Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Deputado evangélico quer lei para confirmar Deus no real

Pastor Eurico
Pastor Eurico nega que a
Constituição seja laica
O deputado Francisco Eurico da Silva (PSB-PE), conhecido como Pastor Eurico (foto), apresentou à Câmara Federal um projeto de lei que, se aprovado, tornará a expressão “Deus seja louvado” obrigatória nas cédulas do real. 

Trata-se de uma reação do deputado contra a decisão do MPF (Ministério Público Federal) em São Paulo de pedir à Justiça para que a expressão seja suprimida das cédulas em obediência à laicidade do Estado brasileiro.

A inclusão da frase no dinheiro não tem respaldo legal, porque decorreu de uma decisão de José Sarney, quando foi presidente da República, e, por isso, como quer o MPF, poderá ser anulada pela Justiça. Para descartar essa possibilidade, o Pastor Eurico elaborou o projeto de lei para confirmar e garantir a permanência da frase no dinheiro.

No entendimento do evangélico, “é mentira” que a Constituição seja laica, porque foi promulgada “sob a proteção de Deus”, conforme destaca o seu preâmbulo.

Para ele, o preâmbulo do texto constitucional tem valor jurídico porque serve como embasamento para a compreensão de tudo que ali está expresso. “Desta forma, todo o texto está vinculado e amarrado aos conjuntos formuladores que se encontra no preâmbulo da Constituição Federal”, disse.

O deputado afirmou que o artigo 19 da Constituição proíbe que governos mantenham aliança ou dependência em relação às religiões, mas, segundo a interpretação dele, isso não ocorre com a referência a Deus nas cédulas do dinheiro. ”É apenas uma forma de expressar o sentimento que o povo brasileiro tem em relação a Deus, sem tornar o Estado submisso a isso.”

Em recente entrevista, o procurador Jefferson Aparecido Dias, que é católico praticante e autor da ação do MPF, afirmou que em nenhum trecho da Bíblia Jesus deu a entender que o seu nome ou de Deus devesse constar no dinheiro. O que Jesus disse, acrescentou o procurador, foi “A César o que é de César”.

O jornalista Hélio Schwartsman, da Folha de S.Paulo, escreveu que os religiosos deveriam ser os primeiros a pedir a exclusão de “Deus” de “algo tão profano e mal-afamado como o dinheiro”.





Com informação do Diário do Pernambuco.

Procurador sofre ameaça de morte por pedir retirada de Deus do real
novembro de 2012

Religião no Estado laico

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...