Pular para o conteúdo principal

Populismo une religião e nacionalismo em diferentes países. E a extrema direita avança

O movimento conservador usa cada vez mais símbolos religiosos para mobilizar seus apoiadores 


Ahmet T. Kuru
professor de ciência política e diretor do Centro de Estudos Islâmico, Estados Unidos

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Não esperava que a viagem promocional que fiz para o lançamento do meu último livro na Malásia terminasse num confronto com homens que se faziam passar por agentes da polícia num aeroporto de Kuala Lumpur.

Cheguei a este país predominantemente muçulmano no início de janeiro de 2024 para promover a tradução para o malaio do meu livro "Islam, Authoritarianism, and Underdevelopment", uma análise acadêmica das crises políticas e socioeconómicas que muitas sociedades muçulmanas enfrentam hoje. i

Na Malásia, minha visita atraiu uma atenção que eu poderia ter dispensado . Alguns conservadores e islamistas chamaram-me de “liberal” nas redes sociais – um termo usado pela Agência Federal da Malásia , que administra assuntos islâmicos, para se referir àqueles que se opõem à religião oficial, o Islão sunita. Isto foi seguido pelo cancelamento do lançamento do meu livro .

No entanto, consegui implementar parte do programa planejado participando de outras discussões públicas em torno do meu livro. 

Dois homens que se identificaram como policiais compareceram ao meu último evento e questionaram meu editor. No dia seguinte, no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, quando eu deveria pegar um voo para o Paquistão, os mesmos homens me interrogaram e tentaram confiscar meu passaporte. Preocupado com a minha segurança, cancelei uma série de entrevistas marcadas em Lahore e Islamabad e regressei aos Estados Unidos.

Quando o incidente de Kuala Lumpur foi noticiado nos meios de comunicação malaios, o Inspector-Geral da Polícia Malaia negou que tivessem sido enviados agentes para me interrogar. No entanto, um grupo de direitos humanos apelou a uma investigação mais aprofundada do meu caso.


No Brasil, o populista de
extrema direita Bolsonaro
tem o apoio de evangélicos

Como especialista em história comparada da religião e da política, sei que o que me aconteceu não é uma manifestação isolada de intolerância religiosa em países de maioria muçulmana. Pelo contrário, esse episódio insere-se num contexto mais amplo.

A minha investigação mostra que existe uma tendência global crescente para a repressão de pontos de vista dissidentes e de minorias religiosas.

A análise dessa tendência é essencial para compreender por que razão os líderes populistas de direita lideram agora países tão diversos como a Turquia, a Rússia , Israel e a Índia, e como poderão ascender ao poder noutros lugares, incluindo os Estados Unidos .

Todos esses países foram recentemente palco da associação de três fenómenos: o conservadorismo religioso, o nacionalismo e o populismo.

Religião e Nacionalismo: Velhos Inimigos, Aliados Recentes

Na história cristã e muçulmana, o nacionalismo emergiu inicialmente como um fenómeno oposto ao poder religioso global. Especialistas do nacionalismo como Benedict Anderson explicam o seu surgimento na Europa após o século XVI  pela expansão das línguas vernáculas, das igrejas nacionais e dos estados-nação em detrimento do latim, do Vaticano e das dinastias de ordem divina.

Da mesma forma, em muitos países de maioria muçulmana, há muito que existe tensão entre islamistas e nacionalistas. Os islamistas defendem a educação religiosa tradicional e a aplicação da lei islâmica e enfatizam uma identidade muçulmana que transcende as fronteiras nacionais. Os nacionalistas, por outro lado, modernizaram a educação, estabeleceram leis seculares e enfatizaram a identidade nacional.

Essa oposição continuou ao longo do século XX  na Turquia, onde os nacionalistas liderados por Mustafa Kemal Atatürk fundaram uma república secular na década de 1920. Uma luta semelhante ocorreu no Egito entre os islamitas da Irmandade Muçulmana e os oficiais nacionalistas que construíram a república sob a liderança do secularista Gamal Abdel Nasser na década de 1950.

Hoje, porém, a situação mudou: as forças religiosas e nacionalistas são frequentemente aliadas políticas. Há mais de uma década que tal aliança existe na Rússia entre o Patriarca Ortodoxo Kirill e o Presidente Vladimir Putin

Na Rússia, as leis que punem insultos aos sentimentos religiosos foram ampliadas e os valores cristãos ortodoxos foram reintroduzidos nos currículos escolares. Quanto ao apoio contínuo de Kirill à invasão da Ucrânia por Putin, é um reflexo da ideologia nacionalista que os dois homens partilham .

Na Turquia, a principal autoridade religiosa é a Diyanet, uma agência governamental que controla mesquitas e paga os salários dos seus imãs.

Embora a Diyanet tenha sido criada por Atatürk para servir políticas nacionalistas seculares, tornou-se um pilar importante do governo do Presidente Recep Tayyip Erdogan, que mistura islamismo e nacionalismo. Embora o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) de Erdogan represente o islamismo, o seu parceiro de coligação de uma década, o Partido da Ação Nacionalista, tem uma agenda explicitamente nacionalista.

No mundo árabe, o Egito secular e nacionalista de Nasser opôs-se à Arábia Saudita islâmica nas décadas de 1950 e 1960 . Esse não é mais o caso hoje. O Egito, que evoluiu para o islamismo com uma Constituição, adotada em 1980, referindo-se à lei Sharia como fonte do direito, e a Arábia Saudita, que recentemente se tornou menos islâmica e mais nacionalista devido às reformas lideradas pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, são agora aliados regionais.

A era dos líderes populistas

O que explica essa transformação na relação entre religião e nacionalismo? Na minha opinião, o populismo é a cola que os une.

Os populistas afirmam frequentemente defender “o povo” tanto contra as elites como contra as minorias, especialmente os imigrantes.

Recentemente, os líderes nacionalistas populistas começaram a fazer uso extensivo de símbolos religiosos para mobilizar os seus apoiantes. Por exemplo, em 2016, Putin conseguiu garantir a construção de uma igreja ortodoxa no centro de Paris, às margens do Sena, perto da Torre Eiffel. 

E em 2020, Erdogan anunciou que Hagia Sophia estava mais uma vez a tornar-se uma mesquita – tinha sido uma igreja durante mais de um milénio até à conquista otomana de Istambul em 1453, depois uma mesquita durante cerca de 500 anos até 'Atatürk a transformar num museu.

Em 22 de janeiro de 2024, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi inaugurou um templo hindu em Ayodhya, no local de uma mesquita construída em 1528 e destruída em 1992 por radicais hindus, após um século de controvérsia sobre o terreno onde estava. foi construído.

Por sua vez, o ex-presidente americano Donald Trump, embora não tenha mandado construir uma catedral, destacou-se em particular por brandir uma Bíblia num momento crucial – durante as manifestações Black Lives Matter em junho de 2020 –, forma de colocar a sua animosidade para com os manifestantes sob o signo da religião.

Por esses atos, os líderes populistas procuram usar tanto a religião como o nacionalismo para promover a sua agenda política. Contudo, o uso desta retórica também pode sinalizar às minorias religiosas que são vistas como cidadãos secundários.

O futuro das minorias religiosas

Em vários países, as alianças entre forças religiosas e nacionalistas populistas representam ameaças aos direitos das minorias.

É o caso da Malásia, um país de grande diversidade étnica e religiosa, onde os malaios muçulmanos são maioria, enquanto as comunidades budistas, cristãs e hindus constituem um terço da sociedade.

Como descobri durante a minha recente visita ao país, o Islã está no centro dos debates políticos sobre o nacionalismo na Malásia. Por exemplo, em 13 de janeiro de 2024, Mahathir Mohamad, o influente antigo primeiro-ministro, disse que os cidadãos chineses e indianos da Malásia não eram totalmente "leais ao país" e propôs a sua "assimilação" como solução.

A assimilação das minorias étnicas pela maioria não pode ser limitada à língua e à cultura, uma vez que a Constituição do país liga o Islã à identidade malaia, estipulando que “Malaio” significa uma pessoa que professa o Islã, fala habitualmente a língua malaia e segue os costumes malaios.

Para os malaios, renunciar oficialmente ao Islã não é uma opção – tanto os tribunais civis como os tribunais da sharia opuseram-se a isso.

A estreita ligação entre a religião e o nacionalismo malaio permitiu que as autoridades islâmicas, como os tribunais da sharia e a polícia da sharia, expandissem a sua influência. A crescente islamização do governo malaio é uma fonte de preocupação para as minorias não muçulmanas.

Ao mesmo tempo, as minorias muçulmanas estão preocupadas com os seus direitos em vários países não muçulmanos governados por nacionalistas populistas.

De acordo com o órgão de vigilância da democracia Freedom House, o governo Modi da Índia está implementando políticas discriminatórias contra a minoria muçulmana, que conta com cerca de 200 milhões de pessoas. Estas políticas incluem a destruição de propriedades muçulmanas a tal ponto que as escavadoras se tornaram símbolos “nacionalistas hindus” e “anti-muçulmanos” na Índia .

Nos Estados Unidos, durante o mandato de Donald Trump, foi aplicada uma política hostil à imigração, nomeadamente a famosa “proibição muçulmana” – um decreto que proibia a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de certos países de maioria muçulmana.

 Durante a sua atual campanha eleitoral para as eleições presidenciais de 2024, Trump prometeu, em caso de vitória, restabelecer a proibição muçulmana e até aumentar o seu alcance .

Como mostra a experiência de muitos países em todo o mundo, a tendência para promover uma agenda nacionalista religiosa representa uma ameaça para as minorias. Essa tendência representa um grande desafio aos ideais de democracia e igualdade dos cidadãos em todo o mundo.

Essas preocupações também me dizem respeito pessoalmente: como muçulmano americano, quero continuar a beneficiar plenamente do meu estatuto de cidadania nos Estados Unidos e continuar a dar palestras sobre o Islão em países de maioria muçulmana, sem ser assediado pela polícia.

> Esse texto foi publicado originalmente em inglês.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa