Pular para o conteúdo principal

Ataques do terrorismo islâmico revelam a impotência da Europa

A Alemanha mais uma vez foi alvo do extremismo armado islâmico, e o governo prometeu acabar com esse tipo de violência, também mais uma vez


AYAAN HIRSI ALIAYAAN HIRSI ALI
ativista, escritora, política e cristã somali-holandesa-americana

Todos os anos, tenho que escrever uma versão deste artigo porque acontecimentos como este parecem nunca parar. Todos os anos, os nossos líderes políticos prometem fazer alguma coisa. E a cada ano fica pior. Nas últimas duas semanas foi a vez da Alemanha. Semana que vem — quem sabe?

Na sexta-feira passada, por volta das 11h30, um afegão de 25 anos fez uma farra de facas em um comício em Mannheim. Ele esfaqueou Michael Stürzenberger, o organizador da manifestação, junto com um policial e quatro outras pessoas, antes que um segundo policial atirasse nele. Dois dias depois, o oficial sucumbiu aos ferimentos.

Ainda não sabemos tudo sobre o incidente. O que sabemos, porém, é que se trata de uma metáfora profundamente triste — e óbvia — para a forma como os países ocidentais funcionam. As pessoas protestam contra a violência islâmica. A imprensa os difama. Ataque islâmico. O estado tenta subjugar os manifestantes. Os islâmicos continuam atacando.

Não é a primeira vez que os protestos de Stürzenberger são atacados. Ele já foi agredido duas vezes por islâmicos, em 2013 e em 2022. Por quê? Bem, de acordo com a grande mídia, ele é um extremista de extrema direita. 

Como Euronews afirma: ele esteve “anteriormente ligado ao Pegida, um grupo xenófobo de extrema direita com fortes seguidores neonazis, o que levou a uma investigação por parte do Gabinete para a Proteção da Constituição do estado federal alemão”.

E o que esta investigação descobriu? Pouco mais do que o fato de ele ser um homem relativamente normal que condena a violência islâmica — e que, como muitas dessas pessoas, incluindo alguns dos meus amigos, acabou agora por ser esfaqueado. 

No entanto, a normalidade de Stürzenberger não impediu o sistema jurídico alemão de o perseguir. Uma de suas condenações foi por compartilhar no Facebook uma foto de um nazista apertando a mão de um clérigo islâmico, o Grande Mufti de Jerusalém. 

Não é uma foto adulterada. Apenas uma foto. Afinal, as fotos revelam fatos – mas na Alemanha, até mesmo compartilhar as estatísticas do próprio governo pode resultar em antecedentes criminais.

O ataque da semana
passada provocou a
resposta padrão do
establishment político
alemão. O Chanceler
condenou. Expressou
tristeza. O seu governo
promete investigar,
defender-se “com
determinação contra 
o terrorismo islâmico”. 
Mas alguém acreditou? 

Embora existam excepções como a Hungria, esses ataques parecem acontecer independentemente das fronteiras nacionais e independentemente de o país em questão ter um governo de esquerda ou de direita.

Os mais cínicos entre tendem a afirmar que isso continua acontecendo porque ninguém realmente se importa. Mas isso é um pensamento preguiçoso. Nem todos esses políticos são monstros irresponsáveis, por mais temporariamente gratificante que possa parecer dizer isso.

Então, por que eles parecem não fazer nada? Parte da resposta — uma parte significativa da resposta – reside no conjunto de políticas e pressupostos que todos os principais países europeus incluíram nas suas regras relativas à imigração.

O primeiro diz respeito aos tratados. Estes governos são signatários de tratados internacionais que, inadvertidamente, não lhes deixam outra opção senão deixar as suas fronteiras desprotegidas e permitir que migrantes indesejados permaneçam onde estão. A Convenção de Genebra sobre Refugiados. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Enquanto estas estiverem em vigor, os governos nacionais pouco poderão fazer para impedir a entrada dos islamistas — mesmo que o queiram.

