Pular para o conteúdo principal

6 de cada 10 italianos de 30 anos não acreditam em Deus. A Igreja Católica tem salvação?

A fé está desaparecendo progressivamente e a religião recuando com ela; cristianismo caminha para o fim


MARCO MARZANO
sociólogo italiano e professor
da Universidade de Bérgamo

Domani
site italiano

O cardeal Ruini, e com ele muitos dos cientistas sociais que por muito tempo deram eco às suas palavras, dizia a respeito da secularização, isto é, do distanciamento progressivo das pessoas da religião, que a Itália era uma exceção. Segundo aquele que por muito tempo foi o chefe dos bispos Italianos, o país teria liderado o renascimento do catolicismo no continente europeu.

Nunca uma profecia foi tão errada. A enésima confirmação vem dos resultados de uma interessante pesquisa promovida pela revista católica Il Regno e realizada sob a supervisão de dois sociólogos muito respeitados, Arturo Parisi e Paolo Segatti.

A pesquisa apresenta-se como uma réplica de uma anterior, realizada há quase 15 anos, em 2009. As perguntas do questionário permaneceram as mesmas e igualmente representativa de toda a população italiana também foi a grande amostra de entrevistados: 1.500 na primeira pesquisa, 2010 na segunda.

O primeiro dado é inequívoco: em 2009, mais de 81% dos entrevistados definiam-se como católicos, em 2023, o número caiu para menos de 73%. Uma queda vertical de dimensões consideráveis, à qual correspondeu um aumento igualmente impressionante na quantidade de ateus e de não crentes, que passaram de 6,2% em 2009 para 15,9% em 2023.

A prática

Os indicadores de participação ativa na vida da Igreja Católica também vão na mesma direção. O número daqueles que declaram frequentar a missa todos os domingos quase caiu pela metade em menos de 15 anos: eram 28% da amostra em 2009, são apenas 18% em 2023 (e leva-se em conta que, como outras pesquisas mostraram, as pessoas que realmente frequentam a missa são sempre menos daquelas que, respondendo a uma pesquisa, afirmam frequentar).

O número daqueles que declaram nunca ir à missa, nem uma vez por ano, dobrou desde 2009, passando de 19% para 37% e, portanto, acaba incluindo uma parte substancial daqueles que se declaram católicos.

A fé

O declínio na prática religiosa católica diz respeito a todas as gerações, mas torna-se clamoroso no caso dos mais novos. Entre os nascidos depois de 1981 o número de praticantes regulares cai abaixo de 10%, enquanto o número daqueles que declaram acreditar em Deus cai, entre os nascidos depois de 1990, abaixo dos 40% (permanecendo em torno de 50 para os nascidos depois de 1981).

Em toda a Europa há
igrejas abandonadas

Um dado ainda mais surpreendente é representado pelo fato de, em duas faixas etárias, a dos nascidos nas décadas de 1970 e 1980, o número de mulheres praticantes regulares é inferior ao dos homens: a chamada "fuga das quarentonas" (para citar o título de um popular livro de Dom Armando Matteo) é, portanto, realidade e não lenda.

É verdade que a quantidade de mulheres que se definem ateias ou não crentes é inferior ao número dos homens, mas o seu distanciamento da Igreja é forte e crescente e, em algumas gerações, ultrapassa o masculino. 

Em suma, crescem entre as mulheres formas de crenças que não passam mais pela filiação ao catolicismo. É um dado amplamente conhecido pelas hierarquias que, no entanto, não têm de forma alguma os meios para deter o êxodo, mantendo intacto o quadro normativo e político atual.

Esse é, portanto, o cenário: credível, sensato e não muito diferente de outros elaborados nos últimos anos por outros grupos de pesquisa. 

A primeira pergunta que surge espontaneamente após a leitura desses números é a seguinte: o que a Igreja Católica pode fazer para inverter a tendência, para ver aumentar o número de pessoas que participam de seus ritos, para conquistar a atenção agora quase completamente perdida das gerações jovens?

A resposta é: nada. A secularização é um fenômeno generalizado em todos os países europeus, uma realidade que não diz respeito apenas à frequência à igreja, mas que diz respeito à própria fé em Deus. Isso é confirmado por outro número oferecido pela pesquisa de Parisi e Segatti: aqueles que afirmam acreditar na existência de Deus passaram de 72% para 57% de 2009 para 2023, e aqueles que acreditam sem dúvida de 50% para 36%. 

Em suma, a fé está desaparecendo progressivamente e a religião está recuando com ela.

Não há muito que as igrejas possam fazer. Aquelas mais progressistas, por exemplo a anglicana, introduziram algumas reformas profundas, abriram-se às mulheres e aos homossexuais, mas não recuperaram um único fiel e estão cada vez mais despovoadas.

A segunda pergunta que deve ser feita é esta: quais são as consequências dessa situação para a Igreja Católica italiana? Também nesse caso, os alarmismos excessivos são injustificados. É claro que o afastamento de uma parte significativa da população causa alguns danos à instituição: diminui a sua capacidade de orientar os comportamentos de muitos sujeitos e reduz a sua capacidade de implementar iniciativas e atividades pastorais.

A política

Mas ao lado desses dados preocupantes (para a organização eclesial, claro) não se pode deixar de notar o fato de o catolicismo manter a sua elevada reputação cultural e política na Itália. Isso é demonstrado pelo último dos dados da pesquisa que quero aqui relatar: 47% da amostra acreditam que é legítimo, ou seja, que “faz parte da sua missão” (para usar as palavras do questionário), que a Igreja trate do aborto, 49% acham que deveria se interessar pelo desemprego, 38% pela homossexualidade, 55% pela imigração.

Muitos desses percentuais estão até em crescimento em comparação com 2009. Trata-se de um dado esclarecedor: os italianos abandonam cada vez mais os cultos dominicais e acreditam menos em Deus, mas olham, de forma crescente, para a Igreja Católica como uma fonte de autoridade de indicações morais e de estratégias políticas. A enorme popularidade do Papa argentino (e em muitos aspectos do presidente da CEI, o Cardeal Zuppi), até mesmo em muitos ambientes ateus e de esquerda, confirma esse elemento.

Com uma brincadeira poderíamos concluir que, em tempos de descristianização galopante, muitos sonham com um retorno do Papa rei e da Igreja como guia moral e política da nação. Voltaremos a falar disso.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Britney Spears entra na lista de famosos que não acreditam em Deus

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública em Caxias

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Prefeito de Sorocaba não acata Justiça e mantém Bíblia em escolas

TJs quase conseguiram que Michael Jackson destruísse Thriller antes do lançamento