Cremesp nega corporativismo no caso de Roger Abdelmassih

joao_ladislau_rosa O Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo), por intermédio do seu primeiro-secretário, João Ladislau Rosa (foto), disse à Folha ser uma ‘inverdade’ a acusação de Vanuzia Leite Lopes, 49, de que o órgão foi corporativista quando ela denunciou o médico Roger Abdelmassih por abuso sexual.
Ao final de 1993, Vanuzia queixou-se ao Cremesp de que tinha sido violentada por Abdelmassih  por um coito anal seguido de outro, vaginal, o que – segundo ela -- a fez contrair infecção causada pela bactéria Escherichia coli. Vanuzia ficou internada dez dias no Hospital Albert Einstein, e os médicos tiveram de extrair suas duas trompas e retirar parte do ovário para que a infecção não se alastrasse.

No começo de 1994, o Cremesp abriu uma sindicância, que foi arquivada sem que Vanuzia soubesse de suas conclusões.

Rosa disse aos repórteres André Caramante e Rogério Pagnan que nada pode ser revelado sobre a sindicância porque ela está sob a proteção do sigilo.

Como o médico continuou em atividade e não se sabe se sequer foi advertido, é válido pressupor que ele tenha sido inocentado.

Vanuzia-Leite-Lopes Vanuzia (foto) reapresentou em março a denúncia à Delegacia da Mulher de São Paulo, e agora o seu caso, juntamente com o de outras mais de 50 ex-pacientes do especialista em reprodução humana in vitro, está entregue à Justiça.

No dia 7 deste mês, o Cremesp abriu 51 processos ético-profissionais contra Abdelmassih. Mas recusou a proposta apresentada por um conselheiro de suspender temporariamente o registro profissional do médico.

Para a maioria dos conselheiros, conforme noticiou o Estadão, não cabia naquela oportunidade nenhuma  medida drástica contra o médico por não haver evidência de “dano irreparável” a pacientes nem “prova inequívoca” de abuso sexual, como se o fato em si de o órgão ter de instaurar 51 processos contra um único médico já não fosse indício de gravidade.

Doze dias depois, quando o médico já tinha sido preso preventivamente e a Justiça ter negado um pedido de habeas corpus, o Cremesp recuou e decidiu em votação unânime suspender por tempo indeterminado o registro de Abdelmassih.

O Cremesp é constituído por 40 conselheiros eleitos pela categoria e por dois indicados pela APM (Associação Paulista de Medicina). O mandato é de cinco anos. A gestão do atual colegiado vai até 2013.
De acordo com o site do órgão, os conselheiros efetivos são Adamo Lui Netto, Akira Ishida, Alfredo Rafael Dell´Aringa, André Scatigno Neto, Caio Rosenthal, Clóvis Francisco Constantino, Desiré Carlos Callegari, Eurípedes Balsanufo Carvalho, Gaspar de Jesus Lopes Filho, Henrique Carlos Gonçalves, Henrique Liberato Salvador, Isac Jorge Filho, João Ladislau Rosa, José Henrique Andrade Vila, Kazuo Uemura, Krikor Boyaciyan, Luiz Alberto Bacheschi, Marco Tadeu Moreira de Moraes, Reinaldo Ayer de Oliveira, Rui Telles Pereira e Ruy Yukimatsu Tanigawa.

Os conselheiros suplentes são Antonio Pereira Filho, Bráulio Luna Filho, Carlos Alberto Herrerias de Campos, Carlos Alberto Monte Gobbo, Denise Barbosa, Ieda Therezinha Verreschi, João Márcio Garcia, José Marques Filho, José Yoshikazu Tariki, Lavínio Nilton Camarim, Luiz Flávio Florenzano, Maria do Patrocínio Tenório Nunes, Marli Soares, Mauro Gomes Aranha de Lima, Nacime Salomão Mansur, Pedro Teixeira Neto, Renato Azevedo Junior, Renato Françoso Filho, Rodrigo Durante Soares, Silvana Morandini e Silvia Helena Mateus.
cremespgestao2008-2013
Apenas seis dos 42 conselheiros são mulheres. Todas são suplentes
[As fotos são do site do Cremesp]

> Vanuzia avisa Abdelmassih: ‘Eu não sou uma vítima sem rosto’
> Caso Roger Abdelmassih.

Comentários

  1. Para quem deseja saber a verdadeira história do Cremesp:

    http://www.paulohenriqueamorin.com.br/?p=17042

    ResponderExcluir
  2. A explicação dada Pelo "Primeiro Secretário do CREMESP", João Ladislau Rosa, é de uma primariedade absoluta, que agride a nossa inteligência: Arquivar uma denúncia; não dar conhecimento a quem de direito;dar explicações sem conteúdo lógico!
    Gostaria de perguntar ao Senhor primeiro Secretário do CREMESP, o que ele considera "dano irreparável"? Estupro com lesão, internação hospitalar com infecção, são questões pouco importantes na vida de uma mulher abusada? Nâo houve provas cabais? Ah, sim, as conclusões do inquérito encontram-se protegidas por sigilo?
    E, isto tudo, não se chama de Corporativismo?
    O Conselho Regional de Medicina de São Paulo, deve estar situado em outro Planeta, que não o nosso! Os Conselheiros Efetivos e os Suplentes são compostos, práticamente, por Médicos e não é Corporativismo? Onde estão as Doutoras?
    O Conselho Regional de Medicina de São Paulo deve , por questão de honra, dar explicações a Sociedade Brasileira, por este desrespeito para com a Senhora Vanuzia Leite Lopes e toda a Sociedade Brasileira; sob pena de ser Processado na forma da Lei. O CREMESP deu provas , irrefutáveis, que não conhece ou não possui , um Conselho de Ética Médica.
    Este descaso com a Senhora Vanúzia Leite Lopes,com o arquivamente de sua denúncia em 1994 certamente propiciou que o doutor Roger Abdelmassih, continuasse com os abusos, impunemente. As denúncias se avolumam, na proporção direta, do clamor, da nossa Sociedade!

    ResponderExcluir
  3. Não, não é corporativismo não!!!
    Desculpe o clichê mas não existe outro...é rabo preso mesmo!!!!! ou então medo de represália!!!

    ResponderExcluir
  4. É óbvio que o cremesp é uma entidade corporativa, e é sintomático que a suspensão do registro do bandido só ocorreu após o caso virar notícia na globo. O cremesp deveria divulgar estatísticas sobre denuncias de assédio contra médicos, bem como o resultado final das "investigações".

    ResponderExcluir
  5. Mensagem que a Vanuzia deixou no texto "Vanuzia avisa Abdelmassih: ‘Eu não sou uma vítima sem rosto", em http://e-paulopes.blogspot.com/2009/08/vanuzia-avisa-abdelmassih-eu-nao-sou.html :

    meu nome é vanuzia leite lopes, e estou postando neste blog para agradecer os que entenderam minha situaçao e são solidarios com ela.Fui vitima deste "dito" médico quando ainda tinha sonhos ...Creio que ele é um covarde,mais covarde que um estuprador que ataca as mulheres ,que mesmo acoadas podem as vezes emitir ainda um grito.O meu grito foi calado,mudo,porém foi um grito!!!Fui estuprada, violentada no fisico,na alma e na minha dignidade.Assumi publicamente o que este "ser"fez comigo numa tentativa de amparar o depoimento de tantas outras que infelismente não podem se mostrar pois estão tentando proteger a identidade principalmente dos maridos, que pagaram e ficavam numa sala de espera enquanto esta "criatura" abusava da maneira mais nojenta suas mulheres.Sobre tudo que declarei tanto na justiça quanto na imprensa tenho documentos e depoimentos.Portanto ,muito obrigada pelo apoio e voces tenham certeza que este covarde terá o tratamento dado a homens como ele,seja fora ou dentro da prisão.Esperei 15 anos para poder me pronunciar ,pois em 1993 ,ou mesmo ainda hoje a legislaçao não protege este tipo de tratamento,afora o fato de que temos que lidar com pessoas sem etica ou qualquer sentimento pela vida humana.Na clinica desta "pessoa"fui cobaia,sumiram com meus exames,fichas e embrioes,alem dele ter me transmitido uma bacteria que quase me matou.Aos amigos dele digo e repito, o que ele fez é indefensavel e nao ha explicaçao teorica cientifica,pois estou falando de um fato.E contra este fato nao ha explicaçao plausivel tampouco defesa.grata pela atençao,vanuzia leite lopes

    ResponderExcluir
  6. Roberto Santini, sua colocação foi perfeita.

    Vanuzia, também sou vítima deste crápula e te dou todo meu apoio. Pessoas como nós deveriam ganhar o prêmio nobel da justiça.

    Força, mulher. Como não dá para mudar o passado, tente mudar o futuro. VIVA com a intencidade e alegria que você tinha antes. Você pode recomeçar. Você é nova, inteligente e bonita. Tem uma vida pela frente e poderá vivê-la lembrando-se de quantas dezenas (ou quem sabe centenas) de mulheres, ajudou mostrando a verdade para o mundo.

    Siga em frente.

    ResponderExcluir
  7. Mais importante ao CREMESP é obdecer aos ditames dos eleitores(médicos) que lhe proporcionam o mandato e, óbviamente lhes assegurando benesses, adotando um código próprio de comportamento, cujo principal parâmetro é o corporativismo.

    Os comentários do primeiro secretário só evidenciaram o tratamento dissimulado dispensado às vítimas que se socorrem desta Instituição.

    Posto isso, o primeiro secretário do CREMESP, Sr
    João L. Rosa perdeu uma ótima oportunidade de calar-se, pois em seu pronuncimento mostrou que não compreende a natureza nem a dimensão da crise que assola "esta instituição" tão desmoralizada perante a opinião pública.

    Para que o mal predomine, basta que quem tem autoridade para agir não faça nada, como o CREMESP.

    ResponderExcluir
  8. Entendo que o CREMESP ao supervisionar a clínica do Dr. Roger, deveria se fazer acompanhar de uma ou mais "Instituições éticas e moralmente independentes da classe médica".

    A clínica só foi supervisionada muito após as primeiras denúncias e, só pelo CREMESP! POR QUE???

    ResponderExcluir
  9. Como todas as entidades da classe médica, o CREMESP é, SIM, corporativista, e seus membros, como em todas as outras, detêm MONOPÓLIO POLÍTICO DOS CARGOS. São sempre os mesmos se revezando na presidência, vice-presidência, secretárias e conselho, com a entrada de algum membro novo de quando em vez, mas sempre por INDICAÇÃO DE CUNHO POLÍTICO. São POLITIQUEIROS e MARKETEIROS usando cargos político-corporativistas para LUCRAREM financeiramente e profissionalmente. E estão lá para defender os "SEUS", ou seja, OS MÉDICOS DA ELITE.

    Se esse ESTUPRADOR que se diz médido pertencesse à classe média média/baixa, fosse pobre, teria seu diploma caçado na primeira denúncia e já teria sido preso há tempos, e o CREMESP lavado suas mãos. Mas como é um ENDINHEIRADO médico de "estrelas" e laureado pela CARAS... ele precisou estuprar mais de 60 pacientes (isso sem contar as que não perceberam o estupro), e ser PRESO, para esses conselheiros SUSPENDEREM o diploma do criminoso. Isto porque, naturalmente, estão esperando que um desses advogados da CARAS livre a cara dele, para lhe devolverem a licença para clinicar.

    Os conselheiros do CREMESP ainda não se mancaram que estão diante um criminoso da mesma periculosidade de um estuprador do porte do João Acácio Pereira da Costa, com a diferença de que no caso do "Bandido da Luz Vermelha", a vítima ainda tinha chance de se defender pois era levada à força e sabia que ia ser estuprada, e ainda, não pagava pelo próprio estupro.

    ResponderExcluir
  10. Perfeita a colocação do anônimo das 00:05.

    ResponderExcluir
  11. Querida Vanúzia,
    São tão vitima deste mostro quanto você. Parabéns por sua coragem em se expor desta forma.
    Só nos ,sabemos o que estamos vivendo nestes ultimos tempos.Os momentos de sofrimento e revolta voltam á tona, como se o fato tivesse acontecido agora.
    Vamos ser fortes mais uma vez, e superar esta situação.
    Agora enfim... o caso esta na justiça. E da cadeia ele não sairá.
    Que Deus te ilumine e proteja.
    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  12. O CREMESP continua se portando como avestruz: se eles fingirem que não viram que médicos fazem coisas más, os médicos continuam sendo "deuses"....

    ResponderExcluir
  13. Vanuzia está de parabens,vá em frente,esse monstro é que tem que esconder a cara.Maníaco sujo,há de pagar caro por fazer isso com mulheres que apenas queriam realizar um sonho de ser mãe.Que ele apodreça na cadeia.E a fortuna dele seja dividida nos órfanatos carentes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diario Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.