratzinger, o atual papa.
    5. Que a prática da pedofilia inclui não só a Europa e os EUA, mas também o Brasil, como mostra o caso detalhado no documentário, ocorrido no interior de Goiás.
    6. Que um secretíssimo documento interno da Igreja, produzido já em 1962, orientava os bispos a impor silêncio às vítimas que denunciassem casos de estupros cometidos por padres contra crianças.

    ResponderExcluir
  8. Os padres são naturalmente canalhas, pedófilos e corruptos!

    ResponderExcluir
  9. Sou ex-seminarista evangélico, casado com uma pentecostal, e frequentamos a Igreja Universal. Fico muito feliz com a aparição dos fenômenos de pedofilia na ICAR, mas discordo que a causa seja a imunidade ou impunidade dos agressores.
    A causa é a pobreza, o atraso, que leva as pessoas a serem abusadas, exploradas, e não denunciarem, silenciarem.
    Os pobres estão sempre a mercê de fanáticos, tanto do lado de católicos, quanto de evangélicos.
    Estão também a mercê de autoridades, juízes, procuradores, pessoas com poder. Onde há poder, há abuso, e uma dessas formas é a pedofilia.
    Sei de casos muito tristes na minha Igreja. Mas as vítimas não se encorajam a denunciar, estes da Igreja Católica mostraram-se menos tímidos, mesmo quanto à exposição de suas intimidades. Mas também a motivação foi clara: chantagem.

    ResponderExcluir
  10. Todos os pastores são naturalmente canalhas,
    sexualmente tarados e pedofílicos.


    Na minha Igreja, o pastor além de adúltero, e pedófilo, e casado, é também, segundo dizem,totalflex,como diz o rapaz que corta meu cabelo, (para dizer-se na linguaagem dele, que o homem tem relações com homens, e também com mulheres). Um jovem, que namorava minha irmã, um verdadeiro varão de deus, segundo ela, foi pego com o pastor no carro, numa posição muito constrangedora, caso a mulher visse, para o pastor! E eu relutei muito em acreditar em tal coisa, se não fosse a minha própria irmã ter recebido uma carta anônima, e ter seguido os dois pra ver... Esse rapaz, ao meu modo de vista, além de cometer o pecado, de ofender a Deus, ofendeu a minha irmã, por isso foi eliminado na igreja, mas o pastor... negou tudo e continua lá.
    Esse é o problema da imunidade, não é o dinheiro, mas a crença dos pobres neles.
    Disseram depois na família dele que ele tinha problema mental. Que um tenente do exército onde ele serviu, quando era militar, o abusou e que lá, ele aprendeu até a usar droga.
    Então eu acho que não é só na ingreja evangélica, mas no próprio Exército brasileiro! Mas eu acho que esse Bispo tem problema mental sim. Todo católico tem, porque, senão, eles não adorariam imagens de exculturas, não é mesmo?E a bíblia condena os homenssexuais, e condena também a idolatira.

    ResponderExcluir
  11. O problema não é ICAR nem "ingrejas" evangélicas, mas o Cristianismo:
    Ferdinando Antonio Asevedo
    Asevedo2010@gmail.com

    A dogmática da expiação do Cristianismo, pela qual se obriga quem nela crê, a admitir que o homem é redimido por sangue, derramado em violência, tortura e morte; para "perdoar" a humanidade de uma culpa (pessoal e universal), é um pressuposto violento: sugere que morrendo um homem para salvar a todos; "morte é algo que pode trazer vida", "destruição pode obter algo construtivo"...Morte essa antecipada, profetizada e predeterminada pelo algoz(!), ou deus(?) - o mesmo que supostamente teria dito "não matarás"-; e desejada e querida pela vítima, o homem salvador. Por ela, aplaca-se a "ira de um deus infinitamente ofendido" e "satisfaz-se a justiça inteiramente, quanto às relações humanas violadas"; de modo ilimitado!
    Uma lógica totalmente pervertida e perversa. Tanto aos católicos romanos, que transformam este ato numa idolatria chamada missa, quanto os da "ingreja" evangélica, que o cerimonializam num ato místico chamado ceia; está subjacente o pressuposto fundamentalista e violento de sua crença de que morrendo, é que podem ser salvos, "pagando" o resgate, por sangue (simbólico no vinho) e dinheiro...serão perdoados! Ora, sabemos que só vivendo é que alguém pode ser salvo; salvação, só pode existir se vivos estiverem os salvos! Salvos precisamente da morte, não da vida, e pela vida, não pela morte! Por que a morte "pagaria(com sangue ou dinheiro) o resgate" dos vivos, para permanecerem no direito de continuarem vivos? Há culpa ou crime em existir?
    Por este aburdo , o da violência justificada, e validada pelo referendo da divindade e do humano consenso; a doutrina da morte redentora do cristianismo, ou da violência expiadora; tornam-no tão violento e fundamentalista quanto o que chamamos de odio, violencia, e fundamentalismo islâmicos...Pois o pressuposto é o mesmo: a morte produz vida, a violência pode ser justificada. Quando sagrada, ou "sacrificial", como se diz, é não só legítima, ou agradável ao seu deus, como fonte de salvação para os homens.

    ResponderExcluir
  12. "Onde há poder, há abuso, e uma dessas formas é a pedofilia."

    O anônimo do dia 10/05/10 20:48 sintetizou e apontou o que facilita a atuação de pedófilos na sociedade.
    É evidente que os pedófilos não atacam filhos dos poderosos.
    Eles se organizam, inclusive através da Internet, e poduzem obras inacreditáveis como o
    Manual de Abordagem e Abuso Sexual de Crianças
    Escrito por Frei Tarcísio Tadeu Sprícigo
    Anápolis – Goiás
    Ano 2001

    ResponderExcluir
  13. CNBB CONSELHO NACIONAL DAS BICHAS BANIDAS KKKKKKK ESSE PADRE AI É UMA BICHA QUE TEM MEDO DE SE ASSUMIR por causa do medinho do inferno kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  14. Que moral tem um negligente clérigo da ICAR para fazer uma declaração mitológica dessas, sabendo-se que a mesma organização religiosa e econômica é um dos mais crescentes antros de pedofilia do planeta?

    Pois é, camaradas e companheiras: nessa cada membro da ICAR sai queimado de debates e entrevistas, pois nenhum é tido hoje em dia como de confiança. Vale nisso a frase:" teu passado te condena". No caso da ICAR, o presente também conta.

    ResponderExcluir
  15. Concordo com a colocação de Grings quanto aos judeus.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-------- Busca neste site