Pular para o conteúdo principal

Inspeção mostra que asilos não respeitam o Estatuto do Idoso

O Estatuto do Idoso não é respeitado sequer pelos asilos ou, como é eufemisticamente chamado, “casas de repouso”.

Na verdade, na maioria dos casos, não chegam a ser “casas”, mas depósitos de pessoas cuja única “atividade” é esperar a morte.

O descaso é de todo mundo, não só dessas instituições, mas também por parte dos parentes dos idosos e das autoridades. O problema não é novo, mas tem se agravado na proporção que aumenta a população de idosos.

Pelo levantamento do IBGE, cerca de 10% da população (17 milhões de pessoas) tem mais de 60 anos. Mas o governo não sabe quantos idosos estão internados nos asilos. Nem tem uma estimativa.

Do ponto de vista as autoridades, essas pessoas não existem, já morreram, apesar da existência do Estatuto do Idoso, que garante um mínimo de dignidade aos velhos – mas só no papel.

Entre setembro e outubro de 2007, o CFM (Conselho Federal de Medicina) e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) visitaram 24 asilos (particulares, filantrópicos e mantidos pelo poder público) de 11 estados e do Distrito Federal. O relatório dessas visitas é desolador, ainda que haja exceções.

Constatou-se que os asilos raramente são inspecionados por órgãos sanitários. As instalações são precárias. Cheiram mau. Não são suficientemente ventiladas e a iluminação é deficiente. Há falta de funcionários e de atividades.

No relatório, não há nenhum registro de violência física a idosos, mas ela existe, conforme de vez em quando aparece no noticiário.

Funcionários de um dos asilos disseram orgulhosos que, ali, há respeito pela integridade físicas dos internados, como se isso fosse um fato extraordinário, e não o que se espera que seja a normalidade.
Mas um idoso deu uma informação que talvez explique a inexistência ali da brutalidade física: “Quando alguém grita, fica alterado, eles dão um remédio e colocam para dormir”.

É uma população que exige cuidados especiais, de médicos e de funcionários especializados, o que quase sempre não há. Uma parte significativa dos idosos sofre de Mal de Alzheimer, hipertensão, problemas cardíacos e dispnéia. Também é grande o número de idosos acometidos por esquizofrenia, transtorno bipolar, demência e depressão.

Por causa da queda de natalidade e do fato de as pessoas estarem vivendo mais, a população brasileira está envelhecendo mais rápido do que se previa. Em 2025, os idosos serão 32 milhões.

As autoridades e as pessoas em geral que hoje relegam os idosos amanhã serão relegados, se os asilos, conforme ressalta o relatório, continuarem a ser apenas “um lugar para esperar a morte, onde o tempo não flui, arrasta-se”.

> Íntegra do Relatório de Inspeção a Instituições de Longa Permanência de Idosos. (em pdf)

Informações sobre o mal de Alzheimer.    > Vida de idoso.

Comentários

  1. Que sirva de alerta para as famílias que muitas vezes por falta de tempo acaba recorrendo a asilos. Se não acompanhar muito de perto, corre-se o risco de ser vítima de como você mesmo comentou, depósitos de pessoas.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Caro Piva: em muitos casos, as famílias sabem perfeitamente do tratamento que seus idosos recebem nos asilos. E fingem que desconhecem. Porque é mais cômodo os idosos lá do que em casa.
    Abs.

    ResponderExcluir
  3. Caro Paulo Roberto, entre no http://transplantevida.blogspot.com/
    verifique a veracidade das informações e publique-se como jornalista sobre o caso

    ResponderExcluir
  4. é uma ausência de espiritualide e respeito com os antepassados. Se fossem por ele seus descendentes que acometem esse tipo de negligência e crime. Abandono por desprezo, materialismo e falta do perdão.Gostaria que um dia fossem idosos fossem adotados com ajuda e fiscalização governamental e filantrópicas.
    Quande se pensa na criança abandonada, esquecem que o idoso é muito mais criança, pela pureza e falta de perpectiva e esperança.
    Indefesos pelas doenças , para que exista um ração para que eles possam fazer a passagem. Mas o sofrimento tão intenso, que morrem com mágoas, e dor.

    ResponderExcluir
  5. As familias deveriam ser mais presentes na vida de seus idosos, e isso faz que a propria instituição não fasa com que os direitos que esses idosos tem seja respeitados, só de para sentir indguinação sobre essas atitudes.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com algumas coisas,más o descaso com idosos em asilos existem. sim e muito .

    ResponderExcluir
  7. infelismente é esse tratamento que muitos dos nossos idosos tem apos uma vida de dedicação e luta, mediante a familia, na criação dos filhos, depois na ajuda com os netos, quantas e quantas noites acordados do lado de um filho doente. e sem falar na sua contribuição para oom a sociedade da qual agora simplismente o tiraram o direito de fazer parte, antes eram importantes afinal os filhos precisavam, os netos também, e o governo, afinal eles "votavam" agora simplismente os excluen como condenados a um passado que não volta, um presente triste, e um futuro que nem existe...

    ResponderExcluir
  8. Se o jovem não morrer novo com certeza vai ficar velho. Sabe o que penso? A falta de conhecer DEUS, tornou as pessoas sem amor ao proximo. DEUS é Amor!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

66 atividades para fazer em casa durante a quarentena. E o que não fazer!