A segunda diz respeito às constituições. As nações ocidentais cumprem as leis constitucionais que não lhes deixam outra alternativa senão permitir que os islamitas recrutem agentes e estabeleçam redes, mesquitas, escolas e instituições de caridade dedicadas à difusão do Islã político. Mais uma vez, não há nada que possam fazer, porque o Islã não é apontado na sua constituição como um motivo singular de preocupação. Se assim fosse, os advogados destas instituições iriam processar, dizendo ser ilegal tratar o Islão de forma diferente. E, o que é irritante, no sistema atual, eles estariam certos.

A terceira diz respeito às percepções. Os nossos governos assumem que qualquer pessoa — cidadão ou organização; jornalista, político ou acadêmico — crítico da forma como o governo lida com o islamismo é um fanático perigoso que deve ser envergonhado e silenciado. Talvez tais atitudes fossem perdoáveis ​​há meio século, mas é bastante óbvio agora que não há nada de preconceituoso em temer o Islamismo. 

Os islamitas deixam isso claro com cada vez mais regularidade. No entanto, não é como se qualquer ser humano estivesse imune aos efeitos da câmara de eco. As elites nadam numa piscina onde todos acreditam que o racismo está subjacente à oposição à abertura das fronteiras. Isto é particularmente verdadeiro no caso das elites alemãs, que continuam tão concentradas em impedir o ressurgimento do nazismo que o veem em todo o lado e estão cegas a qualquer outra ameaça.

O que isto significa é que, sem uma mudança sísmica, há muito pouco que possa ser feito facilmente em relação aos dois primeiros problemas. Mesmo que quisesse, o Chanceler da Alemanha não tem autoridade para alterar a lei básica da Alemanha, muito menos um mandato eleitoral. E embora o Bundestag pudesse praticamente retirar a Alemanha de alguns dos seus tratados internacionais, porque esses tratados subscrevem as relações internacionais da Alemanha, eles subscrevem o comércio de que a sua economia necessita para sobreviver.

O problema constitucional é amplamente semelhante. Todas as constituições carecem de uma previsão perfeita. Claro, é verdade que, quando estes documentos foram escritos, os estados não tinham nada a ver com tratar as religiões de forma diferente. Mas isso foi antes da chegada do Islamismo. Quando a migração islâmica realmente começou a sério, os dias de neutralidade processual deveriam ter terminado. E embora nada disto signifique que os muçulmanos pacíficos e patrióticos devam ser alvo, o islamismo — como bem sei — é claramente diferente.

Ainda não sabemos se o segundo agressor de Mannheim, que esfaqueou um político da AfD na noite de terça-feira, era um requerente de asilo. Ele pode ter sido apenas um imigrante comum, ou mesmo um cidadão nascido na Alemanha. Mas se eu fosse uma apostadora, apostaria que ele entrou num dos muitos esquemas concebidos para ajudar pessoas ameaçadas, em números muito pequenos, numa época anterior. 

A maioria das convenções em torno dos refugiados foi elaborada logo após a Segunda Guerra Mundial ou a Guerra Fria, tendo em mente os problemas desses conflitos. As coisas são diferentes agora e a mudança está matando as nossas nações.

Qual é a cura? Certamente não envolve a eleição de um governo de centro-direita. Como demonstraram os últimos 14 anos no Reino Unido, os governos de centro-direita não fazem nada. Em vez disso, o que é necessário é uma mudança no direito internacional e constitucional, ou acontecimentos como os da Alemanha continuarão a acontecer até que as nações da Europa entrem em colapso.

Sem dúvida escreverei este artigo novamente em um ano. E no ano seguinte. Mas se pensarmos grande e um número suficiente de nós acordar, um dia poderei parar.

Até então.

> Este artigo foi publicado originalmente no Restoration, boletim da ativista no Subastack.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C