Pular para o conteúdo principal

Eles estão por toda parte. Por isso é bom saber como funciona a mente dos psicopatas

Eles têm objetivos claros e não medem as consequências de seus atos para obter sucesso, às custas de outros, se necessário


Agustina María Vinagre González
pesquisadora em vitimologia e vitimologia aplicada, Universidade Internacional de La Rioja, Espanha

Juan Enrique Soto Castro
coordenador de mestrado em investigação Criminal, Universidade Internacional de La Rioja

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Imagine um profissional que obteve sucesso na carreira. Ele é ambicioso, decidido — mesmo nas situações mais exigentes — e atraente. Graças ao seu charme ele consegue nos convencer de tudo o que propõe. Seus objetivos coincidem com os da sua empresa. Muito valorizado, ele sobe rapidamente e, um após o outro, atinge todos os seus objetivos. Estamos diante de um vencedor.

Porém, uma análise aprofundada de suas conquistas envolve outras pessoas. Vivemos em sociedade, compartilhamos objetivos, espaços de trabalho e também emocionais. Se perguntarmos às pessoas ao seu redor, encontraremos diferentes maneiras de descrever seu relacionamento com ele, mas elas concordarão em uma coisa: não se aproxime dele porque ele vai acabar com você, eles vão nos dizer.

Nós nos aprofundamos para descobrir que sim, ele é atraente. Use esse poder de atração para ganhar nossa confiança e desmantelar nossas defesas. 

Ele é bom, muito bom, em descobrir vulnerabilidades. Seus objetivos são tão claros que ele não considerará as consequências de suas ações para alcançá-los, às custas de outros, se necessário. Sua frieza diante dos problemas vem da capacidade de não ceder a um medo que nem sente. Ele sempre decide a seu favor. Quando chega ao topo, vemos atrás dele um rastro de dor cuja causa é sua falta de remorso.

Falta de empatia e medo,
comportamento amoral e
ambição definem o psicopata

Neste mundo altamente competitivo, as suas qualidades são muito apreciadas porque são eficazes. Mas se falamos de relações humanas, o seu absoluto desrespeito pelas emoções dos outros é um drama para aqueles que cruzam o seu caminho.

Quem podemos chamar de psicopata?

A psicopatia é um conceito escorregadio. Nem sequer é considerado um transtorno: nem o DSM V nem a CID 11 o registram como tal em suas listas. No entanto, quase todos nós somos capazes de descrever um psicopata. É um distúrbio muito popular graças, em grande parte, ao cinema e à televisão.

Além disso, existem testes que o avaliam com precisão, como o PCL-R de Hare. Sabemos que a psicopatia existe, que existem pessoas que se enquadram numa forma de agir que chamamos de psicopata. Mas ainda há muito mais perguntas do que respostas.

O retrato que fizemos acima se enquadraria na descrição de um psicopata. Ou melhor, com uma espécie de psicopata, já que nem todos se enquadram na mesma categoria. Na verdade, poderíamos estabelecer dois grandes tipos: um, cujo desenvolvimento pessoal se realiza através da impossibilidade de gerar consciência, entendida como aprendizagem a partir da experiência do medo; e outro, que, necessitado de sensações intensas, se deixa levar pelos impulsos apesar das consequências negativas que isso possa trazer.

A pessoa impulsiva costuma cometer erros que põem fim aos seus esforços para satisfazer seus impulsos insaciáveis. Por outro lado, aqueles que não sentem medo têm controle suficiente sobre seu comportamento para calcular com precisão qual deve ser o próximo passo. O primeiro pode cometer crimes, mesmo hediondos, enquanto o segundo é capaz de atingir os seus objetivos sem praticar atos classificados como ilegais, mas antiéticos ou imorais, como a traição ou o abuso de confiança.

Cérebros sem arrependimentos

A falta de empatia e o comportamento amoral sob uma aparência de normalidade, aliados à ambição, constituem uma mistura decisiva. Essa combinação tem muito a ver com a forma como condicionamos o medo. Se o sujeito sente pouco medo em situações de dano ou punição, ele não adquire a experiência emocional. Isso é o que chamamos de memória emocional do evento.

Assim, dificilmente responderá com medo; não experimentará essa sensação e não realizará comportamentos de evitação. Esse tipo de pessoa não adquire consciência ou fica muito fraco.

A amígdala, estrutura cerebral diretamente relacionada ao medo, apresenta ativação muito baixa nesses indivíduos. Se essa região não acender, a produção de serotonina — neurotransmissor relacionado à inibição do comportamento — é menor.

A preocupação também não surge na presença de danos. Não há ansiedade e, portanto, não são evitadas situações ameaçadoras, cujo impacto emocional também não fica registrado na memória. Acima de tudo, no hipocampo.

Se a falta de medo dificulta a aquisição da consciência como evitação e tem como base a baixa reativação da amígdala, bem como a fraca resposta antecipatória, podemos então assumir que este défice amigdalar e as anomalias do hipocampo também explicam a dificuldade dos psicopatas ... adquirir consciência entendida como remorso.

Além disso, quando essas pessoas são apresentadas a imagens que refletem dor e danos a outras pessoas, elas não apenas mostram uma reativação praticamente inexistente da amígdala, mas também ativam o núcleo accumbens, uma estrutura cerebral associada à sensação de prazer. O que traz medo ou pena para a maioria de nós traz prazer para os psicopatas.

Em suma, estamos perante um cocktail ideal de funcionamento cerebral, motivações e comportamentos para alcançar as suas ambições inescrupulosas. Ou, por outras palavras, o desejo incontrolável de atingir objetivos independentemente das suas consequências.

Eles estão entre nós e não sabemos quantos são. O mais triste é que não consideramos o quão implacáveis ​​eles podem ser até que seja tarde demais.

> Esse artigo foi publicado originalmente em espanhol.
 

• Transtorno mental é desencadeador de fundamentalismo, afirma neurocientista

• Psiquiatra forense aponta riscos para o Brasil pelo comportamento psicopata de Bolsonaro

• Estudo revela que profissão de pastor atrai psicopatas

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional