Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Arcebispo tido como liberal é promovido e se torna papável

arcebispo Gerhard Ludwig Müller
Gerhard Müller é simpático
à Teologia da Libertação 
O arcebispo alemão Gerhard Ludwig Müller (foto), 64, é o novo titular da Congregação para a Doutrina da Fé, em substituição ao cardeal norte-americano William Joseph Levada, que pediu demissão. Trata-se de uma guinada na congregação que na Idade Média, com o nome de Santo Ofício, foi a responsável pela “administração” da Santa Inquisição.

Müller é considerado pela ala conservadora da Igreja inadequado para o cargo porque é francamente favorável à Teologia da Libertação, um movimento de sacerdotes e leigos que dá atenção preferencialmente aos pobres e que não tem a simpatia de Bento 16 — ao menos até agora.

Apesar disso, o papa gosta de Müller, que a partir de agora passa a figurar na lista dos fortes candidatos a ocupar o lugar de Ratzinger, que, aos 85 anos, tem demonstrado fragilidade de saúde. Ratzinger, quando foi escolhido para papa, comandava a Doutrina da Fé.

Em recente entrevista, Müller reafirmou a admiração que tem pelo seu amigo peruano Gustavo Gutiérrez, 83, um defensor da Teologia da Libertação que por alguns tempos esteve na mira da Doutrina da Fé.

Müller não vê nenhuma incompatibilidade entre a Igreja e Teologia da Libertação porque, citando são Tomás de Aquino, afirmou na entrevista que “Deus é o grande liberal” (Deus est maxime liberalis). Ele explicou que, no original, liberalis é sinônimo de generoso, para que não haja confusão como “liberalismo” ou “liberalidade”.

Ele disse também que a Teologia da Libertação não é “uma mistura solta do comunismo e da fé católica”, porque “a doutrina social da Igreja Católica tem se mostrado muito superior à análise marxista”.

Criticou a injustiça social, citando a América do Sul como exemplo de região onde ela se encontra instalada. “Diante da miséria e da indignidade que há em nosso redor e que são ignoradas por muitas pessoas, nós [Igreja] não podemos apenas levar piedosamente as sobrancelhas”, disse. “A fé e o fazer o bem caminham juntos.”

O arcebispo chamou alguns de seus adversários conservadores de “estúpidos”, mas ele não é tão liberal como uma parte dos católicos gostaria que fosse. Müller defende o celibato e a não comunhão aos divorciados, entre outros pontos da ortodoxia mantida por Bento 16.

Ainda assim Müller representa uma promessa de renovação da Igreja Católica, que está em crise e precisa mudar logo, para evitar o risco de se tornar nos próximos anos em mais uma seita.

Com informação do blog Catholic Church Conservation

Teólogo diz que ter ética é mais importante do que ser crente.
dezembro de 2011
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...