Pular para o conteúdo principal

Pesquisas indicam que o Mal de Alzheimer pode ser o diabetes tipo 3

A nova abordagem não é consenso na comunidade científica, mas ela significa outra linha de  enfrentamento à doença


Javier Sánchez Perona
membro do CSIC (Conselho Superior de Investigações Científicas), agência estatal da Espanha

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Poucas doenças têm um impacto tão devastador como o Mal de Alzheimer. Sabemos que com a idade perderemos a memória, mas ficamos aterrorizados com a ideia de que eventualmente não seremos capazes de reconhecer os nossos entes queridos ou a nós mesmos.

Essas memórias, que ficaram armazenadas no cérebro, vão se apagando até desaparecerem por completo. Embora os esforços para encontrar um tratamento ainda não tenham produzido os resultados desejados, aprendemos muito ao longo do caminho.

Pesquisas recentes propuseram uma nova abordagem para o desenvolvimento da doença de Alzheimer. Ists pode não ser apenas uma questão da acumulação de placas beta-amilóides e de emaranhados de tau hiperfosforilados, como se pensava anteriormente, mas também sobre como as nossas células cerebrais interagem com a insulina.

A insulina é um hormônio que regula as concentrações de glicose no sangue, estando intimamente ligada a outra doença, o diabetes mellitus. Na verdade, ambas as doenças partilham fatores de risco: idade avançada, dieta, obesidade e inflamação crônica.

Poderia haver uma relação entre o cérebro e o pâncreas que ligasse as duas doenças?

Vamos imaginar por um momento que as conexões neurais se assemelham a cabos em uma rede elétrica através dos quais as informações do pensamento e da memória seriam transmitidas. Esses cabos partem de neurônios e chegam a outros. 

Problemas metabólicos
associados à insulina
causas diabetes e também
interferem no cérebro

Os neurônios são células que precisam de combustível para funcionar, e o combustível essencial é, justamente, a glicose. A insulina atua como um sino na porta das células. Quando a campainha toca, a célula sabe que deve abrir a porta para a entrada da glicose. Sem essa campainha, mesmo que haja glicose abundante no sangue, a célula não percebe, não abre a porta e não recebe o combustível.

Quando a célula recebe mais glicose do que necessita, acaba gerando resistência à insulina. Ou seja, ele fica relutante em abrir a porta. É por isso que a resistência à insulina, ligada ao futuro diabetes tipo 2, promove o acúmulo de açúcar no sangue. Além disso, promove a formação de placas beta-amilóides, características do Alzheimer.

Estudos com ratos revelaram que a administração de estreptozocina, medicamento utilizado para induzir diabetes em modelos animais, gera resistência à insulina e neurodegeneração semelhante à do Alzheimer

A ligação da inflamação

Um estado crônico de inflamação de baixo grau gerado pela resistência à insulina também ligaria ambas as doenças. A inflamação é um processo fundamental para combater as agressões externas e reparar os danos causados. Quando se torna crônico, pode levar a alterações associadas a doenças metabólicas como obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes e Alzheimer.

Neste cenário de resistência à insulina, estresse oxidativo e inflamação, as células entram em apoptose (morte celular programada). Se isso acontecer, se as células morrerem, a rede de cabos ficará emaranhada e o cérebro não funcionará adequadamente. Então o paciente começa a esquecer e para de processar as informações. Aparece o Alzheimer.

Tudo isso sugere que os problemas metabólicos podem ser a chave para ambas as doenças. Por esse motivo, alguns pesquisadores sugeriram que o Alzheimer fosse considerado um novo tipo de diabetes.

O novo tipo de diabetes seria chamado de “diabetes tipo 3”. Uniria-se ao tipo 1, de origem mais genética do que ambiental; tipo 2, com mais influência ambiental do que genética; e gestacional, que ocorre em algumas gestantes.

O termo surgiu em 2005 na Universidade de Rhode Island, cujos pesquisadores propuseram que o Alzheimer poderia ser uma forma de diabetes cerebral, caracterizada por resistência à insulina e disfunção metabólica.

Embora esse termo não seja aceito por toda a comunidade científica, é uma hipótese que pode servir para contribuir para uma visão mais completa da doença.

As ligações entre as duas doenças são fortes, mas ainda há muito a descobrir, especialmente sobre como utilizar essa informação em benefício dos pacientes. 

Uma vez que a resistência à insulina e a inflamação desempenham papéis centrais, poderiam partilhar estratégias terapêuticas. Nesse sentido, a promoção de estilos de vida saudáveis, incluindo a alimentação, poderia ter um impacto positivo na prevenção e no tratamento da diabetes e da doença de Alzheimer.

A ligação entre Alzheimer e diabetes pode transformar a nossa compreensão de ambas as doenças. A ideia do diabetes tipo 3, embora não tenha consenso científico, pode abrir novas portas para pesquisas que liguem as duas doenças, com a resistência à insulina e a inflamação no centro das atenções, bem como tratamentos eficazes. 

A cada nova descoberta ficamos um pouco mais perto de tratar doenças que afetam milhões de pessoas em todo o mundo. Estaremos no limiar de uma nova era na investigação da doença de Alzheimer? Somente o tempo e a ciência poderão responder a esta pergunta.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Influenciadora cristã torna-se ré por associar enchentes no Sul à quantidade de terreiros

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bianca Machado Cotta, vítima do voo AF 447

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Alunos evangélicos de escola de Manaus recusam trabalho de cultura africana

Líder de igreja é acusado de abusar de dezenas de fiéis

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Ateus são o grupo que menos apoia a pena de morte, apura Datafolha

Valdemiro pede 10% do salário que os fiéis gostariam de ter

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão