Papa diz que violência ‘em nome de Deus’ não é culpa da religião

Caricatura do Bento 16
"Causa da violência é o
esquecimento de Deus"
Bento 16 (na caricatura ao lado) disse que as religiões monoteístas não podem ser responsabilizadas pela violência desencadeada supostamente por motivos religiosos

Para ele, o fato de ter havido e continuar a existir violência “perpetradas em nome de Deus” se deve às “causas históricas, principalmente aos erros dos homens”, e não “ao monoteísmo [religioso]”.

Na sexta-feira (7), ao falar na assembleia plenária da Comissão Teológica Internacional, que reuniu emissários de vários países, Bento 16 criticou o discurso relativista que, segundo ele, tem promovido nas sociedades “o esquecimento de Deus”. E essa é, de acordo com ele, a verdadeira causa dos conflitos.

O papa rebateu as acusações de que as religiões monoteístas são “intrinsecamente portadoras de violência”.

Disse que “alguns sustentam que só o ‘politeísmo de valores’ garantiriam a tolerância e a paz civil e seria conforme ao espírito de uma sociedade democrática plural”. Mas, acrescentou, a violência surge “quando se nega a possibilidade para todos de se referir a uma verdade objetiva”.

A percepção de que as religiões monoteístas são geradoras de conflitos por não admitir a diversidade de pensamento e de crença tem sido detectada por pesquisa como a feita em 2011 na Grã-Bretanha. Para 79% das pessoas entrevistadas na época, as crenças religiosas são a causa de muitas guerras e miséria no mundo.

Com informação da Agência Ecclesia.

Religião é origem de conflitos, afirma maioria dos britânicos
outubro de 2011

Politeísmo dá saudades, porque não se matava por religião
por por Helio Schwartsman em setembro de 2012