Ateus de Bogotá apoiam uso de tragédia para criticar a religião

Diego Vargas Aguilar (foto), da Associação de Ateus de Bogotá, Colômbia, disse que é válido para os descrentes o uso de tragédia, como a queda do avião onde estava o time do Chapecoense, para criticar o pensamento religioso, sem que isso tenha o significado de ofensa às vítimas e seus parentes.

'Ninguém
deveria se
ofender' 
Ele foi entrevistado pelo site Uol Esportes sobre as postagens, que causaram polêmica, no Facebook da Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) com foto do avião destroçado no chão. A intenção da associação foi  mostrar que as orações são inócuas.

Aguilar argumentou que os religiosos monopolizam os sentimentos das pessoas, inclusive em momentos de tristeza, o que, supostamente, não ofende os ateus.

"Os ateus também têm o direto de tomar um caso desses, dessa tragédia, e criticar o pensamento dos crentes e ninguém deveria se ofender."

No Facebook, Aguilar escreveu que as críticas às postagens são exemplos da "irracionalidade" de crentes.

O site também ouviu Daniel Sottomaior, presidente da Atea.

Ele disse que os ateus questionam a explicação religiosa, que “se tornou um padrão social”.

“Os ateus não podem ser silenciados."