Pular para o conteúdo principal

Ala angolana da Igreja Universal denuncia detenção de mais de 40 pastores

Angolanos afirmam que, na reabertura dos templos, houve confronto com fiéis da ala brasileira



Lusa
agência de notícias financiada pelo governo português

Em comunicado, a ala "reformista" da IURD (Igreja Universal do Reino do Deus) liderada pelo bispo Valente Bizerra Luís referiu que se registou, no domingo (14.04), um confronto entre as duas alas, o que obrigou a intervenção da polícia, tendo sido detidos mais de 40 pastores e obreiros.

"Até ao momento não existe nenhum auto de notícia com a identificação dos sujeitos [detidos], do crime, tão pouco da sua localização, optando pelo silêncio e, recusam-se a dizer onde estão, preferindo dizer apenas: ão podemos falar nada por ordens superiores", lê-se na nota.

Para esta ala da IURD Angola, a forma como aconteceram as detenções viola o direito de informação, previsto na Constituição angolana, e traduz-se em "abuso de autoridade, que torna os detidos reféns com a intenção de coagir uma coletividade a uma ação ou omissão".

A laicidade "precisa de ser material e não formal", salienta-se ainda na nota, contestando o que denominam tratar-se de "atrocidades e sucessivas violações dos direitos humanos e ilegalidades praticadas por agentes da polícia nacional".

Imagens que circulam nas redes sociais confirmam o confronto entre fiéis no domingo, dia em que alguns templos da IURD foram reabertos, entre eles da catedral do Alvalade, cuja missa foi dirigida pelo bispo Alberto Segunda, líder da ala brasileira.
Conflito remonta a 2019

Em novembro de 2019, dissidentes da IURD em Angola acusaram a direção brasileira de crimes financeiros, racismo, discriminação e abuso de autoridade, entre outros, e constituíram uma ala reformista, reconhecida pelo Governo angolano como legítima representante do movimento religioso brasileiro.

Na sequência, foram constituídos arguidos quatro membros da liderança da IURD, absolvidos em março de 2022, da maioria das acusações, exceto o ex-responsável Honorilton Gonçalves, condenado a três anos de prisão, com pena suspensa, pelo crime de violência física e psicológica.

O conflito deu origem a duas alas - a de origem brasileira, liderada agora pelo angolano Alberto Segunda, e a ala dissidente, angolana, dirigida por Bizerra Luís - que reclamam ser as legítimas representantes da Igreja fundada por Edir Macedo.

O Governo angolano reconheceu a nova denominação da IURD Angola, Igreja do Reino de Deus em Angola (IRDA), determinando também a transferência de todo o património para a IRDA.

As alterações saídas da reunião extraordinária do conselho de direção da IURD Angolana, realizada em 08 de fevereiro, foram confirmadas no decreto executivo n.º74/24 de 14 de março do Ministério da Cultura e Turismo angolano.

Ainda em março, algumas dezenas de fiéis e pastores da IURD Angola protestaram em Luanda contra o despacho governamental que atribui nova denominação à instituição religiosa, considerando que a decisão foi "viciada", em favor da ala brasileira.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios