Pular para o conteúdo principal

Saiba de alguns segredos de um órgão pequeno, forte, flexível e incansável: a língua

No total, são cerca de 10 mil papilas com geometria e topologia únicas para cada pessoa


Maria Pilar López Rovo
professora e pesquisadora de fisioterapia da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade San Jorge, Espanha

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Degustar um delicioso chocolate quente pode nos levar de volta à infância. Esse momento “doce” ilustra perfeitamente a ligação entre o sentido do paladar e a estimulação da memória e dos sentimentos que ocorre quando somos apresentados a determinados sabores. Falamos sobre a conexão oral-intestinal-cerebral-emocional.    


Mas para que esta associação exista precisamos de recorrer a um dos principais órgãos do nosso corpo, fonte de inúmeras experiências sensoriais e culinárias: a língua.

Suas papilas são únicas

O que sabemos e descobrimos sobre a língua nunca deixa de nos surpreender. Assim, um grupo de investigadores acaba de se aprofundar, como explicam num artigo publicado pela Nature Scientific Reports, na natureza das papilas linguais, com resultados fascinantes.

A língua é dotada de quatro variedades de papilas: filiformes, circunvaladas, foliadas e fungiformes. Enquanto os primeiros contribuem para a rugosidade da superfície do órgão e não possuem receptores gustativos, os outros três são classificados como papilas gustativas.

Elas abrigam células receptoras que reagem a diversos estímulos químicos, permitindo a distinção dos sabores doce, salgado, azedo, amargo, umami, adstringente e metálico. Os três últimos são adições recentes.

Estudos indicam haver
ligação entre as
características da
língua e preferências
alimentares

Os especialistas realizaram exames microscópicos 3D e, graças ao aprendizado de máquina (ferramenta de inteligência artificial), descobriram que as características geométricas e topológicas das papilas são únicas e consistentes entre os indivíduos. A ponto de poderem ser utilizados como método de identificação pessoal.

Após analisar os dados, descobriram também que eram especialmente eficazes na previsão de variáveis ​​biológicas como idade e sexo com um certo grau de precisão. Isso reafirma que as papilas de cada pessoa são únicas.

E se isso não bastasse, os resultados do trabalho sugerem uma ligação profunda entre esta singularidade e as nossas preferências alimentares. 

Os novos conhecimentos poderão traduzir-se, por exemplo, no desenvolvimento de alimentos saudáveis ​​que também sejam apreciados por cada indivíduo, um sonho para a maioria da humanidade. Isso ajudaria a prevenir muitas patologias relacionadas com o que colocamos na boca, como diabetes ou colesterol.


Finalmente, as descobertas abrem um caminho para a investigação para melhorar o diagnóstico precoce do cancro oral, segundo os especialistas.

Um órgão incansável

Além das papilas, a língua possui outras características surpreendentes. Em primeiro lugar, e graças aos 17 músculos que o compõem, é um dos órgãos mais fortes e flexíveis do corpo humano. Supera o desempenho, por exemplo, do quadríceps ou glúteo proporcionalmente ao seu tamanho.

Por outro lado, é o único grupo de músculos voluntários que não se cansa após o uso. Podemos passar horas e horas em conversas eternas sem depois sofrer a temida “rigidez”. Não descansa nem quando dormimos, pois sua atividade é necessária para poder engolir saliva.

Seus movimentos também são essenciais para comer e transportar os alimentos de um local para outro e mastigá-los, enquanto os bebês os utilizam para fazer o movimento de sucção ao amamentar. 

Papilas gustativas
no microscópio

FOTO: DR. NORBERT LANGE / SHUTTERSTOCK

Um dado curioso: entre 65 e 81% da população consegue dobrar a língua em forma de u. Estudos em irmãos gêmeos determinaram que esta capacidade é influenciada não apenas pela herança genética, mas também por fatores ambientais.

Além disso, é a parte do corpo que cicatriza mais rapidamente. Os tecidos que a formam e o contato constante com a saliva permitem que as feridas e pequenas feridas que se formam na língua desapareçam em muito pouco tempo.

Precisamente, um estudo realizado em 2017 detectou na saliva um peptídeo (histatina-1) que promove a formação de vasos sanguíneos, essenciais para o processo de cicatrização.

Marcado pelo estresse

Embora a língua também tenha suas fraquezas: como outras partes do nosso corpo, ela é afetada pelo estresse ou pela ansiedade, o que pode nos levar a ter uma "língua dentada". Este é o nome dado à adaptação do seu formato aos dentes, que é causada, na maioria das vezes, pela imposição excessiva da língua.

E por fim, voltaremos às papilas gustativas. Você sabia que quando nascemos eles estão distribuídos pela boca? Com o tempo, essa dotação papilar vai diminuindo e só ficam as que estão na língua, que não são poucas: temos cerca de 10 mil.

Concluindo, o órgão muscular da língua, embora pequeno em comparação com outros músculos do corpo, desempenha um papel crucial em funções básicas como engolir, falar e sentir o paladar. Incansável, super flexível e resistente, conhecê-lo melhor pode abrir caminhos insuspeitados para a medicina e, porque não, para o prazer da comida.

> Com informação da Nature Scientific Reports.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m