Igreja tem de pagar imposto porque é negócio, diz Villa



Ao comentar na Jovem Pan o perdão de dívidas de IPTU de igrejas pela prefeitura de São Paulo, o historiador Marco Antonio Villa [vídeos abaixo] fez uma veemente defesa do Estado laico.

“É um verdadeiro absurdo igreja não pagar imposto. Porque a igreja é um negócio. Poderia até pagar menos, mas é um negócio”, disse.

Do seu lado, o radialista Joseval Peixoto discordou: “Você já pensou a Sé (Igreja católica em São Paulo) pagando imposto?”

Villa retrucou: “Tem de pagar imposto, porque é um negócio.”

“Uma república não deve privilegiar quem tem e que não tem religião.” 

Na imprensa, Villa é um dos poucos que defendem com frequência a laicidade do Estado brasileiro.

No Jornal da Cultura, da TV Cultura de São Paulo, onde participa às segundas-feiras, defende a separação entre o Estado e a Igreja sempre que o assunto aparece na pauta.

Villa se tornou um paladino do Estado laico não só pelo seu estilo contundente, mas porque o assunto tem sido vergonhosamente ignorado pelas autoridades.

Isso vale principalmente para os parlamentares, que quase sempre estão massageando os testículos de líderes religiosos na expectativa de obter apoio nas próximas eleições.

O caso do perdão da dívida do IPTU em São Paulo é um exemplo.

Embora seja uma aberração que fere a laicidade e lesa os cofres públicos, poucas vozes se levantaram contra.

Não houve sequer uma manifestação do Ministério Público.





Com informação do Youtube e de outras fontes.

Envio de correção


Maia usa dinheiro público para agredir Estado laico, acusa Villa