Pular para o conteúdo principal

Cuidado com estudo sobre cura de câncer pela homeopatia. É fraude científica

Países europeus aboliram essa pseudociência do sistema público, mas continua a produção de estudos fraudulentos que tentam validar o charlatanismo


Edzard Ernest
professor emérito da Escola de Medicina da Península, na Universidade de Exeter, Inglaterra

Todos sabemos que a homeopatia é uma terapia placebo: suas suposições vão contra a ciência, seus remédios são normalmente desprovidos de ingredientes ativos e as evidências de ensaios clínicos são uniformemente negativas

Depois do Reino Unido e da França, agora até a Alemanha, país de origem da homeopatia, concorda com essa posição. A 128ª 'Assembleia Médica Alemã' declarou recentemente que
“o uso da homeopatia não é uma opção compatível com a medicina racional, não está pautado pelo  melhor tratamento possível e não contém uma compreensão adequada da responsabilidade médica e da ética médica”.

Mas tais argumentos não conseguem deter os homeopatas. Eles argumentam haver muitos ensaios clínicos de homeopatia que chegaram a conclusões positivas. E para ser justo, eles nem estão totalmente errados. Houve vários estudos que implicaram que a homeopatia funciona além do placebo.

Como assim? Por que alguns estudos de homeopatia mostram resultados positivos? A resposta óbvia é porque esses estudos não são rigorosos; eles não são randomizados, ou não são duplo-cegos, ou não são controlados por placebo, por exemplo. Mas essa suposição também pode não ser totalmente verdadeira.

Em 2020, Frass et al publicaram um ensaio que parecia provar que estava errado. Esse estudo randomizado, controlado por placebo e duplo-cego mostrou que a qualidade de vida de pacientes com câncer melhorou significativamente com a homeopatia em comparação ao placebo. Além disso, a sobrevivência foi significativamente maior no grupo da homeopatia em comparação ao placebo e ao controle.

Quando foi publicado pela primeira vez, esse estudo foi celebrado pelos homeopatas, enquanto levantou as sobrancelhas de muitos céticos. 

O teste parecia rigoroso, foi publicado em um periódico de alta reputação e conduzido por especialistas bem conhecidos. Seu autor principal, Michael Frass, era um professor respeitado na Escola Médica de Viena (a instituição à qual eu também pertenci).


Quando li seu artigo pela primeira vez, fiquei desconfiado, principalmente porque eu já havia descoberto que Frass (que eu nunca conheci pessoalmente) havia publicado nada menos que 12 estudos sobre homeopatia, todos chegando a conclusões positivas. Isso há muito tempo me levou à conclusão de que devia haver algo errado com a pesquisa de Frass.

Portanto, não fiquei surpreso que, logo após a publicação do novo teste de Frass, uma análise aprofundada por Norbert Aust e Viktor Weisshäupl revelou várias inconsistências importantes. Elas eventualmente levaram a reclamações tanto ao periódico Oncologist quanto à Vienna Medical School sobre suspeita de má conduta científica.

A Medical School então encaminhou o caso para a Austrian Agency for Scientific Integrity. A agência levou seu tempo, mas recentemente, mais de 3 anos após a publicação do estudo de Frass, eles disponibilizaram o resumo final on-line de sua avaliação; aqui está minha tradução de parte do documento:

Após estabelecer suspeita suficiente de várias violações de boas práticas científicas, a Comissão declarou-se responsável e iniciou procedimentos. No curso disso, o investigador principal teve a oportunidade de enviar uma declaração por escrito e fornecer à Comissão para Integridade em Pesquisa Relatório Anual de 2022 material que ajudaria a esclarecer os fatos do caso, que o acusado enviou em grandes quantidades.

Em uma investigação muito complexa e abrangente, que exigiu, entre outras coisas, a inspeção no local de documentos originais, a Comissão conseguiu comprovar a suspeita de falsificação, fabricação e manipulação de dados. Em uma declaração final, o diretor do estudo, que não trabalha mais para a universidade em questão, e os numerosos coautores foram informados em detalhes sobre o curso e os resultados da investigação da comissão e informados das recomendações à universidade e ao periódico.

A Comissão recomendou que a universidade em questão considerasse investigar suas próprias responsabilidades e agisse de acordo, e que a publicação fosse retirada com urgência. O periódico responsável pela publicação foi solicitado a retirar a publicação com base nas descobertas da investigação.

Infelizmente, o escândalo não termina aqui. Apesar do apelo urgente da Agência ao periódico para retirar o estudo fabricado, isso ainda não aconteceu. Apenas uma "expressão de preocupação" foi adicionada ao artigo no Medline. Ele está no ar há muitos meses e diz o seguinte:

"Esta é uma Expressão de Preocupação sobre: ​​Michael Frass, Peter Lechleitner, Christa Gründling, Claudia Pirker, Erwin Grasmuk-Siegl, Julian Domayer, Maximilian Hochmair, Katharina Gaertner, Cornelia Duscheck, Ilse Muchitsch, Christine Marosi, Michael Schumacher, Sabine Zöchbauer-Müller, Raj K. Manchanda, Andrea Schrott e Otto Burghuber, O tratamento homeopático como terapia complementar pode melhorar a qualidade de vida e prolongar a sobrevivência em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas: um estudo prospectivo, randomizado, controlado por placebo, duplo-cego, de três braços e multicêntrico, The Oncologist, Volume 25, Edição 12, dezembro de 2020, Páginas e1930–e1955, https://doi.org/10.1002/onco.13548"

Em agosto de 2022, os editores do periódico receberam informações confiáveis ​​da Agência Austríaca para Integridade em Pesquisa sobre potencial falsificação e manipulação de dados neste artigo. Enquanto a equipe editorial do The Oncologist investiga e se comunica com o autor correspondente, os editores estão publicando esta Expressão de Preocupação para alertar os leitores de que, enquanto aguardam o resultado e a revisão de uma investigação completa, os resultados da pesquisa apresentados podem não ser confiáveis.

Consequentemente, pacientes vulneráveis ​​com câncer ainda podem ser enganados pelas descobertas falsas de Frass e colegas.

A triste história de Frass e sua pesquisa ilustra alguns dos problemas fundamentais com a pesquisa em homeopatia em particular, e medicina alternativa em geral. Infelizmente, a fraude científica não é incomum na medicina. 

Na medicina convencional, os interesses financeiros são frequentemente a força motriz. Essa situação é muito diferente no campo da medicina alternativa, onde os conflitos ideológicos dominam.

Para resumir: pesquisadores neste campo tendem a iniciar estudos principalmente porque querem provar que sua terapia favorita é eficaz. 

Ao não testar honestamente suas hipóteses, mas desonestamente tentando prová-las, eles abusam da pesquisa. Isso permite que pessoas como Frass publiquem um resultado positivo para a homeopatia após o outro. No meu blog, eu resumo esse grupo crescente de pessoas no satiricamente chamado' ALTERNATIVE MEDICINE HALL OF FAME '. Atualmente, ele inclui 24 (pseudo)cientistas, 6 dos quais são especialistas em pesquisar homeopatia.

Tudo isso poderia ser bem divertido, mas, claro, também é muito sério. A fraude científica causa danos consideráveis. No caso do estudo Frass, temos até que nos perguntar quantas vidas de pessoas ele encurtou. Portanto, devemos procurar maneiras de minimizar esse fenômeno.

Isso certamente não seria uma tarefa fácil, e não há remédio patenteado para alcançá-la. No campo da medicina alternativa, há muito tempo cito pesquisadores como Michael Frass, que não produzem nada além de resultados implausíveis que enganam a todos nós. Esses médicos devem ser impedidos de receber financiamento público para pesquisa. Isso, pode-se esperar, impediria pelo menos alguns dos pseudocientistas cronicamente iludidos da medicina alternativa.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal