Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Pai-nosso em escolas não tem conotação religiosa, diz Simões

Cabral, pai de estudante, denunciou
escola infratora ao Ministério Público
A Secretaria de Educação de Simões Filho, na região metropolitana de Salvador (BA), emitiu nota reconhecendo que os estudantes de escolas da cidade rezam duas vezes por semana o pai-nosso, dentro do momento cívico, mas isso ocorre “sem conotação religiosa”. 

Com tal afirmação, a secretaria demonstrou não ter um mínimo de apreço pela inteligência da população, o que inclui os estudantes, e pelo Estado laico.

A secretaria teve de se manifestar sobre o assunto porque José Ivanildo Cabral (foto) denunciou a Escola Antônio Carlos Magalhães ao Ministério Público Estadual por impor a oração a sua filha de seis anos e demais estudantes.

"É uma imposição porque está se colocando algo na mente de uma criança, indo contra os princípios da família", disse Cabral, que é ateu.

Ele argumentou que, mesmo não sendo obrigatória a participação dos estudantes na oração, conforme alegou a escola, “o estado é laico”, e os estabelecimentos de ensino público deveriam respeitar a laicidade, além da diversidade da sociedade.

Outro fato estranho é a demora do Ministério Público em concluir a sua investigação para saber se de fato a escola estava fazendo proselitismo religioso. Demora de um ano.




Ateus exigem desculpas à jovem humilhada na TV do Equador

Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...