Pular para o conteúdo principal

Irã intensifica repressão às mulheres para o uso obrigatório do hijab

Polícia da moralidade está mobilizada em nova campanha de agressão às mulheres que desafiarem o regime teocrático de Ali Khamenei


Em meio a tensões regionais e à persistência de protestos pela morte de Mahsa Amini, 22, em setembro de 2022, as autoridades iranianas lançaram uma nova campanha agressiva para impor o hijab obrigatório, apelidada de Plano Nour. 

Anunciada em 13 de abril, a campanha tenta revigorar a aplicação da lei, que passou a ser desobedecida após indignação com a morte de Amini sob custódia policial por “hijab impróprio”.


Protesto mostra cartaz
com o rosto de Mahsa
Amini, vítima fatal
do regime teocrático
FOTO: REPRODUÇÃO DA REDE SOCIAL

O Líder Supremo do Irã, Ali Khamenei, intensificou a retórica contra a dissidência, classificando a resistência às leis do hijab como um “desafio imposto” que o regime deve enfrentar com medidas mais duras. 

Em consequência, aumentou a violência da polícia da moralidade. Vídeos de abordagens a mulheres se tornaram virais.

A repressão também se estendeu às universidades, incluindo a Universidade Amir Kabir em Teerã, onde mais de 200 estudantes entraram em greve no final de abril para protestar contra agentes de segurança que visavam o vestuário das estudantes.

Ativistas iranianos estão usando na internet a hashtag #guerracontraasmulheres, com denúncias à falta da liberdade de expressão.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa