Pular para o conteúdo principal

Cientistas encontram evidências de que buraco negro gira. E Einstein estava certo mais uma vez

Os buracos negros provavelmente adquiriram parte de sua rotação na época que se formaram como estrelas


SPACE TODAY

Os astrônomos encontraram a primeira evidência direta de um buraco negro girando e confirmaram mais uma vez a teoria da relatividade de Einstein.

A descoberta foi feita através do estudo de poderosos jatos de energia emitidos pelo buraco negro do tamanho do sistema solar, localizado no centro da galáxia vizinha Messier 87. 

O buraco negro M87 é o mais bem estudado até hoje e o primeiro a ser fotografado diretamente em 2019, com a sua sombra em forma de “buraco donut” coroada por um halo difuso de luz.

Os astrofísicos previram há muito tempo que os buracos negros giravam, mas o desafio de imaginar as monstruosidades cósmicas tem, até agora, dificultado a obtenção de provas. Os pesquisadores publicaram suas descobertas em 27 de setembro de 2023 na revista Nature .

Parte desse material é cuspido, formando dois jatos de material quente que, em cerca de um décimo dos casos, viaja a 99,9% da velocidade da luz.

Como os jatos dos buracos negros adquirem a enorme energia necessária para fazer isso tem sido um mistério, mas os físicos usaram a teoria geral da relatividade de Einstein para sugerir que o material poderia obtê-lo dos campos magnéticos dos monstros cósmicos, se eles girassem rapidamente em torno de seus eixos.

Os buracos negros provavelmente adquiriram parte de sua rotação desde seus primeiros dias como estrelas que, à medida que de repente colapsaram para dentro, tornaram-se como patinadores artísticos puxando os braços para girar mais rápido. 



Com o tempo, esta rotação provavelmente cresceu mais rápido devido ao efeito da queda de matéria de estrelas dilaceradas pelos buracos negros, ou de colisões catastróficas com outros objetos massivos.

Para procurar pistas desta rotação indescritível, os astrónomos recorreram ao buraco negro supermassivo M87, uma enorme ruptura no espaço-tempo que utiliza a sua massa (6,5 mil milhões de vezes a do Sol) para ancorar uma galáxia inteira.

Ao estudar M87* utilizando uma rede global de radiotelescópios entre 2000 e 2022, os astrónomos descobriram que os jactos do buraco negro oscilavam para a frente e para trás como metrónomos marcando um ciclo de 11 anos. Isto mostrou que o buraco negro estava em precessão ou oscilando em seu eixo enquanto girava, como um pião.

“Estamos entusiasmados com esta descoberta significativa”, disse o autor principal Cui Yuzhu, astrônomo do Laboratório Zhejiang em Hangzhou, China, no comunicado. 

“Como o desalinhamento entre o buraco negro e o disco é relativamente pequeno e o período de precessão é de cerca de 11 anos, o acúmulo de dados de alta resolução que rastreiam a estrutura de M87 ao longo de duas décadas e uma análise minuciosa são essenciais para obter esta conquista.”

Com informação da Nasa e de outras fontes. 

• Telescópio confirma Einstein ao captar estrela próxima de buraco negro

• Hawking chegou a dizer à Nasa que tipo de buraco negro serve como máquina do tempo

• Nasa confirma ter captado a maior explosão já observada no universo

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Britney Spears entra na lista de famosos que não acreditam em Deus

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública em Caxias

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Prefeito de Sorocaba não acata Justiça e mantém Bíblia em escolas

TJs quase conseguiram que Michael Jackson destruísse Thriller antes do lançamento