Pular para o conteúdo principal

Desafio moral à Igreja: manter ou não na Basílica de Aparecida os mosaicos de padre abusador?

As vítimas aumentaram as pressões sobre o Vaticano para que as obras de Rupnik sejam retiradas de locais de orações. Para a Igreja Católica brasileira é um desafio, porque praticamente toda a Basílica de Aparecida é revista por foram com mosaicos do artista 


Iacopo Scaramuzzi
jornalista

Repubblica
jornal italiano

O cardeal americano Sean O'Malley, presidente da Pontifícia Comissão para a Proteção dos Menores, escreveu aos dicastérios do Vaticano para pedir-lhes que não continuassem a expor os mosaicos de Marko Rupnik, um ex-padre jesuíta e artista de mosaicos mundialmente famoso, que está sob investigação canônica pelos abusos de que é acusado por inúmeras mulheres. Alguns deles escreveram para vários santuários ao redor do mundo pedindo sua remoção.


O padre Rupnik foi expulso dos Jesuítas em 2023 — mas continua a ser sacerdote — e, por sugestão do próprio O'Malley, em outubro o papa Francisco reabriu um processo contra ele no Dicastério para a Doutrina da Fé.

“É um caso delicado e estamos trabalhando nele”, relatou no início de junho o secretário da seção disciplinar do antigo Santo Ofício, monsenhor Robert Kennedy: “Começamos bem e estamos avançando passo a passo considerando todos os aspectos: as acusações contra ele, as vítimas, o impacto na Igreja”.


As alas norte e a sul da
Basílica estão cobertas
pela arte do padre
acusado de estupro
físico e psicológico.
Igreja brasileira
manterá essa
ofensa às vítimas?

Entre as vítimas, uma ex-freira, Gloria Branciani, saiu em conferência de imprensa no final do ano passado, denunciando repetidos abusos sexuais por parte do padre esloveno, outras vítimas relataram, anonimamente, um abuso mais generalizado de consciências e de poder, acompanhado por assédio e comportamento inadequado.

A questão dos mosaicos: mantê-los ou removê-los?

Com o tempo, então, o tema do destino dos mosaicos Rupnik, presentes em alguns dos santuários mais famosos do mundo, tem surgido cada vez mais, de Fátima a San Giovanni Rotondo, de Washington a Cracóvia, de Aparecida a Lourdes. Mantê-los ou removê-los? 


O que pensam as vítimas do padre artista quando encontram uma de suas obras diante delas? Como conciliar o valor da obra e o perfil do artista?

Os dois últimos santuários mencionados, Aparecida e Lourdes, levantaram as primeiras dúvidas: o brasileiro decidiu nos últimos meses interromper os trabalhos nos mosaicos Rupnik, mas não prometeu retirar as obras já instalada na ala norte e na sul, e o francês avalia a possibilidade de removê-los. [Mas no caso do Brasil, não intenção de remover o que foi instalado, dada a grandeza da obra, que cobre toda a Basília]

As obras presentes no Vaticano

As obras de Rupnik também estão expostas, por exemplo, em Roma, no Seminário Maior, e no Vaticano: na capela Redemptoris Mater, em alguns dicastérios e corredores. 

O próprio papa mostrou um ícone do artista esloveno em uma mensagem em vídeo em 2023 aos fiéis de Aparecida.

Não só isso: as imagens do padre mosaicista aparecem periodicamente para acompanhar artigos na mídia vaticana. Tanto é que recentemente o prefeito do Departamento de Comunicação, Paolo Ruffini, teve que enfrentar perguntas de dois jornalistas durante coletiva de imprensa que deu em Atlanta, nos Estados Unidos, defendendo esta escolha: “Como cristãos, somos convidados a não julgar”, disse, afirmando que “remover, apagar, destruir arte nunca foi uma boa escolha”, continuou citando o caso de Caravaggio, um artista com uma vida turbulenta.

“Você acha que ao retirar a foto de uma obra de arte do nosso site estarei mais próximo das vítimas?”, retrucou Ruffini. "Eu acho que você está errado."

O Arcebispo de Boston entra em campo

O chefe dos abusos da Santa Sé, o Arcebispo de Boston Sean O'Malley, intervém agora sobre a questão. O cardeal, segundo uma nota, escreveu aos dicastérios da Cúria Romana para sublinhar que “a prudência pastoral impediria a exposição de obras de arte de uma forma que pudesse implicar uma exoneração ou uma defesa subtil” dos alegados autores dos abusos “ou indicam indiferença à dor e ao sofrimento de muitas vítimas de abuso”.

O cardeal O’Malley, membro do conselho de nove cardeais que ajudam o papa na reforma do Vaticano, sublinha que devemos “evitar enviar a mensagem de que a Santa Sé não tem consciência da angústia psicológica que tantos sofrem”. 

Na sua carta, o cardeal norte-americano especifica que, embora por um lado a presunção de inocência da investigação contra Rupnik deva ser respeitada, por outro a Santa Sé e os seus escritórios devem “exercer sábia prudência pastoral e compaixão para com aqueles que são prejudicados por abuso sexual por parte do clero”. 

O papa Francisco, escreve o Cardeal O'Malley, “exortou-nos a ser sensíveis e a caminhar em solidariedade com aqueles prejudicados por todas as formas de abuso. Peço que tenham isso em mente na escolha das imagens que acompanharão a publicação de mensagens, artigos e reflexões através dos diversos canais de comunicação à nossa disposição.”

Carta das vítimas: “Remova-os”

Uma posição que surge no momento em que cinco alegadas vítimas dos abusos de Rupnik escreveram a vários bispos de todo o mundo em cujas dioceses ou santuários os mosaicos de Rupnik estão expostos, pedindo que sejam removidos. 

“Esta carta, que fique claro, não constitui um julgamento sobre as obras do padre Rupnik, mas apenas uma reflexão sobre a oportunidade da sua presença em lugares consagrados, dedicados a Nosso Senhor”, escreve a sua advogada, Laura Sgrò, em nome das cinco mulheres na carta divulgada recentemente. 

“Da mesma forma”, prossegue a advogada, “o pedido dos meus clientes não deve transformar-se num julgamento antecipado sobre os fatos alegados pelas vítimas que represento. Independentemente de qualquer processo em curso contra o autor e independentemente do resultado, de fato, o que se pede é que prevaleçam as razões de bom senso na não utilização destes mosaicos em ambientes eclesiais, mesmo independentemente do seu valor artístico, o que aqui certamente não é discutido”

“Estas obras, de fato, não podem permanecer onde foram colocadas — escreve Sgrò — tanto por respeito pelas vítimas como pelo próprio carácter do local de oração. Isto não significa que não possam encontrar espaço adequado noutro lugar, onde, no entanto, não ofusquem a espiritualidade dos fiéis. Por tudo isso”, conclui a advogada, “meus clientes, meu intermediário, peço-lhe que retire as obras presentes na sua diocese criadas pelo padre Marko Ivan Rupnik, ao recordarem um acontecimento doloroso que prevalece sobre a necessária concentração nos locais de oração”.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal