Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Islã condena a idolatria, mas idolatra o profeta Maomé

Muçulmanos adoram um meteorito
 como se fosse mensagem de Alá
por José Atento

Há alguns dias atrás, o xeique Rodrigo Rodrigues, da Mesquita do Parí, em São Paulo, fez um sermão onde ele afirmou que "o muçulmano não idolatra pessoas." O fato é que o islã é notório em convencer os seus devotos que ele é o monoteísmo mais puro que existe, quando na verdade ele está afogado em paganismo e adoração de ídolos (idolatria).

Diariamente, e repetidamente, muçulmanos se prostram para um cubo gigante em Meca, um cubo que era um templo pagão no tempo de Maomé.

Muçulmanos fazem uma peregrinação para Meca, de modo a andarem em círculos em torno deste cubo gigante, do mesmo modo que os pagãos do tempo de Maomé faziam. 

No processo, eles se empurram para poderem tocar e beijar a pedra negra, pedra esta que já era um ídolo pagão no tempo de Maomé. Não existe objeto inanimado algum no mundo que receba mais atenção e reverência que os ídolos inanimados do Islã.

E, mesmo assim, os muçulmanos acreditam que a sua religião não possui ídolos.

E a coisa fica ainda mais interessante quando os muçulmanos se curvam para este cubo sem vida, eles rezam para Maomé.

Muçulmanos rezam para Maomé sem nunca pensaram naquilo que eles estão dizendo.

Durante uma parte das suas orações, os muçulmanos dizem: assalamu alaika ayyuhan nabiyyu. Isso significa "paz esteja com você, ó profeta." Muçulmanos ao redor do mundo estão falando diretamente com Maomé nesta parte das suas orações (e muitos fazem isso sem saber).

Existe uma grande diferença entre dizer "Alá, por favor, envie paz para o profeta" (se dirigindo a Alá) e dizer "paz esteja com você, ó profeta" (se dirigindo ao próprio Maomé).

Ao se dirigirem a Maomé durante as suas preces é porque os muçulmanos acreditam que Maomé pode os ouvir. Mas qual atributo Maomé precisa ter para poder ouvir as preces de muitos muçulmanos ao redor do mundo? Onipresença, um atributo divino.

Por que os muçulmanos, tão cuidadosos em não associarem parceiros com Alá, rezam para Maomé? Porque o próprio Maomé os ensinou a fazer isso.

Maomé ensina aos muçulmanos para falarem diretamente para ele quando eles rezam. Mas Maomé também ensinou seus seguidores a rezarem para ele quando eles precisarem de algo.

Muçulmanos rezam para Alá e para Maomé, continuamente, ao mesmo tempo em que acusam todos os outros de idolatria e paganismo.

O pior pecado que existe no Islã é shirk, que significa 'associar parceiros a Alá' ou 'atribuir atributos divinos a qualquer outra pessoa, ou objeto, além de Alá.' Mas os muçulmanos fazem os dois, várias vezes por dia.

Considerando que existem, talvez, 1 bilhão e meio de muçulmanos no mundo, pode-se concluir que o islamismo é a maior fonte de shirk, idolatria e paganismo da história! E quem é a causa disso? Maomé.

Maomé é o responsável por ensinar seus seguidores a rezarem virados para um templo pagão (a Caaba), beijarem uma pedra pagã (um ídolo), e a conversar com ele durante suas orações, atribuindo a ele o atributo divino da onipresença.

Maomé é responsável por mais shirk do que qualquer outro homem na história. E o que o Alcorão diz ser a punição para quem promove shirk?

E quem traz um mal (feito) (por exemplo, Shirk - politeísmo, descrença na Unicidade de Alá e todo ato mal e pecaminoso), eles serão lançados para baixo (inclinados) em seus rostos no fogo. (E será dito a eles) "Você está sendo recompensado em nada, exceto o que você costumava fazer?" (Alcorão 27:90)

Em geral, se o seu profeta, segundo o seu próprio livro, foi condenado ao inferno ... talvez esteja na hora de um novo profeta.



Esse texto foi publicado originalmente no site Lei Islâmica em Ação. O vídeo é um acréscimo deste site.

Veja os trechos do Alcorão que inspiram o terrorismo islâmico


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...