Pular para o conteúdo principal

Mulheres barram o avanço da extrema direita no Brasil e em outros países

Em várias regiões, votos dos homens tendem a fortalecer a onda ultraconservadora


JOSÉ EUSTÁQUIO DINIZ
doutor em demografia

ECODEBATE
plataforma de informação,
artigos e notícias sobre
temas socioambientais

“O grau de emancipação das mulheres é o termômetro através do qual se mede a emancipação de toda a sociedade”. Charles Fourier (1772-1837)

Na maioria dos países, as mulheres conquistaram o direito de voto no século XX, mas continuaram excluídas dos espaços de poder e permaneceram minoria do eleitorado. Mas o quadro mudou no século XXI. 

De modo geral, as mulheres avançaram na educação, no mercado de trabalho e na política, conquistando maiores graus de empoderamento em grande parte do mundo.

Diante da onda de extrema direita que atinge diversos países, as mulheres têm sido uma barreira à maré ultraconservadora

O gráfico abaixo, do jornal El País (27/10/2023), apresenta os dados de intenção de voto, por sexo, em 12 eleições recentes ao redor do mundo e mostra que as mulheres foram decisivas para impedir a chegada da ultradireita ao poder ou impediram a reeleição de candidatos ultradireitistas.

Verifica-se que, na maioria dos países, uma maior proporção de homens declara voto em partidos e candidatos populistas e de extrema direita, enquanto uma menor proporção de mulheres acompanha a onda conservadora.

Número de homens e mulheres no
eleitorado brasileiro (1974-2022)

FONTE: EL PAÍS

O caso do Brasil é exemplar. As mulheres brasileiras são maioria da população desde a década de 1940, mas continuaram minoria do eleitorado até o final do século XX. 

Somente no século XXI as mulheres passaram a ser maioria do eleitorado e ampliaram a vantagem rapidamente e, em 2022, já havia mais de 8 milhões de mulheres a mais do que homens no eleitorado, conforme mostra o gráfico abaixo.

Intenção de votos de homens e mulheres em
 candidatos ou partidos de extrema direita

FONTE: EL PAÍS

As intenções de voto indicaram que os homens eram maioria entre os eleitores do candidato Jair Bolsonaro e as mulheres eram maioria entre os eleitores do candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Como a diferença final das urnas no segundo turno foi em torno de 2 milhões de votos, não resta dúvidas de que as mulheres brasileiras foram fundamentais para barrar a reeleição do candidato ultraconservador no Brasil em 2022.

Tudo indica que as mulheres serão decisivas no segundo turno das eleições presidenciais argentinas em 19 de novembro de 2023. O eleitorado argentino consta com 18,2 milhões de mulheres aptas a votar e 17,6 milhões de homens. As mulheres são maioria, mas com uma diferença bem menor do que no Brasil.

As pesquisas eleitorais da Argentina indicam resultados contraditórios e uma pequena diferença na intenção de voto entre Javier Milei e Sérgio Massa. 

As mulheres argentinas podem ser decisivas, uma vez que estão se mobilizando em defesa dos direitos sexuais e reprodutivos e pela ampliação dos direitos de cidadania e a favor de maior equidade de gênero.

Neste sentido, as argentinas colocaram um freio às propostas conservadoras e super neoliberais do candidato autodenominado anarcocapitalista no primeiro turno das eleições presidenciais ocorridas em outubro. 

Apesar da falta de alternativas e de uma situação de crise econômica severa, pode ser que as mulheres consigam barrar os avanços da onda de ultradireita em 19 de novembro na Argentina.

Com informação do El País e de outras fontes.

• Mulheres são 80% das pessoas forçadas a migrar por mudança climática, informa a ONU

• Censo 2022 revela que mulheres são maioria em todas as regiões pela primeira vez

• As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão