Pular para o conteúdo principal

Quando nasceu o escritor de ficção científica Isaac Asimov? Ele mesmo escolheu a data

Humanista e visionário, ele antecipou o desenvolvimento da tecnologia, com a do computador


José María Lavín de la Cavada
diretor de mestrado da Universidade de Comunicação Social e Cultural da Universidade Internacional de Valência, Espanha

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Ele mesmo escolheu sua data de nascimento. Um bom começo na vida de um imortal da ficção científica como Isaac Asimov. Ele nasceu em Petrovichi, uma pequena aldeia russa, e quando ele veio ao mundo ninguém tomou nota, nenhum registro foi feito. Ele nasceu entre 4 de outubro de 1919 e 2 de janeiro de 1920. Foi ele mesmo quem escolheu esta última data como seu aniversário. Oficialmente, em 2 de janeiro de 1920, nasceu Isaac Asimov.

Romancista, cientista, divulgador cultural... Russo de nascimento, mas verdadeiro nova-iorquino do Brooklyn, Asimov criou mundos e jornadas dos quais nunca participou. Ele deu vida a robôs e civilizações sem sair da costa leste dos Estados Unidos, onde trabalhou como professor de bioquímica em diversas universidades.

Escreveu guias para a Bíblia

Começou a escrever ficção científica em 1939, aos 19 anos, e continuou ao longo da vida, embora já estivesse ampliando muito seu repertório, abordando muito mais gêneros do que a fantasia científica.

Da divulgação científica ao estudo religioso, com seus guias sobre o Antigo e o Novo Testamento, [embora fosse ateu] passando por seus livros de história, Asimov foi um dos autores mais prolíficos do século XX e um dos pais do que se chamou de cultura popular.

Mural de Isaac Asimov
em Santiago de Chile

FOTO: MUSEU DE ARTE CALLEIERO

Apesar dessa facilidade em trabalhar em diferentes gêneros literários, Asimov é um dos nomes mais brilhantes da galáxia dos escritores de ficção científica, ao lado de Arthur C. Clarke, Phillip K. Dick e Ray Bradbury, entre outros.

A morte de um império galáctico

Em sua obra mais famosa, a série Fundações — composta por “Fundação” (1951), “Fundação e Império” (1952) e “Segunda Fundação” (1953), posteriormente ampliada em outros quatro livros e diversas histórias —, Asimov colocou estatísticas, robótica, psicologia e astronomia em seu caldeirão de poções mágicas para nos contar a história de um Império Galáctico que estava morrendo, inspirado no Império Romano.

A sua capacidade de temperar o imaginado com o real, aliada a uma comunicação escrita que prima pela limpeza, honestidade e simplicidade, distingue-o de outros autores do gênero.

Ficção para falar sobre o ser humano

Asimov usou a ciência para falar da humanidade, do ser humano. A ficção científica sempre foi um caminho e não um fim. Não estava em seu espírito nos sobrecarregar com explicações confusas, mas mostrar como os seres humanos do futuro eram movidos pelas mesmas paixões e vicissitudes que os do presente.

Esse humanismo o levou a propor como os robôs deveriam se relacionar com os seres humanos, e ele criou suas conhecidas três Leis da Robótica, descritas no conto Círculo Vicioso (1948). Essas leis tiveram uma influência notável na criação da ficção científica, mas também na ciência, e estão incluídas nos fundamentos do desenvolvimento da inteligência artificial.

Como visionário, Asimov só poderia ser comparado a Júlio Verne. Entre outras previsões do futuro, Asimov anunciou a criação do computador e detalhou seu funcionamento quinze anos antes de cientistas da Universidade da Pensilvânia apresentarem o [ENIAC], o primeiro eletrônico cérebro na história.

Personagens inesquecíveis

Uma de suas personagens mais famosas e bem-sucedidas é uma mulher, Dra. Susan Calvin, a primeira psicóloga robótica da história da humanidade. Dr. Calvin, com Hari Seldon, estrelam a primeira parte da saga da Fundação.

Também inesquecível é Andrew Martin, o robô que se torna humano em O Homem Bicentenário (1978). Inspirado em Pinóquio (1883), de Carlo Collodi, em seu Homem Bicentenário, Asimov transforma uma máquina em humano.

As criações de Asimov são totalmente atuais em adaptações para séries e filmes. O Homem Bicentenário (1999, Chris Columbus) e Voyage Aucinante (1966, Richard Fleischer) tiveram grande sucesso, e o mesmo aconteceu com I, Robot (2004, Alex Proyas) e com a série Fundación (2021). Embora nestes dois últimos casos as licenças obtidas com as obras originais tenham sido enormes.

Isaac Asimov morreu de AIDS em 1992. Ele contraiu o vírus em uma transfusão de sangue dada para uma cirurgia cardiovascular. Naquela época a família decidiu não contar, mas foi incluído na biografia póstuma do autor.

O legado de Isaac Asimov permanece vivo em seus escritos, que continuam a inspirar gerações de leitores e cientistas. A sua capacidade de antecipar os desenvolvimentos tecnológicos e sociais, a sua habilidade na divulgação científica e a sua influência na ética da inteligência artificial fazem dele uma figura imortal na intersecção da ciência e da imaginação.

Esse texto foi escrito originalmente em espanhol.

• 'Star Trek: Discovery' veta menção de personagem a 'deus'

• A ciência precisa chegar às padarias e botequins, diz brasileira consultora da Nasa

• Ciência é a única e verdadeira salvadora da humanidade

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Juiz que anulou união estável gay é pastor da Assembleia de Deus

Pastor Boas: "Não  nego minha fé" O juiz  Jeronymo Pedro Villas Boas (foto), 45, da 1º Vara da Fazenda Municipal e de Registros de Goiânia (GO), que anulou a união de um casal homossexual, admitiu hoje (22) que é pastor. "Sou pastor da Assembleia de Deus Madureira e não nego minha fé." Ele reafirmou  que a sua decisão está amparada pela Constituição que exige que para uma união o casal receba a autorização de um juiz. Justificou que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que garante aos homossexuais os mesmo direito civis dos demais brasileiros, não é vinculante e o acórdão daquela sessão ainda não foi publicado. "As pessoas no Brasil para viverem juntas e se unirem têm que ter os requisitos formais da lei. Quem reconhece isso é um juiz.". O juiz foi convidado a participar hoje (22)  de uma sessão da bancada Evangélica da Câmara, que entregou a ele uma moção de apoio. A corregedora-geral de Justiça de Goiás, Beatriz Figueiredo Franco

As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça