Pular para o conteúdo principal

Diagnóstico de autismo é maior para filho de mãe branca com pré-natal em clínica particular

Resultado da pesquisa feita com dados da última década pode ser reflexo das desigualdades no acesso aos serviços de saúde   Fatores socioeconômicos e demográficos, como raça e idade da mãe, e tipo de cuidado recebido durante a gestação são determinantes para o diagnóstico do transtorno do espectro autista em crianças e adolescentes. 

As conclusões são de uma pesquisa da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em Minas Gerais, publicada no periódico científico “Portuguese Journal of Public Health”, da editora Karger

Os dados podem ajudar na criação de políticas públicas de acesso ao tratamento e diagnóstico do autismo em crianças.

O estudo foi realizado na cidade mineira de Montes Claros na última década (2014 e 2023) e envolveu 1134 crianças e adolescentes de dois a 15 anos — 248 diagnosticadas com autismo e 886 fora do espectro. 

Cuidado recebido durante
a gestão é crucial no
diagnóstico do autismo
FOTO: COTTONBRO STUDIO / PEXELS

No grupo das crianças com o transtorno, 66 mães se autodeclararam brancas e 182 não brancas. Os pesquisadores coletaram dados em entrevistas com as mães e documentos oficiais e usaram testes estatísticos para traçar um perfil socioeconômico e demográfico do transtorno do espectro autista nesta população.

Características maternas, como idade e raça, e tipo de cuidado recebido durante a gestação foram apontadas como cruciais no diagnóstico do autismo nessa faixa etária. 

Mães brancas tiveram 49% mais chance de terem filhos diagnosticados no espectro em comparação com outras raças. 

Crianças que receberam cuidados pré-natais em clínicas e hospitais privados ou filhos de mães com mais de 25 anos tiveram o dobro de chance de serem diagnosticadas com o transtorno do espectro autista.

Segundo destaca a autora do artigo Marise Fagundes Silveira, da Unimontes, esses resultados podem refletir desigualdades no acesso aos serviços de saúde. 

“Com exceção da idade materna, que pode estar relacionada com o desenvolvimento do autismo, acreditamos que a diferença de diagnóstico de mães brancas e pretas pode ter relação com as condições de acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento”, diz Silveira.

Isso é importante: de acordo com dados da Abramge (Associação Brasileira de Planos de Saúde), os custos com tratamentos para transtorno do espectro do autismo (TEA) superaram os gastos com tratamentos oncológicos nos planos privados.


Em 2023, os custos com TEA atingiram 9% do custo médico total, ultrapassando os 8,7% destinados aos tratamentos de câncer.

O gênero da criança também foi crucial para o diagnóstico de pacientes com o espectro. Os meninos apresentaram uma probabilidade de serem diagnosticados com o distúrbio no nascimento quatro vezes maior que as meninas. Isso pode acontecer devido à influência dos hormônios masculinos no desenvolvimento fetal e comportamental.

“O fato do transtorno de espectro autista ser associado a características mais comuns em meninos, como inflexibilidade cognitiva e emocional, pode dificultar o diagnóstico em meninas e levar a equívocos nos diagnósticos de saúde mental na idade adulta”, explica o coautor do estudo Gabriel Mangabeira, psiquiatra e pesquisador do Programa de Ensino, Pesquisa e Extensão sobre o Transtorno do Espectro do Autismo, da Unimontes.

A pesquisa, inédita na América Latina segundo os pesquisadores, pode ter papel relevante na formulação de políticas destinadas a reduzir as disparidades no acesso ao diagnóstico e tratamento adequados do transtorno de espectro autista. 

Agora, a equipe busca apoio para implementar um instrumento de baixo custo idealizado durante o estudo para auxiliar no diagnóstico e avaliações clínicas de crianças com autismo.

> Com informação “Portuguese Journal of Public Health”.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Entre os 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública de Caxias

Ateu, Chico Anysio teve de enfrentar a ira de crentes