Pular para o conteúdo principal

Municípios que mais votaram em Bolsonaro sofrearam mais impacto de mortes na pandemia

Análise de revista científica considerou votos nos primeiros turnos de eleições para presidente de 2018 e 2022 para o Partido Social Liberal (PSL) e Partido Liberal (PL), de Bolsonaro, e para o Partido dos Trabalhadores (PT) 


Agência Bori

O contexto de polarização política pode ter prejudicado a vida de centenas de brasileiros nos últimos anos. Segundo pesquisa inédita liderada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), os municípios brasileiros com porcentagem maior de votos em Jair Bolsonaro no primeiro turno nas eleições presidenciais de 2018 e de 2022 também foram os que registraram mais excesso de mortes nos picos da pandemia de Covid-19, em agosto de 2020 e abril de 2021. 
Os resultados, desenvolvidos em colaboração com a Fiocruz Bahia e Universidade Federal da Bahia (UFBA), estão em artigo publicado na segunda (20) na revista científica “Cadernos de Saúde Pública”.

Com base nas tensões políticas vividas nos dois últimos pleitos, intercaladas por uma pandemia que vitimou 710 mil brasileiros, os pesquisadores buscaram por possíveis associações entre a distribuição espacial de votos das eleições presidenciais de 2018 e 2022 e excesso de mortes por município durante a emergência sanitária.

Segundo a análise, os municípios brasileiros tiveram um excesso de mortes de 23%, em agosto de 2020, e 44%, em abril de 2021, em comparação à média mensal de mortes por município nos cinco anos anteriores à pandemia. Cerca de 13% e 23% desse excesso de mortes foi devido à Covid-19. 

Em termos gerais, cada aumento de 1% dos votos municipais para Bolsonaro, de 2018 a 2022, correspondeu a um aumento de 0,48% a 0,64% no excesso de mortalidade municipal durante os picos da pandemia.

Para chegar a essa equação, foram utilizados dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, da Justiça Eleitoral e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

O excesso de mortes para cada município foi calculado comparando o número de mortes nos meses de 2020 e 2021 com a média mensal de mortes nos cinco anos anteriores à pandemia de Covid-19. 

A análise considerou os votos nos primeiros turnos de eleições para presidente de 2018 e 2022 para o Partido Social Liberal (PSL) e Partido Liberal (PL), de Bolsonaro, e para o Partido dos Trabalhadores (PT).

“Ao analisar os mapas descritivos de excesso de óbitos e sua distribuição no espaço, percebemos que tinha um padrão espacial muito semelhante à distribuição espacial do eleitorado Bolsonaro em 2018 e 2022”, comenta o autor do estudo, pesquisador da Unicamp Everton Campos de Lima. Essa distribuição se concentrou em municípios do Sul-Sudeste e Centro-Oeste do país, além de grandes centros urbanos de outras regiões do Brasil. 

“Um ponto interessante é que o padrão espacial do eleitorado pró-Bolsonaro se manteve quase inalterado em quatro anos”.

Diferentemente do que se esperava, o alto número de mortes nos picos da pandemia não se traduziu em menor adesão do eleitorado ao Bolsonaro em 2022. E os resultados seguiram com associação positiva entre municípios com alto número de mortes e maioria de votos em Bolsonaro neste segundo pleito. Por outro lado, a candidatura opositora, liderada pelo PT, teve associação negativa entre votos e mortes, levantando a hipótese de que pessoas no outro espectro político tenham adotado medidas preventivas e sanitárias de forma mais intensa durante a pandemia.

Em parte, a relação entre excesso de mortes e votos pode ser explicada pela descrença de lideranças políticas da gestão Bolsonaro na gravidade da pandemia, o que provocou atrasos na campanha de vacinação no momento em que o Brasil se tornava um dos principais epicentros da Covid-19 e da mortalidade no mundo.

“O voto pode representar um conjunto de atitudes do eleitorado em sintonia com as ações de seu líder político, mas também pode refletir nas medidas sanitárias inadequadas adotadas pelos governos municipais, onde Bolsonaro teve grande número de eleitores”, explica Lima.

Chamada pelos estudiosos de ‘polarização afetiva’, a postura política do ‘nós contra eles’ criou bolhas sociais distintas, que recebem diferentes tipos de informação. Segundo Lima, esse contexto polarizado pode prejudicar, inclusive, a implementação de políticas públicas, como aconteceu com a campanha de vacinação de Covid-19. 

“A todo instante, a ciência pode sofrer represálias, principalmente quando os resultados de uma pesquisa não condizem com as crenças de um dos lados políticos”, pontua o pesquisador. Para reverter esse quadro, o trabalho sugere expor a população a opiniões contrárias a sua posição política.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C